Aterro sanitário em Danbury, Connecticut. Foto: ONU/Evan Schneider

Economia circular pode ajudar países a combater mudanças climáticas, diz relatório

Um relatório da Circle Economy, grupo apoiado pela ONU Meio Ambiente, aponta que apenas 9% da economia global é circular, o que significa que o planeta reutiliza menos de 10% das 92,8 bilhões de toneladas de minerais, combustíveis fósseis, metais e biomassa usados todos os anos em processos produtivos.

Divulgado na terça-feira (22) no Fórum Econômico Mundial, em Davos, o documento destaca o potencial do reaproveitamento e da reciclagem para combater as mudanças climáticas e cumprir o Acordo de Paris.

O tema do Dia Internacional das Mulheres em 2019 é “Pensemos em igualdade, construção com inteligência e inovação para a mudança”. Foto: ONU Mulheres/Sandra Hollinger

Dia Internacional das Mulheres deste ano terá com tema igualdade e inovação para a mudança

O Dia Internacional das Mulheres de 2019 terá como tema central “Pensemos em igualdade, construção com inteligência e inovação para a mudança”. A data irá focar nas formas inovadoras para a defesa da igualdade de gênero e empoderamento das mulheres, em especial aquelas relativas aos sistemas de proteção social, acesso aos serviços públicos e infraestrutura sustentável.

“A inovação e a tecnologia trazem oportunidades sem precedentes, no entanto, as tendências atuais indicam que as lacunas digitais estão se ampliando e que as mulheres estão representadas de maneira insuficiente nos campos da ciência, tecnologia, engenharia, matemática e design”, de acordo com a ONU Mulheres.

Locais de trabalho mais saudáveis e seguros podem prevenir ao menos 1,2 milhão de mortes todos os anos, de acordo com estudo da OMS realizado em 2018. Foto: Agência Brasil/Marcelo Camargo

Comissão da OIT pede que saúde seja mais valorizada no ambiente de trabalho

A Comissão Global da Organização Internacional de Saúde (OIT) sobre o Futuro do Trabalho pediu mudanças fundamentais nas formas de se trabalhar em meio a uma nova onda de globalização, rápido desenvolvimento tecnológico, transição demográfica e mudança climática, segundo relatório publicado na terça-feira (22).

Segundo a comissão, essas mudanças exigem que a saúde seja mais valorizada nos ambientes de trabalho. Todas e todos têm direito à saúde, que é definida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como um estado de completo bem-estar físico e mental e não apenas a mera ausência de doenças. Os trabalhadores também têm o direito aos cuidados de saúde o mais próximo possível dos locais onde vivem e trabalham.

Trabalhadores em indústria eletrônica de Bekasi, na Indonésia. Foto: OIT/A. Mirza

OIT: países devem agir para que inovações criem oportunidades no mundo do trabalho

Inovações sem precedentes no mundo do trabalho oferecem “inúmeras oportunidades”, mas os países devem agir para que elas não criem mais desigualdades e incertezas, segundo um novo relatório da Organização Internacional do Trabalho (OIT) divulgado nesta terça-feira (22).

Segundo o relatório, forjar esse novo caminho requer ação comprometida por parte de governos, bem como organizações de empregadores e trabalhadores.

O documento sugere que os países garantam direito universal à aprendizagem ao longo da vida; intensifiquem os investimentos em instituições, políticas e estratégias que irão apoiar as pessoas ao longo de transições de trabalho futuras; implementem uma agenda transformadora e mensurável para a igualdade de gênero; forneçam proteção social universal do nascimento até a velhice.

A presidente da Assembleia Geral da ONU, María Fernanda Espinosa. Foto: ONU

Presidente da Assembleia Geral cita fortalecer multilateralismo e revitalizar ONU como prioridades

Revitalizar as Nações Unidas para “fortalecer uma ordem mundial multilateral com base em regras” lidera uma lista de prioridades que a presidente da Assembleia Geral expôs a Estados-membros da ONU nesta terça-feira (22).

Convencida de que “revitalizar a ONU e avançar o multilateralismo andam lado a lado”, a presidente da Assembleia Geral, María Fernanda Espinosa, disse que está se comunicando com líderes mundiais em Nova Iorque e no exterior “para promover este objetivo”.

Refugiados sírios andam pelas ruas de Atenas, perto de um apartamento cedido, enquanto aguardam uma decisão do governo sobre seu pedido de refúgio. Foto: UNICEF/Georgiev

OMS desmonta mito de que refugiados e migrantes estariam levando doenças para Europa

Autoridades europeias estão “lutando” para atender às necessidades de saúde de refugiados e migrantes irregulares, que são equivocadamente acusados de espalhar doenças nas comunidades que os recebem, afirmou na segunda-feira (21) a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Em seu primeiro relatório sobre as condições de saúde dessas populações na Europa, a agência da ONU desmonta o mito de que estrangeiros estão levando infecções para o continente.

Publicação analisou impactos da certificação ISO 9001 no Brasil. Foto: EBC

ONU: Brasil deve crescer 2,1% em 2019, mas país poderá ter apertos fiscais e monetários

O relatório Situação e Perspectivas Econômicas Mundiais 2019 da ONU aponta que o novo governo do Brasil enfrenta fortes pressões para consolidar as finanças públicas, incluindo por meio de uma reforma abrangente do sistema de pensões.

Segundo a pesquisa, a economia em nível global deve manter um índice de crescimento a 3% em 2019 e 2020, mas o desempenho positivo poderá ser afetado por riscos associados às tensões comerciais entre os países, dívidas domésticas, mudanças climáticas e falta de apoio à cooperação internacional.

Vista aérea de Davos, na Suíça. Foto: Fórum Econômico Mundial/Andy Mettler

Especialistas da ONU pedem que direitos humanos estejam presentes nos debates de Davos

Enquanto líderes globais se reúnem em Davos para o Fórum Econômico Mundial, especialistas das Nações Unidas enfatizaram a importância essencial dos direitos humanos para o tema central do evento, a “Globalização 4.0: Moldando uma Nova Arquitetura na Era da Quarta Revolução Industrial”.

“Os líderes empresariais e políticos em Davos devem garantir que a Quarta Revolução Industrial trabalhe para os indivíduos e comunidades mais desfavorecidos ou marginalizados, em vez de meramente para os ricos e poderosos. Isso só será possível se os esforços para reformular a globalização forem construídos sobre a base dos direitos humanos para todos”, disse Surya Deva, presidente do Grupo de Trabalho das Nações Unidas sobre Empresas e Direitos Humanos.

O secretário-geral da ONU, António Guterres. Foto: ONU/Eskinder Debebe

Medo é ‘marca’ mais vendida atualmente, diz secretário-geral da ONU

Alertando sobre os perigos e a disseminação do medo e da desconfiança no planeta, o secretário-geral da ONU, António Guterres, disse a jornalistas na sexta-feira (18) que deseja reafirmar a ONU como uma “plataforma para a ação, para reparar a confiança quebrada em um mundo quebrado”.

“A marca mais vendida atualmente em nosso mundo é de fato o medo”, afirmou Guterres. “Ele recebe audiência. Recebe votos. Gera cliques”, acrescentou, durante entrevista à imprensa na sede da ONU em Nova Iorque.

Foto: UNFPA Brasil/Solange Souza

Projeto do PNUD no Piauí promove empoderamento econômico de mulheres jovens

Principais vítimas de feminicídio e de mortalidade materna, as mulheres jovens também são as que mais sofrem com o desemprego e a sobrecarga de trabalho não remunerado no país.

Na tentativa de reverter esse quadro no estado do Piauí, o projeto “Mulheres Resilientes = Cidades Resilientes”, do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), desenvolverá nos próximos meses iniciativas para o empoderamento econômico e a autonomia financeira de mulheres piauienses com idade entre 18 e 29 anos.

A previsão é de que o trabalho seja realizado em cinco áreas: educação para o trabalho e inclusão produtiva; enfrentamento à violência contra as mulheres; promoção da saúde das mulheres; melhoria da transversalidade de gênero nos equipamentos públicos; políticas de cuidados para redução da sobrecarga de responsabilidades concentradas nas mulheres.

Juan Pablo Bohoslavsky. Foto: ONU/Jean-Marc Ferré

Reformas econômicas devem garantir defesa dos direitos humanos, diz relator da ONU

Os direitos humanos devem ser um componente integral da formulação de políticas para garantir que reformas econômicas ajudem as sociedades a avançar, em vez de criar obstáculos para a vida das pessoas, disse nesta segunda-feira (21) um especialista independente nomeado pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU.

O argentino Juan Pablo Bohoslavsky, especialista independente sobre dívida externa e direitos humanos, publicou os “Princípios Orientadores sobre Avaliação de Impactos de Reformas Econômicas nos Direitos Humanos” para auxiliar Estados, instituições financeiras internacionais e sociedade civil a garantir que os direitos humanos sejam incorporados nas políticas econômicas.

O investimento estrangeiro direto (IED) global caiu quase um quinto em 2018, segundo a UNCTAD. Foto: EBC

Fluxo global de investimento estrangeiro direto cai ao nível mais baixo em uma década

O investimento estrangeiro direto (IED) global caiu quase um quinto em 2018, de 1,47 trilhão de dólares em 2017 para 1,2 trilhão de dólares no ano passado, de acordo com dados mais recentes do Monitor de Tendências de Investimentos Globais da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD), divulgados nesta segunda-feira (21).

A queda deriva da reforma fiscal corporativa nos Estados Unidos. A partir de 2017, empresas multinacionais norte-americanas embarcaram em uma grande repatriação de ganhos estrangeiros acumulados, uma ação que afetou fortemente a Europa.

O Brasil teve queda de 12% no fluxo de investimento estrangeiro direto ao país no ano passado, para 59 bilhões de dólares.

Gerentes de compras no Cazaquistão aprendem a usar aplicativo desenvolvido pela FAO. Foto: FAO

FAO destaca necessidade de inovação digital inclusiva para agricultura familiar no mundo

Chegou a hora de acelerar a inovação na agricultura, e fazer isso de forma a promover melhoras para as centenas de milhões de pessoas que produzem a maior parte dos alimentos do mundo na agricultura familiar, disse no sábado (19) o diretor-geral da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), o brasileiro José Graziano da Silva.

Garantir que as tecnologias digitais transformadoras não deixem ninguém para trás significa encontrar formas de permitir que os pequenos produtores rurais — incluindo os jovens — possam aproveitar seu uso, aumentar sua produtividade e melhorar seu acesso aos mercados, disse o responsável da FAO aos participantes do Fórum Mundial sobre Alimentação e Agricultura (GFFA, na sigla em inglês), realizado em Berlim.

Em Kenema, Serra Leoa, um menino joga futebol em uma ONG apoiada pelo UNICEF que presta serviços para crianças vivendo com HIV e AIDS. Foto: UICEF/Phelps

ONU pede mais esforços na África para prevenir infecções de HIV entre crianças e adolescentes

Em evento com ministros e autoridades de saúde, agências da ONU pediram neste mês (16), no Senegal, que países das regiões central e ocidental da África realizem mais ações para impedir novos casos de HIV entre crianças e adolescentes. Em 2017, em torno de 67 mil crianças (com até nove anos de idade) e 69 mil adolescentes (de dez a 19 anos) foram infectados pelo vírus nessas partes do continente africano.

A FAO e o Governo da Suíça convidam indivíduos, empresas e instituições para apresentar suas indicações para o Prêmio Internacional de Inovação para a Alimentação e a Agricultura Sustentáveis, até o dia 28 de fevereiro de 2019. Foto: PEXELS

FAO recebe candidaturas a prêmio de inovação para alimentação e agricultura sustentáveis

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e o governo da Suíça convidam indivíduos, empresas e instituições a apresentar até 28 de fevereiro suas candidaturas ao Prêmio Internacional de Inovação para a Alimentação e a Agricultura Sustentáveis.

A FAO vê a inovação como uma força motriz fundamental para um mundo livre de fome e desnutrição, onde a agricultura e a alimentação possam contribuir para a redução da pobreza de maneira econômica, social e ambientalmente sustentável.

Em evento realizado no Palácio da Cidade, o termo de parceria foi assinado pelo prefeito Marcelo Crivella (centro), pelo coordenador do escritório do ONU-HABITAT no Brasil e no Cone Sul, Alain Grimard (esquerda), e pelo presidente do Instituto Municipal de Urbanismo Pereira Passos - IPP, Mauro Osório (direita). Foto: UNIC Rio/Paulo Portilho

ONU firma parceria com Prefeitura do Rio para expandir programa de redução da pobreza

O Programa das Nações Unidas para Assentamentos Humanos (ONU-HABITAT) assinou na sexta-feira (18) na capital fluminense uma parceria com a Prefeitura do Rio de Janeiro para expandir o programa Territórios Sociais, cujo objetivo é reduzir o risco social e melhorar as condições de vida das famílias mais pobres e em situação de maior vulnerabilidade no município.

Em evento realizado no Palácio da Cidade, o termo de parceria foi assinado pelo prefeito Marcelo Crivella, pelo coordenador do escritório do ONU-HABITAT no Brasil e no Cone Sul, Alain Grimard, e pelo presidente do Instituto Municipal de Urbanismo Pereira Passos – IPP, Mauro Osório.

Vista aérea da floresta amazônica, próximo a Manaus. Foto: Flickr (CC)/CIAT/Neil Palmer

ARTIGO: Por que um planeta saudável e uma economia saudável andam de mãos dadas

Em artigo, a chefe da Convenção da ONU sobre Diversidade Biológica, Cristiana Pasca Palmer, ressalta que os ecossistemas naturais oferecem serviços de importante valor para a humanidade, como a polinização feita pelos insetos e animais, associada a mais 75% dos cultivos alimentares do mundo.

Florestas, como a Amazônia, também desempenham um papel crítico na preservação do equilíbrio climático e na absorção de gás carbônico, afirma a dirigente.

Mariana Toni no escritório do Centro de Excelência contra a Fome, em Brasília. Foto: Centro de Excelência contra a Fome

Estudante brasileira apoia trabalho da ONU na luta contra a fome

A estudante de Design Mariana Toni passou uma semana como voluntária no Centro de Excelência contra a Fome da ONU, em Brasília. A instituição foi criada por uma parceria entre o governo brasileiro e o Programa Mundial de Alimentos (PMA) para promover a alimentação escolar e combater a desnutrição em países em desenvolvimento.

Para a universitária, os sete dias na agência foram uma oportunidade de aprimorar suas habilidades técnicas e conhecer o trabalho da Organização.

Chefe da CEPAL alertou que desigualdades de gênero afetam a inserção das mulheres no mercado de trabalho. Foto: Agência Brasil

CEPAL defende trabalho decente para promover igualdade social

Em seminário no Chile para celebrar os cem anos da Organização Internacional do Trabalho (OIT), a chefe da Comissão Econômica da ONU para a América Latina e o Caribe (CEPAL), Alicia Bárcena, alertou na quinta-feira (17) que 42% dos trabalhadores na região recebem pagamentos inferiores ao salários mínimos nacionais. Defasagem foi um dos desafios na promoção do trabalho decente elencados pela dirigente, que também chamou atenção para as desigualdades de gênero.

Médico cubano trabalha no estado de Pernambuco. Estado foi elogiado em relatório por envolver comunidade na construção e implementação de políticas públicas de saúde. Foto: OPAS

Agência da ONU apoia organização de conferência nacional de saúde no Brasil

A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) — braço regional da Organização Mundial da Saúde (OMS) — será uma das participantes da comissão organizadora da 16ª Conferência Nacional de Saúde do Brasil. Evento é o momento mais importante da participação social na área. Em 2019, os temas centrais do encontro incluem a saúde como um direito, a consolidação dos princípios do SUS e o financiamento da rede pública.

Cédulas de dinheiro. Foto: USP Imagens/Marcos Santos

ARTIGO: Novo sistema tributário é necessário para aumentar produtividade e competitividade

Em artigo publicado na imprensa brasileira, o coordenador da área econômica do Banco Mundial para o Brasil, Rafael Muñoz, alerta para as atuais distorções do sistema tributário brasileiro, que tende a criar uma competição fiscal entre os estados para atrair empresas com base em incentivos.

O regime vigente também é visto como muito oneroso para o setor privado — uma pesquisa do Banco Mundial revela, por exemplo, que uma empresa de médio porte em São Paulo leva uma média de 1.958 horas por ano para cumprir com suas obrigações fiscais, em comparação a 547 horas na América Latina e 165 nos países da OCDE.

Acesso a água e saneamento em espaços públicos é tema de desafio online para jovens. Foto: Banco Mundial/Allison Kwesell

Relator da ONU lança desafio para jovens sobre saneamento, água e direitos humanos

O brasileiro e relator especial da ONU Léo Heller convoca jovens de 15 a 24 anos a participar de um desafio virtual sobre direitos humanos e acesso a água e saneamento. O prêmio: uma viagem para Genebra, na Suíça, onde o vencedor da competição falará sobre o seu país para oficiais da ONU.

Em 2019, o concurso aborda como os direitos humanos a água e saneamento devem ser garantidos não apenas nos domicílios, mas também em outras esferas da vida de uma pessoa, como os locais públicos e de trabalho, as instituições de ensino e as instalações de saúde.

Mulheres e homens de uma comunidade local, no Lesoto, participam de consultas para os planos de desenvolvimento locais contra os impactos da ação climática e insegurança alimentar. Foto: FAO (arquivo).

Guterres detalha as cinco prioridades das Nações Unidas em 2019

Mesmo diante de “ventos contrários”, as Nações Unidas “fizeram uma diferença real” em 2018 e precisarão fazer ainda mais em 2019, conforme o planeta enfrenta “um mundo de problemas”, segundo mensagem do secretário-geral da ONU, António Guterres, divulgada na quarta-feira (16), que citou cinco prioridades para o ano.

Entre os sucessos do ano passado, ele citou progresso em direção à paz no Iêmen, na Península Coreana e no Sudão do Sul; e entre as ex-inimigas Etiópia e Eritreia.

Ele também destacou o “resultado bem-sucedido” da conferência da ONU sobre o clima em dezembro na Polônia, na qual houve consenso geral sobre como implementar o Acordo de Paris para o clima, de 2015.

Jovem sul-africana exibe miçanga com o símbolo do movimento pelo fim da AIDS. Foto: Peace Corps/PEPFAR

Programa da ONU pede financiamento completo de fundo para AIDS, tuberculose e malária

O Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) pediu que doadores internacionais apoiem o financiamento pleno do Fundo Global de Combate à AIDS, Tuberculose e Malária — que lançou neste mês (11) um apelo orçamentário de 14 bilhões de dólares para cobrir atividades pelos próximos três anos. Iniciativas implementadas com a verba devem ajudar a salvar 16 milhões de vidas, reduzindo pela metade a taxa mundial de mortalidade das três doenças.

Documentário produzido com apoio da auditoria e consultoria Deloitte e da Rede Brasil do Pacto Global das Nações Unidas mostra experiências de cidades do mundo todo no uso da tecnologia e da inovação para a promoção do desenvolvimento sustentável. Foto: Reprodução

Documentário mostra uso de tecnologia e inovação para superar desafios das cidades

Documentário produzido com apoio da auditoria e consultoria Deloitte e da Rede Brasil do Pacto Global das Nações Unidas mostra experiências de cidades do mundo todo no uso da tecnologia e da inovação para a promoção do desenvolvimento sustentável.

O filme aponta que a tendência do século 21 é enxergar os centros urbanos não apenas como meros espaços eficientes de circulação de pessoas e mercadorias, mas também como ambientes de enriquecimento cultural — onde as atividades humanas são integradas aos pilares do desenvolvimento sustentável e da qualidade de vida.

O Brasil passou por importantes mudanças estruturais desde a metade dos anos 1920, tornando-se predominantemente urbano. No entanto, desigualdades sociais permaneceram. Foto: EBC

ARTIGO: Repensando o desenvolvimento na América Latina e Caribe

Em artigo, o secretário-geral assistente da ONU e diretor para a América Latina e o Caribe do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Luis Felipe López-Calva, afirma que a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável só poderá ser cumprida com sucesso na América Latina e no Caribe se forem levadas em conta as características particulares da região.

“Devemos ir fundo nos desafios e contextos específicos e oportunidades que nossa região enfrenta, nos engajando com as pesquisas e pensamentos de desenvolvimento de ponta. Também é fundamental que façamos isso de uma forma concreta e baseada em fatos, não somente em jargões e frases de impacto”, declarou. Leia o artigo completo.

O envelhecimento populacional é um fenômeno mundial e, em países em desenvolvimento, como o Brasil, vem ocorrendo muito rapidamente. Foto: EBC

ONU apoia estratégia brasileira de promoção do envelhecimento saudável

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indicam que havia mais de 20 milhões de pessoas idosas no Brasil em 2010. De acordo com o censo demográfico daquele ano, a estimativa é de um incremento médio de mais de 1 milhão de idosos anualmente ao longo da próxima década.

A Estratégia Brasil Amigo da Pessoa Idosa, do Governo Federal, tem a parceria da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Organização Mundial da Saúde (OMS) e Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Uso de motos e outros automóveis motorizados de duas e três rodas está associado a mais de 280 mil mortes no trânsito por ano em todo o mundo. Foto: PEXELS (CC)/Artem Bali

Agência de saúde da ONU divulga publicação em português sobre segurança de motos

O uso de motos e outros automóveis motorizados de duas e três rodas está associado a 286 mil mortes por ano em todo o mundo. Publicação da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) busca ajudar governos e a sociedade civil na elaboração de programas eficazes de segurança no trânsito, por meio de ações, por exemplo, que combatam o excesso de velocidade, o uso do transporte sem capacete e a combinação do consumo de álcool com a direção.

Foto: ONU Mulheres/ Márcio Veltri

Fórum reúne lideranças empresariais no Rio para discutir igualdade de gênero no setor privado

O II Fórum WEPs Rio de Janeiro reuniu cerca de 180 pessoas na capital fluminense no fim de novembro (30) para discutir os principais desafios na implementação dos Princípios de Empoderamento das Mulheres (WEPs, na sigla em inglês), além de boas práticas nas empresas para promover a igualdade de gênero e o empoderamento econômico das mulheres.

O evento foi promovido pela ONU Mulheres em parceria com a Petrobras Distribuidora, por meio do programa “Ganha-Ganha: Igualdade de gênero significa bons negócios”, iniciativa de ONU Mulheres, Organização Internacional do Trabalho e União Europeia (UE). O encontro teve o apoio da Rede Brasil do Pacto Global.

Criados em 2010 pela ONU Mulheres e pelo Pacto Global da ONU, os sete Princípios de Empoderamento das Mulheres têm se tornado referência para que as empresas implementem políticas para a promoção da igualdade de gênero no local de trabalho, no mercado e na comunidade.

Meninos etíopes em praia do Djibuti. Foto: OIM/Muse Mohammed

Mendicância e prostituição afetam crianças migrantes em situação de rua no Djibuti

Mendigar, lavar carros ou se prostituir fazem parte da realidade de muitas crianças em situação de rua no Djibuti, aponta uma pesquisa divulgada na terça-feira (15) pela Organização Internacional para as Migrações (OIM). A publicação faz parte de um esforço da agência da ONU para mapear e entender os movimentos irregulares de migrantes na região do Mar Vermelho, que banha parte da costa nordeste da África e também o Oriente Médio.