Agricultores semeando alface crespa. Foto: Flickr/ Orgânicos do Pivas (Creative Commons)

Concurso irá escolher práticas agrícolas tradicionais de destaque no Brasil

Foram prorrogadas até 20 de fevereiro as inscrições para o prêmio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) de Boas Práticas para Sistemas Agrícolas Tradicionais (SAT). O objetivo é reconhecer 15 iniciativas brasileiras, bem como incentivar e fortalecer a articulação, mobilização e formação de redes comunitárias em torno desses sistemas.

O prêmio é uma parceria entre BNDES, Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA), com o apoio da Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (SEAD).

Foto: OPAS/OMS

Brasil anuncia fracionamento de doses de vacina contra febre amarela em três estados

O Ministério da Saúde anunciou na terça-feira (9) que vai adotar, entre fevereiro e março deste ano, o fracionamento de doses da vacina contra a febre amarela em três estados: Bahia, Rio de Janeiro e São Paulo. Essa medida é recomendada pela Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) como uma das estratégias de imunização que podem ser usadas em casos de emergência.

Redução do nível de oxigênio dos oceanos afeta a vida marinha. Foto: ONU

Redução do nível de oxigênio nos oceanos ameaça vida marinha, alerta estudo

Um novo artigo publicado na revista Science mostra que as concentrações de oxigênio no oceano estão caindo, não apenas como resultado das mudanças climáticas, mas também da poluição. Tal fenômeno representa uma séria ameaça para a vida marinha e para as populações cuja sobrevivência depende dos oceanos.

O estudo — realizado por uma equipe de cientistas da Global Ocean Oxygen Network, um novo grupo de trabalho criado pela Comissão Oceanográfica Intergovernamental da UNESCO — destaca os maiores perigos para as comunidades oceânicas e costeiras e o que será necessário fazer para manter as águas da Terra saudáveis e produtivas.

Entre os usuários da CID, estão profissionais de saúde, pesquisadores, gestores e codificadores de informações em saúde. Foto: Ministério da Saúde/Creative Commons

Leia perguntas e respostas sobre a revisão da Classificação Internacional de Doenças (CID)

A Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde (CID) fornece uma linguagem comum para registro e monitoramento de doenças. Isso permite que profissionais de todo o mundo comparem e compartilhem dados de forma consistente e padronizada — entre hospitais, regiões e países, bem como por períodos de tempo. Essa ferramenta facilita a coleta e armazenamento de dados para análise e tomada de decisões baseadas em evidências.

A CID foi traduzida para 43 idiomas e é utilizada por todos os Estados-membros da Organização Mundial da Saúde (OMS). A maioria dos países (117) usa o sistema para registrar dados sobre mortalidade, um indicador básico de saúde.

Xangai, China. Foto: ONU-Habitat/Julius Mwelu

China e ONU Meio Ambiente assinam acordo de cooperação pelo desenvolvimento sustentável

O ministro chinês do Meio Ambiente, Li Ganjie, assinou na sexta-feira (5) um acordo de cooperação estratégica com o diretor-executivo da ONU Meio Ambiente, Erik Solheim, com o objetivo de apoiar a agência das Nações Unidas em seu suporte a países em desenvolvimento no enfrentamento de desafios ambientais.

O acordo também visa a apoiar esses países no desenvolvimento sustentável de suas economias e para aumentar o conhecimento sobre desafios ambientais. O pacto foca na Cooperação Sul-Sul entre países asiáticos e africanos.

Profilaxia pré-exposição é mais uma ferramenta contra a transmissão do HIV. Foto: UNAIDS

Brasil começa a distribuir remédios para prevenir HIV entre populações-chave

O Ministério da Saúde começou no início de dezembro (1º) a distribuir as profilaxias pré-exposição (PrEP) e pós-exposição (PEP) para prevenir o HIV entre populações-chave em 35 localidades do país.

Em dezembro passado, um novo relatório sobre prevenção do HIV elaborado por Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) e o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) recomendou ampliar o acesso a todas as opções de prevenção disponíveis, entre elas, a PrEP, para diminuir os novos casos de HIV, que têm se mantido em 120 mil por ano desde 2010 na América Latina e no Caribe.

Governos, setor privado, sociedade civil e academia promoveram ações para incentivar a adoção dos ODS em 2017. Foto: PNUD/Guilherme Larsen.

Brasil avançou em 2017 na formulação de políticas para atingir objetivos globais

Para fortalecer a implementação da Agenda 2030, o Brasil avançou em 2017 na formulação de políticas que estimulam a adoção dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável nos âmbitos federal, estaduais e municipais, de acordo com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Governos, sociedade civil, setor privado e organismos internacionais promoveram ações que dialogam com o cumprimento dos ODS por meio de ações integradas para erradicar a pobreza, promover o crescimento econômico e a sustentabilidade global.

Mumbai à noite. Índia quer melhorar eficiência no consumo de energia para iluminação urbana e doméstica. Foto: Flickr (CC)/Ville Hyvönen

ONU e Índia apostam na iluminação de LED para diminuir emissões de gás carbônico

A Índia é o terceiro maior emissor de gases do efeito estufa, ficando atrás apenas dos Estados Unidos e da China. Um dos grandes vilões no país é a matriz energética pouco sustentável e ainda muito dependente do carvão. Cerca de 70% das emissões da nação vem do setor de energia.

Mas o gigante do Sul asiático tem empreendido esforços para reduzir sua pegada de carbono. Uma das frentes de atuação é o investimento em eficiência elétrica — o país quer ser o primeiro no mundo a suprir todas as suas necessidades de iluminação com o uso de LEDs.

Sede da CEPAL em Santiago do Chile. Foto: CEPAL

CEPAL inicia comemorações de seu 70⁰ aniversário com seminário no Chile

Em 2018, a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) completa 70 anos de serviço à região. Para lembrar o aniversário, o organismo regional das Nações Unidas realizará diversas atividades durante o ano.

A primeira delas será um seminário de alto nível em sua sede central de Santiago do Chile, que incluirá uma mesa redonda sobre a história e as contribuições da instituição ao pensamento latino-americano e caribenho. O evento ocorrerá em 10 de janeiro às 9h locais (10h de Brasília), com transmissão ao vivo pela Internet.

Mulheres em campo de refugiados em Darfur do Norte, beneficiárias da iniciativa de acesso seguro a combustíveis e energia do PMA. Foto: UNAMID/Albert González Farran.

Desenvolvimento em países mais pobres depende de acesso a energia, diz relatório da ONU

Expandir o acesso a fontes adequadas, confiáveis e acessíveis de energia é essencial para os países mais pobres do mundo saírem dessa condição, segundo relatório divulgado no fim de novembro (22) pela Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD).

De acordo com o documento, os 47 países menos desenvolvidos do mundo estão ficando muito atrás dos países em desenvolvimento no que se refere ao fornecimento de energia elétrica para residências e empresas. Embora tenham feito grandes progressos nos últimos anos, para atingir o objetivo global de acesso universal à energia até 2030 precisam aumentar em 350% sua taxa anual de eletrificação.

Bandeira da ONU é levantada na cerimônia de lançamento da MINUJUSTH. Foto MINUJUSTH/Logan Abassi

Nova missão da ONU no Haiti tem como objetivo fortalecer o Estado de direito no país

A chefe da nova Missão das Nações Unidas de Apoio à Justiça no Haiti (MINUJUSTH), Susan Page, disse que a operação terá como foco exclusivo fortalecer o Estado de direito no país.

“O novo mandato estabelecido pelo Conselho de Segurança da ONU é trabalhar com o governo haitiano para fortalecer suas instituições de Estado de direito. Também continua a apoiar a polícia nacional haitiana e a trabalhar para a Justiça e os direitos humanos — e isso inclui informação, monitoramento e análise”, disse ela em entrevista ao UN News.

A OMS acredita que com a vacina, deve diminuir o uso de antibióticos para febre tifoide. Foto: OMS

OMS aprova mais um passo para vacina inovadora contra febre tifoide

A Organização Mundial da Saúde (OMS) pré-qualificou a primeira vacina conjugada para febre tifoide, a Typbar-TCV, da Bharat Biotech. Segundo a agência, as vacinas conjugadas são produtos inovadores que oferecem maior tempo de imunidade em doses menores.

Essas vacinas podem ser oferecidas a crianças em campanhas rotineiras de imunização. Ter a pré-qualificação da OMS significa que a vacina tem todos os padrões de qualidade, segurança e eficácia para ser comercializada.

Fonte: UIT

Lixo eletrônico representa ‘crescente risco’ ao meio ambiente e à saúde humana, diz relatório da ONU

O crescente volume de lixo eletrônico, incluindo produtos descartados com bateria ou tomada, tais como celulares, laptops, televisores, refrigeradores e brinquedos eletrônicos, representam uma importante ameaça ao meio ambiente e à saúde humana, alertaram as Nações Unidas em dezembro (13).

Em 2016, foram gerados 44,7 milhões de toneladas métricas de resíduos eletrônicos, um aumento de 8% na comparação com 2014. Especialistas preveem um crescimento de mais 17%, para 52,2 milhões de toneladas métricas, até 2021.

Plantações de arroz em Bangladesh. Foto: Banco Mundial/Thomas Sennett

ONU usará tecnologia nuclear para produzir arroz resistente às mudanças climáticas na Ásia

A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) aplicará tecnologia nuclear para tornar as plantações de arroz na Ásia resistentes às futuras alterações dos padrões climáticos. Iniciativa beneficiará agricultores de Bangladesh, Camboja, Laos e Nepal. Os quatro países são responsáveis por 90% do arroz produzido no mundo. Projeto visa aprimorar gestão de recursos hídricos e otimizar uso de fertilizantes.

Participantes durante a 12ª reunião anual do Fórum de Governança da Internet. Foto: ONU/ Jean Marc Ferré

Chefe da ONU defende necessidade de governança da Internet para apoiar inovação

Uma governança adequada da Internet é fundamental para a realização da promessa de um mundo melhor para todos, disse o secretário-geral da ONU, António Guterres, durante fórum anual das Nações Unidas realizado em dezembro (18) em Genebra, na Suíça.

Guterres disse que a Internet deve servir para melhorar a condição humana, o que significa acabar com as desigualdades digitais baseadas em localização, recursos e gênero. “E significa estabelecer uma governança que apoie a inovação enquanto respeite os direitos humanos e proteja a sociedade”, acrescentou.

Foto: Banco Mundial/Simone D. MaCourtie

Extremistas usam Internet para atrair jovens, diz estudo da UNESCO

Extremistas violentos usam a Internet para atrair público, disseminar conteúdo e impulsionar o diálogo direto com jovens, segundo estudo de uma agência das Nações Unidas, segundo o qual mais pesquisas são necessárias para descobrir se as mídias sociais têm papel efetivo na radicalização.

“Mais do que propulsora ou causa de comportamento violento, a Internet e as mídias sociais especificamente podem ser facilitadoras de processos mais amplos de radicalização violenta”, disse a pesquisa divulgada na sexta-feira (29) conduzida pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

Mulheres da comunidade Batwa em Gashikanwa, Burundi, cultivam o solo para plantar batatas. Foto: FAO

Mapa de agência da ONU mostra quantidade de reservas de carbono nos solos do mundo

Coincidindo com as celebrações do Dia Mundial do Solo, a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) apresentou no início de dezembro (5) um mapa detalhado sobre as reservas de carbono nos solos do mundo.

Como sistema fundamental de armazenamento de carbono, a conservação e restauração dos solos são essenciais tanto para a sustentabilidade da agricultura como para a mitigação da mudança climática.

Imunização contra a hepatite B na Argentina. Foto: OPAS/OMS

Revista Pan-Americana de Saúde Pública divulga edição especial sobre imunização nas Américas

A Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) lançou uma edição especial da Revista Pan-Americana de Saúde Pública sobre imunização nas Américas.

A publicação comemora os 40 anos do Programa Ampliado de Imunização e homenageia o legado de Ciro de Quadros, ex-funcionário da OPAS/OMS e médico epidemiologista brasileiro reconhecido por seus esforços para a erradicação da poliomielite globalmente.

A francesa Audrey Azoulay foi nomeada diretora-geral da UNESCO. Foto: ONU/Manuel Elias

UNESCO ‘lamenta profundamente’ saída de Israel da agência

A diretora-geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), Audrey Azoulay, lamentou profundamente a decisão de Israel de deixar o organismo internacional. Embora já houvesse sido anunciada em 12 de outubro deste ano, a saída foi informada oficialmente apenas nesta sexta-feira (29), em mensagem enviada à chefe da instituição. País não será mais parte da agência a partir de 31 de dezembro de 2018.

Refugiado sírio busca orientação sobre o andamento de seu pedido de revalidação do diploma em São Paulo, onde o ACNUR financia um projeto na organização Compassiva para diminuir os custos do processo. Foto: ACNUR/Gabo Morales

Assembleia legislativa de SP aprova lei que isenta refugiados de taxas para revalidar diplomas

Após mais de um ano de tramitação, a Assembleia Legislativa de São Paulo (ALESP) aprovou por unanimidade o Projeto de Lei 557/2016, que prevê que pessoas refugiadas deixem de arcar com o pagamento de taxas de revalidação de diplomas nas universidades estaduais paulistas. Legislação contempla certificados de graduação, mestrado e doutorado. Custos com processo de autenticação podem chegar até 20 mil reais. Decisão foi celebrada pela Agência da ONU para Refugiados (ACNUR).

Apesar de a mortalidade materna ter caído 43% na América Latina e 30% no Caribe de 1990 a 2010, o progresso foi insuficiente para alcançar o objetivo de redução de 75% estabelecido pelos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. Foto: OPAS/OMS

‘Nenhuma mulher deve morrer no processo de se tornar mãe’, diz diretora da OPAS

Um enfoque baseado em direitos humanos que utilize instrumentos legais internacionais pode ajudar no esforço de redução da mortalidade materna nas Américas, disseram especialistas durante simpósio realizado pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS/OMS) no início de dezembro (8) em Washington.

Apesar de a mortalidade materna ter caído 43% na América Latina e 30% no Caribe de 1990 a 2010, o progresso foi insuficiente para alcançar o objetivo de redução de 75% estabelecido pelos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio das Nações Unidas em 2015. “Isso é um reflexo da desigualdade dentro e entre os países, e também uma negação dos direitos humanos daquelas mulheres que morreram por conta de algo tão natural com dar a luz”, disse a diretora da OPAS, Carissa Etienne.

Superciclo das commodities impulsionou crescimento do Brasil no passado. Foto: EBC

Países dependentes de matérias-primas precisam diversificar economia, diz relatório

Sem uma decidida vontade de realizar mudanças de política econômica até 2030, os países em desenvolvimento que dependem de produtos básicos serão superados por economias mais diversificadas em termos de conquistas sociais e econômicas, segundo relatório publicado em dezembro (11) por Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD) e Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO).

Segundo o relatório, entre as medidas econômicas que podem promover o crescimento inclusivo nos próximos 15 anos, estão a diversificação econômica, a ampliação dos vínculos entre o setor de produtos básicos e a economia nacional, a adoção de políticas de gasto de caráter anticíclico que permitam constituir reservas durante os períodos de preços altos e utilizá-las durante os períodos de redução de preços, a geração de valor agregado nas matérias-primas e o investimento em proteção social, saúde e educação.

Praia de Moçambique. Foto: Iolanda Frostis/Creative Commons

Brasil e Moçambique concluem projeto de Cooperação Sul-Sul sobre igualdade de gênero

As mulheres no centro do desenvolvimento sustentável e da cooperação entre Brasil e Moçambique foi o foco do projeto Brasil-África realizado entre 2015 e 2017 pelos governos brasileiro e moçambicano e apoiado por ONU Mulheres, Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Ao longo de dois anos, o projeto realizou visitas técnicas, cursos de formação de agentes públicos em saúde e segurança e intercâmbio de boas práticas entre governos e sociedade civil para o enfrentamento da violência contra as mulheres e para seu empoderamento econômico.

Crianças em centro de proteção no Sudão do Sul. Foto: UNICEF/Hakim George

UNICEF: violência contra crianças em zonas de guerra ‘não pode ser novo normal’

Ao longo de 2017, meninos e meninas em zonas de conflito foram atacados em uma escala chocante, afirmou nesta quinta-feira (28) o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF). Em confrontos em todo o mundo, crianças se tornaram alvo nas linhas de frente, usadas como escudos humanos, mortas, mutiladas ou recrutadas para lutar. O estupro, o casamento forçado, o sequestro e a escravização tornaram-se táticas padrão em situações de guerra, do Iraque, Síria e Iêmen até Nigéria, Sudão do Sul e Mianmar.

Quadro explicativo, mostrado durante a 41ª Reunião da Junta de Coordenação do UNAIDS, aborda como a discriminação nos serviços de saúde afasta homens e mulheres das redes de atendimento. Foto: UNAIDS

Dirigentes de programa da ONU sobre HIV/AIDS debatem discriminação nos serviços de saúde

Em encontro em Genebra, especialistas em HIV e AIDS discutiram nesse mês estratégias para combater a discriminação nos serviços de saúde. Problema é considerado um dos principais obstáculos para acabar com a epidemia como ameaça de saúde pública até 2030. O preconceito no atendimento tem impactos em toda a cadeia de cuidados médicos, que engloba prevenção, testagem, tratamento e a supressão da carga viral de forma duradoura.