O FMI prevê crescimento de 2,3% para a economia brasileira este ano. Foto: EBC

FMI reduz previsão de crescimento da economia global para 3,7% em 2018-19

O mais novo relatório sobre perspectivas econômicas do Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgado nesta terça-feira (9) reduziu a previsão de crescimento global, que segundo o organismo permanecerá estável em 3,7% ao longo de 2018-19.

Em abril passado, o ímpeto da economia mundial levou o FMI a projetar uma taxa de crescimento de 3,9% para este ano e para o próximo. No entanto, considerando os desenvolvimentos desde então, esse número pareceu ser excessivamente otimista, na opinião do fundo.

Para o Brasil, a projeção do FMI é de crescimento de 1,4% em 2018 e de 2,4% no ano que vem.

Preparação de merenda escolar no condado de Montserrado, na Libéria. Foto: UNMIL/Christopher Herwig

ONU cria centro de combate à fome no oeste da África

O Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA) anunciou neste final de semana (5) a criação do Centro de Excelência contra a Fome e a Má Nutrição no Oeste e Centro da África. Com sede em Abidjan, capital da Costa do Marfim, o organismo funcionará como uma plataforma de cooperação entre os países do continente, permitindo a difusão de boas práticas em agricultura familiar, manejo de perdas pós-colheita, proteção social e resiliência comunitária.

Secretário-geral da ONU, António Guterres. Foto: ONU/Eskinder Debebe

ONU diz estar pronta para apoiar Haiti após terremoto atingir costa norte do país

Na sequência do terremoto de magnitude 5.9 que atingiu o noroeste do Haiti no sábado (6), o secretário-geral da ONU, António Guterres, transmitiu no domingo (7) suas condolências ao povo e ao governo do país, e disse que as Nações Unidas estão prontas para ajudar com a resposta de emergência.

O terremoto, que de acordo com a imprensa internacional aconteceu no sábado (6), perto de Port-de-Paix, na costa norte do Haiti, deixou pelo menos 11 mortos e mais de 100 feridos.

UNAIDS e Ministério da Saúde realizam encontro em SP para debater a Zero Discriminação nos serviços de saúde. Foto: UNAIDS

Encontro em SP discute zero discriminação nos serviços de saúde

O Programa Conjunto das Nações Unidas para HIV/AIDS (UNAIDS) e o Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/AIDS e das Hepatites Virais (DIAHV) do Ministério da Saúde realizaram na semana passada (2 e 3), em São Paulo, o Seminário Zero Discriminação nos Serviços de Saúde. Durante dois dias, participantes debateram o impacto da discriminação na saúde e propuseram diretrizes e padrões para eliminar o problema.

No final dos anos 1990, Sandra Pereira de Faria vivia num assentamento em Goiânia com medo de ser expulsa da terra e ficar sem um lugar para morar com seus dois filhos. Imagem: FAO

Agricultora lembra luta por terra e moradia em assentamento em Goiânia

A busca por terra e moradia faz parte da vida das mulheres do assentamento São Sebastião, localizado no município de Silvânia (GO). Uma das habitantes do antigo acampamento, Sandra Pereira de Faria lembra que as famílias viveram por anos sob ameaças, sendo expulsas da propriedade que ocupavam, com crianças a tiracolo. O relato é da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO).

A pesquisa foi lançada na última quinta-feira e os resultados serão disponibilizados o final deste ano. Foto: EBC

Escritório da ONU e CGU iniciam pesquisa na área de PPPs e concessões

Escritório das Nações Unidas de Serviços para Projetos (UNOPS), Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU) iniciaram na semana passada (4) pesquisa sobre regulação em Parcerias Público-Privadas (PPPs) e concessões no Brasil. O objetivo da iniciativa é apoiar governos e órgãos reguladores a identificar gargalos na estrutura regulatória, além de auxiliar a identificar possíveis oportunidades na área.

Reunião técnica sobre igualdade de gênero e empoderamento de meninas acontece em Brasília. Foto: UNFPA Brasil/Erick Dau

Fundo de População da ONU apoia reunião sobre igualdade de gênero em Brasília

No Dia Internacional da Menina, lembrado em 11 de outubro, a Secretaria Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente do Ministério dos Direitos Humanos (SNDCA/MDH), em parceria com o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), promove uma reunião técnica em Brasília (DF) sobre igualdade de gênero e empoderamento de meninas. O debate fomenta o enfrentamento à discriminação e à violência baseada em gênero, e o empoderamento das meninas como protagonistas de suas vidas.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), uma em cada três mulheres sofre violência ao longo da vida, muitas durante a adolescência. Dados do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) demonstram que, independentemente do contexto social ou geográfico, até 60% dos ataques sexuais conhecidos em uma família são cometidos contra meninas de 15 anos ou menos.

Médico cubano do programa 'Mais Médicos' realiza atendimento na Ilha de Marajó, no Pará. Foto: OPAS/OMS

OPAS abre convocatória para projetos de pesquisa sobre impacto econômico do Mais Médicos

A Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) abriu na sexta-feira (5) uma convocatória para projetos de pesquisa sobre o impacto econômico do programa Mais Médicos. A inscrição pode ser feita até as 16h (horário de Brasília) de 19 de outubro. As três melhores propostas serão contratadas por 15 mil reais para estruturar um projeto de investigação.

“Queremos gerar evidências que ajudem a fortalecer o Mais Médicos e o SUS (Sistema Único de Saúde) como um todo. Os melhores projetos poderão, inclusive, receber no futuro mais recursos para ampliação da pesquisa”, afirma Gabriel Vivas, coordenador do Mais Médicos na representação da OPAS/OMS no Brasil.

Solo ressecado próximo ao rio Nilo Branco, em Cartum, Sudão. Foto: Banco Mundial/Arne Hoel

Painel defende ‘mudanças sem precedentes’ para limitar aquecimento global a 1,5 °C

Limitar o aquecimento global a 1,5 °C exigirá “mudanças de longo alcance e sem precedentes” no comportamento humano, segundo um painel científico estabelecido pelas Nações Unidas, que lançou nesta segunda-feira (8) um relatório especial segundo o qual algumas das ações necessárias já estão em andamento, mas precisam ser dramaticamente ampliadas.

O relatório destaca vários impactos da mudança climática que poderiam ser evitados limitando o aquecimento global a 1,5 °C em comparação com 2°C ou mais. Por exemplo, até 2100, a elevação global do nível do mar seria 10 cm mais baixa com o aquecimento global de 1,5 °C em comparação com 2 °C.

Além disso, os recifes de corais, já ameaçados, cairiam 70-90% com o aquecimento global de 1,5 °C, enquanto praticamente todos seriam perdidos com aumento de 2 °C, segundo o relatório.

Professora Joana d’Arc Félix de Sousa é uma inventora em série e detém 15 patentes. Foto: OMPI

ENTREVISTA: Cientista brasileira fala sobre importância da propriedade intelectual para a inovação

A jornada da brasileira Joana d’Arc Félix de Sousa como cientista começou com suas brincadeiras infantis no curtume perto de casa. Filha de curtidor e empregada doméstica, a professora, formada em Harvard, foi aclamada nacionalmente por sua defesa do ensino de ciências e por contribuir para que jovens de comunidades marginalizadas percebessem seu potencial para inventar, criar e empreender.

Em entrevista à Organização Mundial de Propriedade Intelectual (OMPI), Joana, que é detentora de várias patentes relacionadas ao setor coureiro-calçadista, discute sua pesquisa atual e compartilha opiniões sobre a importância da educação científica e o papel dos direitos de propriedade intelectual no fortalecimento da inovação do Brasil e no desempenho econômico de longo prazo.

Radiografia para diagnóstico de tuberculose. Foto: Flickr (CC)/Yale Rosen

Progresso para acabar com tuberculose nas Américas deve ser acelerado, afirma OPAS

Embora seja evitável e curável, a tuberculose é atualmente a doença infecciosa mais letal da região das Américas, e sua persistência se deve, em grande parte, às graves desigualdades sociais e econômicas da região, disse novo relatório da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS).

Desde 2015, as mortes diminuíram em média 2,5% ao ano e os novos casos caíram 1,6%. Entretanto, precisam de uma velocidade de decréscimo de 12% e 8% por ano, respectivamente, para atingir as metas intermediárias para 2020 e continuar em declínio até 2030.

Como parte dos esforços para eliminar a transmissão do HIV de mãe para filho em todo o continente, a União Africana e a Organização das Primeiras-Damas Africanas contra HIV/AIDS (OAFLA), com o apoio do UNAIDS e parceiros, lançaram a campanha "Livres para Brilhar". Foto: UNAIDS

Primeiras-damas da África trabalham para impedir novas infecções por HIV entre crianças

Atualmente, 1,8 milhão de crianças de até 14 anos vivem com HIV em todo o mundo, e 1,7 milhão delas estão na África. Como parte dos esforços para eliminar a transmissão do HIV de mãe para filho em todo o continente, a União Africana e a Organização das Primeiras-Damas Africanas contra HIV/AIDS (OAFLA), com o apoio do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) e parceiros, lançaram a campanha “Livres para Brilhar”.

Crianças e adolescentes refugiados, solicitantes de refúgio e da comunidade local treinam juntos nas instalações esportivas de Oluta, no México. Foto: ACNUR/The RET

ONU promove atividades esportivas em comunidades que recebem refugiados no México

Mais de 450 solicitantes de refúgio que deixaram suas casas devido à violência em El Salvador, Guatemala e Nicarágua aguardam há meses em comunidades no estado mexicano de Veracruz uma resposta do governo do país para seus pedidos de refúgio.

Como estratégia para reduzir a ansiedade provocada pelo longo tempo de espera, a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), junto a governos locais e organizações da sociedade civil como “The Ret”, promovem atividades esportivas direcionadas sobretudo a meninas, meninos e adolescentes.

Conferência do Cairo sobre População e Desenvolvimento, em 1994. Foto: ONU

Fundo de População da ONU lembra 25 anos de conferência sobre saúde sexual e reprodutiva

Em debate durante o XXI Encontro de Estudos Populacionais, em Poços de Caldas (MG), o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) lembrou os quase 25 anos da Conferência do Cairo, encontro que estabeleceu em 1994 um marco internacional para questões de demografia, saúde sexual e reprodutiva. O organismo da ONU chamou atenção para o protagonismo do Brasil na época, que defendeu pautas progressistas na capital egípcia.

O Banco Mundial revisou para baixo as expectativas de crescimento econômico para a América Latina e Caribe em 2018 e 2019. Foto: Agência Brasil

Banco Mundial projeta crescimento de 1,2% para economia brasileira este ano

O Banco Mundial revisou para baixo as expectativas de crescimento econômico para a América Latina e Caribe em 2018 e 2019. Relatório lançado nesta sexta-feira (5), em Washington D.C., calcula um crescimento de 0,6% para este ano e 1,6% para o próximo.

Para o Brasil, espera-se crescimento de 1,2% em 2018 e 2,2% em 2019. Apesar de positivos, os números mostram uma desaceleração que impacta a economia da América do Sul como um todo. O subcontinente deve ter contração de 0,1% em 2018 e crescimento de 1,2% em 2019.

Curta da 'Unstereotype Alliance' desconstrói estereótipos de levam atrizes e atores a interpretar apenas alguns tipos de papéis. Foto: Frame do curta 'The problem is not seeing the problem', da ONU Mulheres e 'Unstereotype Alliance'

ARTIGO: Promovendo uma cultura sem estereótipos para um legado de igualdade de gênero

Em artigo publicado na imprensa norte-americana, a chefe da ONU Mulheres, Phumzile Mlambo-Ngcuka, defende que a publicidade combata estereótipos sobre o que é ser mulher e o que é ser homem.

Dirigente afirma que consumidores estão atentos à diversidade presente — ou ausente — nos comerciais. Para a subsecretária da ONU, publicitários têm a chance de fazer o bem e combater desigualdades de gênero.

Imagem: FAO

Mulheres encontram terra e empoderamento no interior do Espírito Santo

Há 18 anos, no estado do Espírito Santo, a camponesa Nelci Sanches da Rocha vivia em busca de um lugar para morar. Sem-terra e sem amparo, a agricultora se uniu a outras seis mulheres na mesma situação e fundou uma cooperativa no município de Guaçuí.

Hoje, a associação faz pães, biscoitos, geleias e licores e vende os produtos para São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. Produção é exemplo de modelo agroecológico e tema de matéria especial da FAO.

Membros da Rede de Juventude Indígena participaram no fim de setembro (de 26 a 29) da reunião no Mato Grosso do Sul. Foto: REJUIND/Jorge Perez

Rede de jovens indígenas reúne-se no MS para discutir plano de comunicação

Membros da Rede de Juventude Indígena participaram no fim de setembro (de 26 a 29) da reunião “REJUIND 10 anos: protagonismo e fortalecimento institucional para prosseguir – Aprimorar a comunicação institucional para os 10 anos da Rede”. A iniciativa, apoiada pelo Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), aconteceu na Aldeia Buriti, onde reside o povo Terena, no Mato Grosso do Sul.

Segundo o jornalista Erisvan Bone Guajajara, um dos participantes do evento, a REJUIND é uma ferramenta de aproximação da juventude indígena e potencializa suas capacidades. “Agradeço às lideranças por poder dialogar com a juventude Terena da Aldeia Tereré, e poder compartilhar da conjuntura atual. É importante a participação da juventude no processo de transformação da sociedade brasileira”, disse.

O câncer de colo do útero (ou câncer cervical) — uma doença que pode ser prevenida por meio da vacinação contra o papilomavírus humano (HPV) e é curável quando detectada precocemente e tratada. Foto: UNAIDS

UNAIDS pede mais esforços de prevenção e tratamento do câncer de colo do útero

O câncer de colo do útero (ou câncer cervical) — uma doença que pode ser prevenida por meio da vacinação contra o papilomavírus humano (HPV) e é curável quando detectada precocemente e tratada — afeta em mais de 500 mil mulheres a cada ano, metade das quais morrem devido à doença. Se os esforços de prevenção, triagem e tratamento não forem ampliados urgentemente, esse número pode dobrar até 2035.

Mulheres vivendo com HIV são de quatro a cinco vezes mais propensas a desenvolver câncer cervical invasivo. A infecção por HPV aumenta significativamente o risco de transmissão do HIV tanto para homens como para mulheres.

Um centro de recepção e documentação inaugurado pelo governo federal com apoio do Sistema ONU Brasil na cidade de Pacaraima está há um mês identificando e emitindo documentos para pessoas vindas da Venezuela. Foto: ACNUR/Reynesson Damasceno

UNICEF capacita monitores de espaços para crianças venezuelanas em Roraima

Em Roraima, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) promoveu no final de semana (29) uma formação para monitores que trabalham em espaços de lazer para crianças e adolescentes venezuelanos. A iniciativa reuniu em Boa Vista profissionais e voluntários de Pacaraima e da capital. Participantes aprenderam noções de primeiros socorros e prevenção de acidentes, além de receber informações sobre direitos previstos na lei brasileira.

Refugiados rohingya, incluindo mulheres e crianças, atravessam fronteira de Mianmar para Bangladesh pelo distrito de Cox’s Bazar. Foto: UNICEF/LeMoyne

ONU pede cooperação entre países para lidar com deslocamento recorde no mundo

O alto-comissário da ONU para os refugiados, Filippo Grandi, pediu na quarta-feira (3) um impulso para revigorar o multilateralismo a fim de conter os crescentes conflitos e o aprofundamento das crises que têm levado um número recorde de pessoas a deixar suas casas no mundo todo.

Desde que assumiu o cargo, no início de 2016, Grandi disse que os conflitos internos cresceram e que as crises se intensificaram — impulsionadas pelas rivalidades regionais e internacionais e alimentadas por pobreza, exclusão e mudanças climáticas. Ao mesmo tempo, a linguagem política “tornou-se dura, dando espaço para discriminação, racismo e xenofobia”.

O diretor do Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio), Maurizio Giuliano, participou no fim de setembro (19) de um evento em Fortaleza (CE) com o objetivo de simular reuniões da ONU com estudantes de Relações Internacionais e profissionais interessados no tema. Foto: SONU

Diretor do UNIC Rio dá palestra para estudantes em Fortaleza sobre atuação do Brasil na ONU

O diretor do Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio), Maurizio Giuliano, participou no fim de setembro (19) de um evento em Fortaleza (CE) com o objetivo de simular reuniões da ONU com estudantes de Relações Internacionais e profissionais interessados no tema.

Giuliano realizou a palestra de abertura da 14ª Simulação da Organização das Nações Unidas (SONU). O evento reuniu mais de 100 estudantes no Teatro Celina Queiroz, na Universidade de Fortaleza (UNIFOR), para discutir as relações entre o Brasil e a organização internacional.

Mulheres rurais de MG organizam-se para ter mais voz nas decisões de cooperativa

Um grupo de 30 mulheres de Poço Fundo (MG) reuniu-se em torno de uma causa e de um produto, o café. O grupo Mulheres Organizadas Buscando Independência (MOBI) surgiu a partir da Cooperativa dos Agricultores Familiares de Poço Fundo e Região (COOPFAM), frente à necessidade de maior participação das mulheres nas decisões da cooperativa.

O objetivo foi ampliar a inserção e a visibilidade das mulheres rurais na produção. Além disso, o grupo foi criado para ajudar na renda das famílias, já que nele as mulheres desenvolvem outras atividades como confecção de artesanatos com subprodutos do café. O relato é da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO).

A ativista Maria Dalva da Silva, da Rede de Comunidades e Movimentos Contra a Violência, apoia familiares de jovens assassinados a reconhecer seus direitos e exigir que sejam respeitados. Foto: UNFPA/Webert da Cruz

Campanha Vidas Negras promove cine debate sobre filme ‘Auto de Resistência’

O documentário “Auto de Resistência” conta histórias de violência policial contra jovens negros no Rio de Janeiro, assim como da busca de familiares por Justiça.

Debate ocorrido na Casa da ONU, em Brasília (DF), nesta semana (2), discutiu a obra com a presença de uma das diretoras, Natasha Neri, e da ativista Maria Dalva da Silva, da Rede de Comunidades e Movimentos contra a Violência.

“Auto de Resistência” dá rosto aos números da violência. As estatísticas indicam que, no Brasil, um jovem negro tem o triplo de chances de ser assassinado na comparação com um jovem branco. O filme também apresenta quem são as “vítimas ocultas” — mulheres negras, pobres, com pouco acesso à Justiça, muitas vezes em meio ao choque de um evento que mudará suas vidas para sempre.

O secretário-geral da ONU, António Guterres (centro), homenageia o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, com o prêmio Campeões da Terra, em Nova Déli. O diretor-executivo da ONU Meio Ambiente, Erik Solheim (direita), acompanha a cerimônia. Foto: ONU/Deepak Malik

ONU homenageia primeiro-ministro indiano por ações contra mudanças climáticas

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, entregou nesta quarta-feira (3) o principal prêmio ambiental da Organização ao primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, reconhecendo seus esforços no combate às mudanças climáticas e à poluição.

“Modi representa um legado extraordinário”, disse Guterres na cerimônia de premiação “Campeões da Terra”, na capital indiana, Nova Déli.

“O primeiro-ministro Modi não apenas reconhece os benefícios de tomar medidas para deter o aquecimento global, como também atua com enorme energia para fazer essa mudança”, completou.

Michel Sidibé, chefe do UNAIDS, em encontro ecumênico em Nova Iorque. Foto: UNAIDS

ONU e lideranças religiosas discutem riscos do HIV e tuberculose para crianças

O Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (UNAIDS) e instituições parceiras promoveram em Nova Iorque um encontro de líderes religiosos para discutir a relação entre as epidemias de HIV e tuberculose. Evento debateu os riscos vividos por grupos mais vulneráveis, como crianças e adolescentes. Por dia, 660 jovens morrem de tuberculose, e apenas 50% de todos os meninos e meninas com HIV estão em tratamento.

Vista aérea de Teerã. Foto: Hansueli Krapf/Wikimedia Commons (CC)

Corte Internacional de Justiça ordena que EUA suspendam sanções econômicas contra Irã

Em uma decisão emitida nesta quarta-feira (3), a Corte Internacional de Justiça, o principal órgão judicial das Nações Unidas, ordenou que os Estados Unidos suspendam algumas das sanções econômicas impostas ao Irã, que afetam a importação de bens humanitários e produtos, bem como a segurança de aeronaves civis.

O Irã alegou que as sanções violaram um tratado bilateral de 1955 que regulamenta o comércio entre os dois países e, em agosto, levou o caso à Corte, buscando uma suspensão de emergência.

Em sua decisão, a Corte considerou que restrições à exportação de “alimentos e remédios, incluindo remédios que salvam vidas, tratamento para doenças crônicas ou cuidados preventivos e equipamentos médicos, podem ter um impacto negativo na saúde e na vida das pessoas no Irã”.

Investimentos do governo norte-americano levaram testagem de HIV para 85,5 milhões de pessoas em todo o mundo. Foto: PEPFAR/Sarah Day Smith

ONU comemora 15 anos de programa norte-americano sobre HIV e Aids

Em 2018, o Plano de Emergência do Presidente dos Estados Unidos para o Alívio da AIDS (PEPFAR) completa 15 anos. Ao longo de mais de uma década, a iniciativa investiu 70 bilhões de dólares na resposta global à doença e à epidemia de HIV. Atualmente, o projeto dá assistência para mais de 14 milhões de pessoas em todo o mundo que vivem com o vírus e estão em tratamento — do total de 21,7 milhões de indivíduos nessa situação.