Projeto visa contribuir para o desenvolvimento sustentável do setor algodoeiro na Bolívia. Foto: EBC

Bolívia recebe missão técnica da FAO e do governo brasileiro para impulsionar setor algodoeiro

A Bolívia recebe esta semana (de 23 a 27) a missão técnica de implementação do projeto +Algodão, que tem como objetivo contribuir para o desenvolvimento sustentável do setor algodoeiro no país em benefício de agricultores familiares comunitários, indígenas, camponeses e produtores.

O projeto +Algodão Bolívia é uma iniciativa da Cooperação Sul-Sul Trilateral em que participam a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), o governo brasileiro — representado pela Agência Brasileira de Cooperação (ABC/MRE) — e os ministérios de Desenvolvimento Rural e Terras e de Desenvolvimento Produtivo e Economia Plural da Bolívia.

Estatísticas serão fundamentais para monitorar cumprimento da Agenda 2030. Foto: PEXELS

Brasil deve aproveitar dados de programas sociais para monitorar objetivos da ONU, defendem especialistas

Para monitorar o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), nações terão de definir indicadores adequados, capazes de fornecer dados precisos sobre erradicação da pobreza, igualdade de gênero, mudanças climáticas e outros desafios visados pela ONU. Para especialistas do IPEA e do IBGE, Brasil precisa garantir periodicidade na divulgação de estatísticas e aproveitar registros administrativos de programas de proteção social.

A hanseníase é uma doença infecciosa crônica causada por bactérias. Foto: EBC

Agência da ONU apresenta estratégia para livrar Brasil da hanseníase

A Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) apresentou na quinta-feira (19) em Palmas, no Tocantins, a Estratégia Global para Hanseníase 2016-2020.

Embora a hanseníase esteja presente em 24 dos 35 países das Américas, todos eliminaram a doença como problema de saúde pública (menos de um caso por cada 10 mil habitantes) – com exceção do Brasil. Por isso, a OPAS/OMS tem se empenhado em colaborar com as ações dos governos e instituições brasileiras.

Meninas da África do Sul. Foto: Banco Mundial/Trevor Samson

África deve focar nos jovens e no empoderamento de mulheres e meninas, diz Guterres

A África deve se concentrar nos jovens, empoderar as mulheres e meninas e ser inovadora para alavancar recursos e financiar o desenvolvimento, disse o secretário-geral da ONU, António Guterres, na segunda-feira (16) ao lançar a semana da África nas Nações Unidas.

“A África é a terra da resiliência e, acima de tudo, de oportunidades”, disse ele, ressaltando o recente progresso do continente em reduzir a pobreza, diversificar suas economias, construir uma classe média e cultivar o crescimento em uma variedade de setores.

A FAO desenvolveu um plano estratégico de três anos para a bacia do Lago Chade, a fim de melhorar a segurança alimentar da população da região. A medida foca nas mulheres e nos jovens. Foto: FAO/Pius Utomi Ekpei

Mulheres são quase metade da mão de obra do campo, mas seus esforços são ‘ignorados’, critica ONU

Embora representem quase metade (43%) da mão de obra do campo, as agricultoras têm seus esforços, muitas vezes, ignorados, alertou neste mês a diretora-executiva da ONU Mulheres, Phumzile Mlambo-Ngcuka. Em mensagem para o Dia Internacional das Mulheres Rurais, observado em 15 de outubro, a dirigente pediu mais investimentos para as trabalhadoras das regiões agrícolas, que devem ter acesso igualitário a terras, insumos, crédito e formação técnica.

Menina aguarda mãe coletar água próximo à cidade de Jowhar, na Somália. Foto: ONU/Tobin Jones.

Chefe da ONU lembra que conflitos são grande causa da fome no mundo

Até que os conflitos tenham fim e o desenvolvimento crie raízes no mundo, comunidades e regiões inteiras continuarão a enfrentar a fome, disse o secretário-geral da ONU, António Guterres, ao Conselho de Segurança em Nova Iorque na semana passada (12), lembrando a conexão entre guerras e fome.

Cerca de 80% dos recursos do Programa Mundial de Alimentos (PMA) estão sendo direcionados a regiões afetadas por conflitos. Cerca de 60% das 815 milhões de pessoas que sofrem com a fome atualmente vivem em regiões de guerra. Três quartos das crianças desnutridas do mundo também estão em países afetados por confrontos, alertou as Nações Unidas.

Parceria entre ONU Meio Ambiente e banco holandês prevê envolvimento de pequenos agricultores nos projetos financiados. Foto: PEXELS

ONU Meio Ambiente e banco holandês investirão US$ 1 bilhão em agricultura sustentável

A ONU Meio Ambiente e o banco holandês Rabobank anunciaram neste mês (16) uma parceria para investir 1 bilhão de dólares em projetos de agricultura sustentável. O programa de fomento concederá subvenções e crédito a clientes envolvidos na produção, processamento ou comércio de commodities agrícolas. Brasil e Indonésia serão os primeiros países a utilizar recursos da cooperação. Proprietários brasileiros que recebem investimentos da instituição financeira administram 17 milhões de hectares de terras.

Um observador da Missão de Verificação da ONU na Colômbia conversa com moradores. Foto: Missão da ONU na Colômbia

ONU manifesta preocupação por ataques contra defensores dos direitos humanos na Colômbia

Em visita à Colômbia no início de outubro (9), o assistente do secretário-geral da ONU para direitos humanos, Andrew Gilmour, cumprimentou os avanços na desmobilização e desarmamento das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), mas expressou preocupação com os contínuos ataques contra defensores dos direitos humanos e líderes comunitários.

“O conflito armado com as FARC pode ter acabado, mas os incrivelmente corajosos defensores dos direitos humanos do país continuam sendo ameaçados e assassinados num ritmo alarmante”, disse Gilmour. “Estes ataques ameaçam a estabilidade de longo prazo da qual a Colômbia tanto precisa”, complementou.

Bandeiras do lado de fora da sede da ONU em Nova Iorque. Foto: ONU/Rick Bajornas

Nações Unidas propõem orçamento 4% menor para biênio 2018-2019

O secretário-geral da ONU, António Guterres, apresentou na semana passada (11) ao comitê administrativo e orçamentário da Assembleia Geral uma proposta de orçamento para o biênio 2018-2019 de 5,4 bilhões de dólares, que representa uma redução de 4%, ou de 200 milhões de dólares, frente ao orçamento do biênio atual.

“Ao prestar juramento (para assumir o cargo), em dezembro do ano passado, prometi trabalhar junto aos Estados-membros para reformar as Nações Unidas de forma completa e contínua”, disse Guterres ao comitê.

Bebê de nove dias na cidade de Bambaya, no distrito de Kono, em Serra Leoa. Foto: UNICEF/Phelps

ONU: 7 mil recém-nascidos morrem por dia no mundo

A cada dia de 2016, 15 mil crianças morreram antes do seu quinto aniversário. Quase metade delas – ou 7 mil bebês – faleceu nos primeiros 28 dias de vida, segundo relatório divulgado nesta semana (19) pela ONU. Documento aponta queda na mortalidade geral de crianças com menos de cinco anos, mas identifica alta na proporção de bebês que morrem durante o período neonatal.

Levantamento de agências das Nações Unidas aponta que, na África Subsaariana, uma a cada 36 crianças morre no primeiro mês de vida. Em países desenvolvidos, a taxa é de uma a cada 333.

Mudanças climáticas ameaçam a Amazônia e, consequentemente, disponibilidade de recursos hídricos para países da região. Foto: Flickr (CC) / Dams999

ONU e 9 países discutem no Rio como partilhar ganhos da exploração de recursos genéticos

A ONU Meio Ambiente e o Ministério do Meio Ambiente promoveram nesta semana, no Rio de Janeiro, um workshop sobre uso de recursos genéticos e conservação da biodiversidade. Realizado no Jardim Botânico, encontro reuniu especialistas da Colômbia, Argentina, Peru, Uruguai, Filipinas, Senegal, África do Sul, Namíbia e Brasil. Entre os temas da discussão, estava a divisão equitativa dos benefícios vindos da exploração do patrimônio genético do planeta.

Programa da ONU divulgará versão em português de boletim quinzenal sobre população LGBTI

O Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) disponibilizará, a partir deste mês, versões em português do seu boletim quinzenal Olhar para a Igualdade, que aborda desafios e conquistas da população LGBTI. Publicação reúne notícias, pesquisas e fatos que ganharam destaque na mídia. Compilação, produzida desde 2014 pela iniciativa Equal Eyes com a ONU, explora temas como direitos humanos e legais, saúde e cultura.

Mulheres e crianças chegam no local de Proteção de Civis em Bentiu para pessoas deslocadas internas, no estado de Unidade, Sudão do Sul. Foto: UNICEF/Sebastian Rich

Custo com alimentação em países ricos é preocupação ‘microscópica’ em comparação a nações pobres

Enquanto um nova-iorquino gasta apenas 0,6% da sua renda média diária — de um total de pouco mais de 200 dólares — para fazer um prato de feijão com 600 calorias, um sul-sudanês gasta o equivalente a 155% de sua renda diária para comprar os ingredientes da mesma refeição. Ou seja, um norte-americano em Nova Iorque, vivendo em conjuntura semelhante ao do país africano, gastaria 321 dólares pelo prato de feijão.

Os custos com alimentação em países ricos podem parecer elevados, mas são, de fato, uma “preocupação quase microscópica” para os consumidores quando comparados aos preços de um prato de comida em países pobres. É o que revela um novo relatório do Programa Mundial de Alimentos (PMA).

Desemprego é mais alto entre mulheres do que entre os homens. Foto: Agência Brasil

Afetado pelo Brasil, desemprego urbano na América Latina e no Caribe deve subir para 9,4% em 2017

A taxa de desemprego urbano nos países da América Latina e do Caribe deve subir para 9,4% este ano, influenciada pelo fraco desempenho do mercado de trabalho brasileiro, segundo projeções da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) e da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

De acordo com as agências das Nações Unidas, a fragilidade dos mercados de trabalho da região também se reflete na qualidade do emprego. Em seis de oito países com informação disponível, a criação de emprego por conta própria foi mais dinâmica que a criação de emprego assalariado durante o primeiro semestre de 2017.

Xangai, China. Foto: ONU-Habitat/Julius Mwelu

China e América Latina devem avançar juntos na revolução digital, diz CEPAL

É necessário trabalhar para que a América Latina e o Caribe avancem junto com a China rumo à revolução digital e à economia verde, disse a secretária-executiva da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), Alicia Bárcena, em evento realizado esta semana no Chile.

Bárcena lembrou que a China se tornou o segundo parceiro comercial da América Latina e do Caribe, ficando atrás apenas dos Estados Unidos, e é também um importante investidor estrangeiro na região.

Educação para o desenvolvimento sustentável foi tema de encontro de 44 jovens latino-americanos em Brasília. Foto: UNESCO

Iniciativa apoiada pela UNESCO reúne 44 jovens latino-americanos em Brasília para discutir sustentabilidade

Quarenta e quatro jovens lideranças, vindas de 13 países da América Latina e Caribe, foram a Brasília para um workshop promovido pela UNESCO e parceiros. O objetivo do encontro: entender como é possível usar a educação para promover o desenvolvimento sustentável. Participantes receberam orientações para resolver, em suas comunidades, problemas sobre gestão responsável de recursos naturais. Turma também visitou a Chapada Imperial.

Na imagem, poluição atmosférica na cidade de São Paulo. Foto: Flickr/Thomas Hobbs (cc)

Países latino-americanos e caribenhos reafirmam compromisso com planeta livre de poluição

Os países da América Latina e do Caribe reafirmaram no início de outubro em Bogotá, na Colômbia, seus compromissos por um planeta livre de poluição, durante a consulta regional para a terceira Assembleia das Nações Unidas para o Meio Ambiente (UNEA), que acontece no início de dezembro em Nairóbi, no Quênia.

Na região, 100 milhões de pessoas vivem em áreas suscetíveis à poluição do ar — com risco de desenvolverem doenças respiratórias e outros problemas de saúde — e pelo menos 25 milhões estão em contato direto com águas poluídas originadas em áreas urbanas.

Oficina de Trabalho sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e Direitos Humanos, na Casa das Nações Unidas, em Brasília. Foto: PNUD Brasil/Guilherme Larsen

Objetivos da ONU dependem da garantia dos direitos humanos, dizem especialistas

Como os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas (ODS) — um conjunto de metas para erradicar a pobreza, promover a igualdade de gênero e combater as mudanças climáticas — podem levar países a cumprir com suas obrigações de direitos humanos, e vice-versa? A pergunta foi tema de oficina realizada nesta semana, em Brasília, pela ONU e pelo Instituto de Desenvolvimento e Direitos Humanos (IDDH). Para especialistas, pautas dependem umas das outras.

Segundo a OPAS, é necessário que todos os setores do governo — responsáveis por agricultura, comércio e desenvolvimento urbano —, promovam políticas públicas coerentes que facilitem a opção por uma vida saudável. Foto: EBC

ONU pede coerência nas políticas públicas das Américas para facilitar vida saudável

As Américas apresentam os maiores níveis de sobrepeso e obesidade do mundo e os níveis mais baixos de atividade física. Esses fatores aumentam o risco de doenças crônicas não transmissíveis (DCNT), principais causas de morte na região.

Para reverter essa tendência, a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) sugere que os países da região adotem políticas públicas coerentes — nos setores agrícola, de comércio e desenvolvimento urbano —, de forma a facilitar a opção por uma vida mais saudável por parte de seus cidadãos.

Com parceria da ONU, campanha Natal Sem Fome é relançada 10 anos após última edição

Fundada pelo sociólogo Betinho em 1993, a ONG Ação da Cidadania relançou no último domingo (15) a Campanha Natal Sem Fome, encerrada há dez anos. A nova edição do projeto tem a parceria inédita de duas agências da ONU — a UNESCO e a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO). Iniciativa arrecadará doações de comida para populações que passam fome no Brasil.

Relator da ONU criticou políticas de empréstimos do FMI, que segundo ele vão de encontro às prioridades das Nações Unidas. Foto: Peter Clark/Flickr (CC)

Políticas do FMI impedem que países cumpram obrigações de direitos humanos, diz relator da ONU

As políticas de empréstimo do Fundo Monetário Internacional (FMI) estão prejudicando algumas das prioridades de direitos humanos e de desenvolvimento das Nações Unidas, assim como promovendo políticas “fracassadas” de privatização e austeridade, alertou o relator da ONU Alfred de Zayas, em Nova Iorque.

“O FMI atualmente impõe condições que desencorajam o gasto social e, portanto, impedem que os Estados cumpram suas obrigações de direitos humanos”, disse ele. “Frequentemente, essas condições aumentam o desemprego, reduzem os padrões que regem trabalho, saúde e meio ambiente, e diminuem o acesso à educação gratuita de qualidade”, completou.

Menina em sala de aula na Guatemala. Na América Latina e no Caribe, mais de 78% das mulheres com emprego ocupam postos de setores da economia considerados de baixa produtividade. Foto: Banco Mundial/Maria FleischmannMenina em sala de aula na Guatemala. Na América Latina e no Caribe, mais de 78% das mulheres com emprego ocupam postos de setores da economia considerados de baixa produtividade. Foto: Banco Mundial/Maria Fleischmann

Banco Mundial: América Latina ampliou educação, mas população pobre ainda tem menos oportunidades

Na América Latina e Caribe, apenas 50% das crianças de três anos de idade oriundas dos 20% mais pobres está na escola. No caso dos meninos e meninas que fazem parte dos 20% mais ricos, a taxa sobe para 90%. Em faixas etárias mais avançadas, disparidades também podem ser observadas. Em média, apenas 20% dos adultos de 21 anos de idade estão na escola. Todavia, entre os 20% mais ricos, o índice chega a 60%. Dados são de uma nova análise do Banco Mundial sobre acesso a educação.

Baía de Chittagong, em Bangladesh. Imagem do filme "Shipwreck", de Stéphane M. Grueso, cedida ao acervo de criação comum da Wikipedia. Imagem: WikiCommons/Stéphane M. GruesoBaía de Chittagong, em Bangladesh. Imagem do filme "Shipwreck", de Stéphane M. Grueso, cedida ao acervo de criação comum da Wikipedia. Imagem: WikiCommons/Stéphane M. Grueso

Odebrecht é citada em caso ‘deplorável’ de desmanche de navio por empresa da Dinamarca

A Dinamarca deve estender proibições contra substâncias tóxicas às atividades de empresas nacionais conduzidas em outros países. A recomendação é do relator especial das Nações Unidas, Baskut Tuncak. Em pronunciamento após visita à nação escandinava, o especialista lembrou caso de navio encontrado com resíduos radioativos na costa de Bangladesh. Embarcação era operada por uma joint venture da dinamarquesa Moller-Maersk e da brasileira Odebrecht.

Informações da mídia independente apontaram para condições assombrosas no desmanche do navio. Trabalhadores não tinham acesso nem mesmo aos mais básicos equipamentos de proteção, como sapatos, capacetes e máscaras respiratórias para protegê-los de acidentes fatais e gases tóxicos.

Isabella Groegor-Cechowicz, gerente-geral global para serviços públicos da SAP, reúne-se com Hiroshi Kuniyoshi, vice-diretor geral da UNIDO. Foto: UNIDO

Agência da ONU firma parceria com empresa de software para monitoramento dos objetivos globais

A Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO) anunciou na terça-feira (17) ter firmado parceria com a empresa alemã de software SAP SE para avançar na conquista dos objetivos da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

A parceria terá como foco o desenvolvimento de uma plataforma, denominada SAP Digital Boardroom, destinada a monitorar, gerir e reportar dados sobre os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) e suas metas relacionadas à indústria global.

A cidade de São Paulo é um dos principais destinos de migrantes sul-americanos. Foto: Agência Brasil

Relatório reúne informações para cidades do Mercosul elaborarem políticas de atendimento a migrantes

O Instituto de Políticas Públicas em Direitos Humanos (IPPDH) do Mercosul publicou relatório com informações úteis para a formulação e implementação de políticas públicas de promoção e proteção dos direitos humanos dos migrantes em cidades do bloco.

O estudo, apoiado pelo escritório regional para a América do Sul da Organização Internacional para as Migrações (OIM), analisou as políticas adotadas em São Paulo para o acolhimento de migrantes sul-americanos.

Em Fortaleza (Ceará), Valeska Nunes da Silva (direita), 22 anos, por pouco não perdeu a vida ao dar à luz. Foto: OPAS/OMS

Oficinas para profissionais de saúde salvam vidas de centenas de mães e bebês no Brasil

As oficinas da estratégia Zero Morte Materna por Hemorragia, desenvolvidas pela Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) e o Ministério da Saúde do Brasil, têm ajudado a salvar as vidas de centenas de mães e bebês.

Oito estados foram elencados como prioritários para receber a estratégia. “Esses estados são convidados a escrever um plano de ação estadual para o enfrentamento da mortalidade e a enviar profissionais para a formação, além de seguir com a estratégia para dentro de suas regiões e unidades de saúde”, explicou Mônica dos Reis, consultora de saúde da mulher da OPAS/OMS no Brasil.

UNESCO lança na terça-feira (24) Relatório de Monitoramento Global da Educação

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) lançará mundialmente na terça-feira (24) o Relatório de Monitoramento Global da Educação 2017/2018, cujo tema é “Responsabilização na educação: cumprir nossos compromissos”. Pela primeira vez, o lançamento mundial acontecerá também no Brasil, em evento em Brasília que terá transmissão ao vivo pela Internet.

O documento monitora as novas metas globais de educação das Nações Unidas, consolidadas no Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) número 4, que prevê assegurar a educação inclusiva e equitativa e de qualidade, e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todas e todos.

Representantes dos parceiros da iniciativa Building Movements - Feminismos Contemporâneos, que conta com o apoio da ONU Mulheres. Foto: ONU Mulheres

ONU e parceiros anunciam liberação de fundos para 14 organizações de mulheres do Brasil

Após receber 645 inscrições, o projeto Building Movements – Feminismos Contemporâneos anunciou em outubro (10) as 14 organizações da sociedade civil selecionadas para receber investimentos e, com isso, ampliar atividades de promoção da igualdade de gênero no Brasil.

Um dos marcos do grupo é a diversidade. Há entidades que trabalham com transporte público, outras que lidam com religiões de matriz africana, instituições voltadas para as mulheres lésbicas e organizações dedicadas aos direitos das agricultoras.

Manifestação contra a violência baseada em gênero no Rio de Janeiro. Foto: Agência Brasil/Fernando Frazão

ONU Mulheres manifesta preocupação com processo de revisão da Lei Maria da Penha

A ONU Mulheres manifestou nesta quarta-feira (18) preocupação com o processo de revisão da Lei 11.340/2006 (Lei Maria da Penha), o que, segundo a agência das Nações Unidas, pode comprometer a prerrogativa da legislação de proteger mulheres em situação de violência.

“Tais projetos de lei podem trazer avanços e retrocessos à aplicação da Lei Maria da Penha. Se forem analisados de forma fragmentada e sem consulta pública, podem desconfigurar seu caráter integral, multidisciplinar e especializado e a sua efetividade no enfrentamento à violência contra as mulheres no Brasil”, disse a representante da ONU Mulheres no Brasil, Nadine Gasman, em comunicado.

Bandeira da ONU é erguida durante cerimônia de lançamento da Missão das Nações Unidas para o Apoio à Justiça no Haiti (MINUJUSTH). Foto: MINUJUSTH/Logan Abassi

Secretário-geral da ONU elogia criação de nova missão no Haiti

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, elogiou na segunda-feira (16) o estabelecimento da nova Missão das Nações Unidas para o Apoio à Justiça no Haiti (MINUJUSTH), após o encerramento da missão predecessora de manutenção da paz.

A MINUJUSTH apoiará o governo haitiano para fortalecer as instituições do Estado de direito, desenvolver as capacidades da polícia nacional e promover os direitos humanos.

O Grupo da Diversidade do ADOLESCENTRO reúne-se quinzenalmente às quartas-feiras, das 14h às 16h. Foto: UNFPA/Fernando Ribeiro

Parceiro de agência da ONU apoia saúde física e emocional de jovens trans

Parceiro do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), o Centro de Referência, Pesquisa, Capacitação e Atenção ao Adolescente em Família (ADOLESCENTRO) apoia a saúde física e emocional de adolescentes trans.

Com unidades no Distrito Federal, em São Paulo e Porto Alegre, o Grupo de Diversidade da instituição também oferece assistência aos demais adolescentes da população LGBT. Saiba mais sobre a organização.

Mata Atlântica no Rio de Janeiro. Foto: Foto: Rodrigo Soldon (CC)

ONU firma parceria pela participação civil na preservação municipal da Mata Atlântica

Para promover a conservação da Mata Atlântica nos 17 estados onde ela está presente, a ONU Meio Ambiente e a Associação Nacional dos Órgãos Municipais de Meio Ambiente (ANAMMA) firmaram na semana passada uma nova parceria. Cooperação visa sistematizar e integrar ações locais de preservação, além de fortalecer a participação da sociedade civil na elaboração de políticas públicas.