As Nações Unidas marcam nessa sexta-feira (29) o Dia Internacional dos Trabalhadores das Forças de Paz lembrando que as mulheres possuem um papel central nas operações de pacificação da organização.

Mulheres são fundamentais para operações de paz, diz ONU

As Nações Unidas marcam nessa sexta-feira (29) o Dia Internacional dos Trabalhadores das Forças de Paz lembrando que as mulheres possuem um papel central nas operações de pacificação da organização.

Duas “capacetes-azuis” – como são conhecidos os e as trabalhadoras de paz da ONU – foram homenageadas nesse ano, incluindo uma brasileira.

Servindo na operação da República Centro-Africana, a comandante Carla Monteiro de Castro Araújo, oficial da Marinha, ganhou o Prêmio de Defensoras Militares da Igualdade de Gênero da ONU ao lado da indiana Suman Gawani, observadora militar que serviu na missão no Sudão do Sul.

Acesse a mensagem em vídeo do secretário-geral para a data.

Participação comunitária fortalece prevenção à COVID-19 nos abrigos para venezuelanos em Roraima

Entre os desafios humanitários impostos pela pandemia da COVID-19, a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e seus parceiros têm continuado as atividades de proteção nos 13 abrigos temporários da Operação Acolhida, que atualmente acolhem cerca de seis mil refugiados e migrantes venezuelanos nas cidades de Boa Vista e Pacaraima, no Estado de Roraima.

Grande parte destas atividades conta com o apoio da própria população abrigada, conforme revela a primeira edição do Relatório de Registro e Abrigo em Roraima publicado pelo ACNUR, referente ao mês de abril de 2020. O relatório mostra que 54 comitês formados por refugiados e migrantes conduzem ações de alimentação, manutenção, limpeza saúde e segurança das instalações.

Refugiada cega supera desafios para seguir estudando

Em um caminho longo e sinuoso, duas meninas caminham juntas para a escola. Uma guiando a outra. Margetu carrega folhas grandes e grossas de papel em uma das mãos enquanto a outra segura firmemente a mão de sua melhor amiga Natasha.

Essas folhas de papel significam tudo para Margetu. São seus materiais em braille. Sem eles, a menina de 14 anos não consegue estudar. Margetu perdeu a visão por razões desconhecidas ainda bebê, quando sua família morava na Etiópia. Graças ao apoio recebido pelo ACNUR, Margetu frequenta a escola desde que chegou ao campo de refugiados de Kakumam, no Quênia.

Médico atende pacientes em unidade móvel de saúde da OIM em Boa Vista (RR). Foto: Bruno Mancinelle/OIM

Casos de COVID-19 na América do Sul representam 87% do total da América Latina; OIM pede recursos

A COVID-19 chegou à América do Sul mais tarde do que a outras regiões, mas, em 21 de maio, dos 563.550 dos casos da doença relatados na América Latina pela Organização Mundial da Saúde (OMS), 491.499 estão nos países sul-americanos (87% do total).

O Brasil se tornou o país com o maior número de infecções pelo novo coronavírus na América Latina. Em todo o mundo, apenas os Estados Unidos e a Rússia registraram mais casos.

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) lançou na semana passada (22) um apelo urgente, buscando 21,2 milhões de dólares para aliviar o impacto da pandemia de COVID-19 sobre os refugiados e migrantes mais vulneráveis ​​e suas comunidades anfitriãs em dez países da América do Sul: Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru, Uruguai e Venezuela.

Desaceleração econômica mundial, que se traduz em um aumento acentuado do desemprego, pode aumentar o tráfico transfronteiriço de pessoas provenientes de países que registram quedas duradouras das taxas de emprego. Foto: ONU

Pandemia pode provocar aumento do tráfico de pessoas no mundo, alerta relatório do UNODC

O fechamento das fronteiras terrestres, marítimas e aéreas pode resultar em um aumento do tráfico de pessoas no mundo, segundo relatório publicado este mês (14) pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC).

Isso ocorre porque migrantes passam a ter uma necessidade ainda maior de serviços de contrabandistas para atravessar fronteiras. Os fechamentos e restrições também resultam no uso de rotas e condições mais arriscadas e a preços mais altos, expondo refugiados e migrantes a abusos e exploração.

Além disso, é provável que a desaceleração econômica global amplie o tráfico transfronteiriço de pessoas fugindo de países que sofrem quedas duradouras no emprego, de acordo com o documento.

OIM doa 1,5 tonelada de alimentos para migrantes que aguardam abertura das fronteiras no Acre

Com o objetivo de apoiar as ações realizadas pela Prefeitura de Assis Brasil, no Acre, e de entidades da sociedade civil, a Organização Internacional para as Migrações (OIM) doou este mês 1,5 tonelada de alimentos para mais de 250 imigrantes que aguardam a reabertura das fronteiras com Peru e Bolívia no município acreano.

Estas pessoas vindas da Venezuela, Haiti, Colômbia, Togo e Benin estavam próximas de cruzar a tríplice fronteira quando foram paradas pela restrição de mobilidade devido à pandemia do novo coronavírus e não puderam seguir viagem como planejado.

Um dia na vida da comandante Carla Monteiro, defensora militar de igualdade de gênero – Foto Hervé Serefio - MINUSCA

Brasileira e indiana ganham prêmio de Defensoras Militares da Igualdade de Gênero da ONU 2019

Uma brasileira servindo nas Forças de Paz da República Centro-Africana e uma indiana que recentemente completou sua missão no Sudão do Sul foram selecionadas para receber o Prêmio de Defensoras Militares da Igualdade de Gênero da ONU 2019.

A comandante Carla Monteiro de Castro Araújo, oficial da Marinha brasileira trabalhando na Missão de Estabilização Multidimensional Integrada das Nações Unidas na República Centro-Africana (MINUSCA), e a major Suman Gawani, do exército indiano, uma observadora militar que serviu na Missão das Nações Unidas no Sudão do Sul (UNMISS), receberão o prêmio durante uma cerimônia online presidida pelo secretário-geral da ONU, António Guterres, marcando o Dia Internacional das Forças de Paz da ONU na sexta-feira, 29 de maio, às 10 horas (11 horas no Brasil).

UNICEF e Turma da Mônica orientam comunidades sobre o coronavírus através de materiais informativos

A Mauricio de Sousa Produções (MSP), em parceria com o UNICEF, desenvolveu um folheto e um cartaz informativo para crianças, adolescentes e famílias de comunidades vulneráveis para reforçar a importância de lavar bem as mãos, usar álcool em gel 70%, utilizar máscaras e higienizar quaisquer objetos que possam ter tido contato com o vírus.

Num primeiro momento, 430 mil folhetos e 1.150 cartazes serão distribuídas em Belém, Fortaleza, Maceió, Manaus, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo, acompanhados de produtos de higiene e limpeza, que o UNICEF está oferecendo em parceria com a sociedade civil e o governo. Essa ação faz parte da resposta humanitária do UNICEF à pandemia da COVID-19 no Brasil.

Diretor da OMS elogia resolução para acelerar resposta à COVID-19

A Assembleia Mundial da Saúde adotou na terça-feira (19) uma resolução histórica, estabelecendo um roteiro claro das ações necessárias para sustentar e acelerar a resposta à COVID-19 nos níveis nacional e internacional, disse o diretor geral da Organização Mundial da Saúde (OMS) em coletiva de imprensa na quarta-feira (20), um dia após a conclusão da reunião.

A resolução recomenda a distribuição justa de todas as tecnologias essenciais de saúde para combater a pandemia, o aproveitamento de tratados internacionais relevantes quando for necessário, a classificação das vacinas da COVID-19 como um bem público e o incentivo a pesquisa e o desenvolvimento entre o setor público e privado.

Aula virtual do Cozinha & Voz. Foto: OIT

Da sala de aula para sala de casa: projeto da OIT utiliza treinamento inédito em meio à pandemia

Projeto Cozinha & Voz faz parte de uma ampla iniciativa de promoção do trabalho decente para pessoas em situação de vulnerabilidade, desenvolvida pela Organização Internacional do Trabalho (OIT),  e pelo Ministério Público do Trabalho (MPT), com apoio da cozinheira Paola Carosella e da Casa Poema.

Conheça como a iniciativa funciona e está beneficiando pessoas trans de diversas regiões do Brasil.

Valéria Rodrigues, presidenta do Instituto Nice, e Abigaill Santos, coordenadora do Programa Transcidadania, ao centro da foto, apoiam em 2019 a primeira capacitação do ACNUR sobre o atendimento à população refugiada e migrante trans e travesti. Foto: ACNUR

ACNUR e Prefeitura de SP lançam guia de atendimento à população trans e travesti refugiada e migrante

No marco do Dia Internacional Contra a Homofobia, Transfobia e Bifobia, comemorado globalmente no dia 17 de maio, a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e a Prefeitura de São Paulo lançaram virtualmente na segunda-feira (18) um Protocolo Operacional Padrão (POP) que orienta o atendimento humanizado à população refugiada e migrante trans e travesti vivendo na capital paulista.

No atual contexto de pandemia causada pela COVID-19, as dificuldades existentes são agravadas e ocasionam demandas crescentes para o acesso à serviços de assistência social, incluindo acolhimento e recebimento de alimentos.

Ivete Sangalo. Foto: UNIC Rio

Ivete Sangalo e Dilsinho gravam música com artistas latinos para ajudar na resposta à COVID-19

A empresa Sony Music Latin em parceria com a ONG Global Citizen lançaram uma nova versão da música “Color Esperanza” para arrecadar recursos para ajudar a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) na resposta à COVID-19. A música, lançada há quase 20 anos, passa uma mensagem de união, paz, mudança e esperança e já foi usada por várias causas e movimentos sociais.

Os brasileiros Ivete Sangalo e Dilsinho fazem parte do grupo de 30 artistas convidados, que incluem Ruben Blades, Prince Royce, Carlos Rivera e Carlos Vives.

"Não conseguimos pagar o aluguel e fomos expulsos”, conta Orlando Martinez sobre os impactos econômicos enfrentados por ele e outros indígenas venezuelanos da etnia Warao em Belém (PA) durante a pandemia. ACNUR/Camila França

Coronavírus ameaça indígenas venezuelanos que buscam segurança no Brasil

Enquanto quase metade dos quase 5 mil refugiados indígenas venezuelanos que vivem no Brasil está em abrigos de Belém (PA), Manaus (AM), Boa Vista (RR) e Pacaraima (RR), muitos outros permanecem em situações de insalubridade, vivendo em moradias superlotadas – ou mesmo nas ruas – sem saneamento básico, o que dificulta a prevenção contra a infecção. Leia o relato da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR).

Campanha de vacinação contra Sarampo em Salvador, outubro de 2019. Foto: Foto: Jefferson Peixoto/Secom (Fotos Públicas)

UNICEF alerta sobre impactos de eventual suspensão dos serviços de saúde para crianças e gestantes

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) alertou sobre os impactos de uma eventual interrupção dos serviços de atenção primária de saúde direcionados a gestantes e crianças menores de 5 anos devido à pandemia de COVID-19.

A agência da ONU recomenda aos governos que crianças e grávidas sejam priorizadas nos serviços de saúde, e que todos os serviços de cuidado pré-natal e neonatal, inclusive os programas de vacinação, sejam mantidos e adaptados às novas necessidades causadas pela pandemia, sempre respeitando os protocolos de segurança de proteção frente ao novo coronavírus.

Japão contribui com US$ 2,7 milhões para expandir a resposta à COVID-19 em nove países das Américas

O Governo do Japão vai contribuir com US$ 2,7 milhões para ajudar nove países das Américas – Bolívia, Brasil, Chile, Guatemala, México, Panamá, Paraguai, Peru e Venezuela – a expandir suas respostas à pandemia da COVID-19, causada pelo novo coronavírus.

A contribuição financeira do Japão apoiará os esforços de resposta da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) nestes países para mitigar o impacto da disseminação do vírus e impedir a transmissão de pessoa a pessoa da COVID-19 nas Américas.

Sala de aula no campo de Kutupalong. Foto: UNICEF/Patrick Brown

VÍDEO: Coronavírus chega ao maior campo de refugiados do mundo, em Bangladesh

Agências humanitárias das Nações Unidas confirmaram o primeiro caso de COVID-19 no maior assentamento de refugiados do mundo, Kutapalong, em Bangladesh, que acolhe 860 mil pessoas da minoria rohingya que fugiram da perseguição em Mianmar, país vizinho.

Uma pessoa da comunidade de acolhimento também testou positivo. Os dois pacientes estão isolados, sendo tratados, e todos os seus contatos estão sendo rastreados, testados e colocados em isolamento.

Em entrevista à ONU News, a coordenadora de Gestão e Desenvolvimento de Campo da Organização Internacional para as Migrações (OIM), Kerry McBroom, explicou os três maiores desafios atuais.

Um bebê de 6 meses recebe uma injeção de vacina atrasada em um centro de saúde comunitário em Pequim, China. Foto: UNICEF/Zhang Yuwei

COVID-19: Líderes mundiais pedem que medicamentos e futuras vacinas sejam livres de patentes

Mais de 140 líderes mundiais assinaram na quinta-feira (14) uma carta aberta solicitando que os governos se unam para encontrar uma vacina contra a COVID-19, marcando a posição mais ambiciosa já estabelecida sobre o que se tornou a busca mais urgente da ciência moderna.

Eles estão exigindo que todas as vacinas, tratamentos e testes sejam livres de patentes, produzidos em massa e distribuídos de maneira justa.

Rádio comunitária engaja refugiados e migrantes indígenas em Manaus

A pandemia do novo coronavírus é a principal pauta dos programas de rádios comunitárias, que ajudam a reforçar as medidas de prevenção divulgadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e reportam o número de pessoas infectadas e óbitos. Também há espaço para músicas e assuntos diversos, como futebol e a vida de celebridades.

Esta é uma das estratégias da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) para fortalecer a proteção das populações indígenas venezuelanas no Norte do país. Em parceria com o Instituto Mana e Secretaria Municipal da Mulher Assistência Social e Cidadania de Manaus (SEMASC), as rádios comunitárias nos dois abrigos compartilham informações confiáveis e atualizadas sobre a COVID-19. A ação conta com participação da organização Médico Sem Fronteiras (MSF).

É tempo de se afastar das pessoas para salvar a humanidade. Para aliviar o sofrimento e salvar vidas em meio à pandemia, a OMS está focada em cinco ações-chave

VÍDEO: Cinco coisas que a OMS está fazendo contra o coronavírus

Em maio, o mundo já tinha confirmado mais de 4 milhões de casos de COVID-19, com uma perda de mais de quase 300 mil vidas, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

“Mas esses não são apenas números – todos os casos são mães, pais, filhos, filhas, irmãos, irmãs ou amigos”, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, chefe da agência.

É tempo de se afastar das pessoas para salvar a humanidade. Para aliviar o sofrimento e salvar vidas em meio à pandemia, a OMS está focada em cinco ações-chave; saiba aqui quais são.

Projeto Balaio abre cadastro online para quem precisa de alimentos e kits de higiene e limpeza

O “Projeto Balaio: saúde, inclusão e comunidade” recebe desde quarta-feira (13) inscrições de pessoas vivendo com HIV/AIDS e pessoas LGBTI+ que necessitem de apoio com cesta básica de alimentos e kits de higiene e limpeza em meio à pandemia de COVID-19.

Ação é uma iniciativa da ONG Barong, em parceria com o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) e a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

O projeto tem foco inicial em pessoas que moram na cidade de São Paulo e se encontram em situação de extrema vulnerabilidade. Seu objetivo é mitigar os impactos secundários da pandemia de COVID-19 sobre estas populações.

Desde o surgimento da COVID-19, refugiados e migrantes da Venezuela agora enfrentam uma miríade de desafios, incluindo a perda de meios de subsistência, despejos e o aumento da estigmatização. Foto: OIM Brasil/Bruno Mancinelle

Organizações buscam apoio urgente a refugiados e migrantes da Venezuela em meio à pandemia

Com a pandemia da COVID-19 ameaçando a segurança e o futuro de milhões de refugiados e migrantes da Venezuela e de suas comunidades anfitriãs, mais de 150 organizações que trabalham em 17 países da América Latina e no Caribe estão apelando à comunidade internacional para um aumento urgente de apoio.

“O coronavírus está pressionando nossas sociedades de maneiras que nunca poderíamos imaginar. Para os refugiados e migrantes venezuelanos, a pandemia os expõe a dificuldades ainda maiores, já que muitos estão lutando para sobreviver fora de casa”, disse Eduardo Stein, representante especial conjunto de Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e Organização Internacional para as Migrações (OIM) para refugiados e migrantes da Venezuela.

Equipamentos médicos são necessários para atender pacientes da COVID-19 - Foto: Jair Lázaro/UNSPLASH

COVID-19: ONU lança parceria para ampliar produção local de tecnologias de saúde

O Banco de Tecnologia das Nações Unidas, juntamente com o PNUD, a UNCTAD e a OMS, lançaram nesta terça-feira (12) a Tech Access Partnership (Parceria de Acesso a Tecnologia – TAP, em inglês) como parte de uma abordagem coordenada para fortalecer as respostas dos países em desenvolvimento à COVID-19 e aumentar o acesso a tecnologias de saúde que salvam vidas.

À medida que a demanda por equipamentos de proteção individual, dispositivos médicos e diagnósticos aumenta exponencialmente em meio à pandemia global, países com recursos limitados geralmente não conseguem comprar ou produzir as ferramentas necessárias para montar respostas eficazes à COVID-19.

A TAP visa abordar a escassez crítica de tecnologias e equipamentos essenciais de saúde, conectando fabricantes com especialistas importantes e fabricantes emergentes em países em desenvolvimento para compartilhar informações, conhecimentos técnicos e recursos necessários para escalar a produção dessas ferramentas.

COVID-19: UNICEF faz apelo para arrecadar US$ 1,6 bilhão para atender às necessidades de crianças

O UNICEF está pedindo US$ 1,6 bilhão para apoiar sua resposta humanitária a crianças afetadas pela pandemia da COVID-19, em comparação aos US$ 651,6 milhões solicitados em um apelo semelhante no final de março. Esse aumento reflete as consequências socioeconômicas devastadoras da doença e as crescentes necessidades das famílias. À medida que o surto entra em seu quinto mês, os custos com suprimentos, remessas e deveres de proteção estão aumentando drasticamente.

Segundo a diretora-executiva do UNICEF, Henrietta Fore, a pandemia é uma crise de saúde que está rapidamente se tornando uma crise dos direitos da criança.

Francis (esquerda) e Siliany (direita), acompanhada da mãe, conversam com funcionária do IMDH durante entrega do cartão do programa CBI em Brasília. Foto: Luiz Fernando Godinho/ACNUR

“Sem esse dinheiro eu estaria na rua”, diz venezuelana apoiada pelo ACNUR

As manicures venezuelanas Silany e Francis chegaram ao Brasil há um mês, em plena pandemia do novo coronavírus e não conseguiram colocação profissional por conta das medidas de isolamento social.

Graças a um programa de transferência de renda do ACNUR, elas poderão manter as despesas básicas com moradia, alimentação e medicamentos.

Conheça a história das refugiadas que atualmente moram em Brasília, no Distrito Federal, e saiba como ajudar.

Mais de 1,1 mil indígenas são beneficiados em ação de prevenção à COVID-19 em Pacaraima (RR)

Desde que a pandemia da COVID-19 chegou ao Brasil, a Organização Internacional para as Migrações (OIM) tem reforçado suas atividades em campo e desenvolvido atividades de prevenção e informação para refugiados, migrantes e comunidade de acolhida. As ações incluem as comunidades indígenas transfronteiriças, que são visitadas pela OIM de modo a dialogar com a população local e da Venezuela sobre saúde e medidas de prevenção ao novo coronavírus.

Em ação realizada no último mês no município de Pacaraima, Roraima, mais de 1.100 indígenas da etnia Pemón-Taurepang moradores do Bananal, Sorokaima I e Sakao-Motá, foram beneficiados com kits de higiene e sessões informativas sobre prevenção à COVID-19. Os kits, que contêm mosquiteiro, sabão e toalha, também serão úteis para o combate a outras doenças transmitidas por mosquitos comuns na região, como a malária e a dengue.

Francis (esquerda) e Siliany (direita), acompanhada da mãe, conversam com funcionária do IMDH durante entrega do cartão do programa CBI em Brasília. Foto: Luiz Fernando Godinho/ACNUR

“Without this money, I’d be in the streets”, says Venezuelan supported by UNHCR

Venezuelan manicurists Silany and Francis arrived in Brazil a month ago, in the middle of the new coronavirus pandemic and were unable to get a job because of the social isolation measures.

Thanks to a cash transfer programme of the United Nations Refugee Agency (UNHCR), they will be able to cover their basic living, food and medicine expenses.

Get to know the history of the refugees who currently live in Brasília, in the Federal District, and learn how to help.

Secretário-geral da ONU homenageia vítimas da segunda guerra mundial

Secretário-geral da ONU homenageia vítimas da segunda guerra mundial; vídeo

Em mensagem para o momento de lembrança e reconciliação para aqueles que perderam suas vidas durante a Segunda Guerra Mundial – marcado anualmente em 8 e 9 de maio –, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, prestou uma homenagem aos milhões de pessoas que perderam a vida no conflito encerrado há 75 anos.

“Nunca devemos esquecer o Holocausto e os outros crimes graves e horrendos cometidos pelos nazistas. A vitória sobre o fascismo e a tirania em maio de 1945 marcou o início de uma nova era”, destacou Guterres.

Menina no campo de deslocados internos Khair Al-Sham, na Síria. Foto: OCHA

COVID-19: ONU e parceiros lançam apelo de US$6,7 bi para ajudar países mais vulneráveis

O Plano Global de Resposta Humanitária de 6,7 bilhões de dólares exige ações rápidas e determinadas para evitar os efeitos mais debilitantes da pandemia em 63 países de baixa e média renda.

Embora a maioria desses países tenha um baixo número de casos de COVID-19 até agora, sua vigilância, exames laboratoriais e sistemas de saúde são fracos, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Em 2019, ocorreram mais de 700 exibições de 32 filmes selecionados em 108 países, com uma audiência global de cerca de 60 mil pessoas. Foto: OIM

OIM abre inscrições para festival internacional de cinema sobre migrações

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) abriu inscrições para o Festival Global de Cinema sobre Migração. O evento de 2020 ocorre de 28 de novembro a 18 de dezembro e é a principal iniciativa cultural do mundo sobre o tema. O prazo para envio dos filmes é dia 21 de junho de 2020.

Em 2019, ocorreram mais de 700 exibições de 32 filmes selecionados em 108 países, com uma audiência global de cerca de 60 mil pessoas.

O objetivo do Festival é preparar o caminho para uma discussão maior sobre um dos maiores fenômenos do nosso tempo: a migração; saiba como enviar sua produção.

Veja as ações do UNICEF em resposta ao coronavírus no Brasil

As crianças e adolescentes não são os mais afetados diretamente pelo coronavírus, mas, como em todas as emergências e crises humanitárias, são eles os que mais sofrem de maneira indireta. Por essa razão, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) ajustou seu Programa de País, ampliando suas iniciativas para reduzir o avanço do vírus e mitigar os impactos da epidemia na vida de crianças e adolescentes, em especial aqueles mais vulneráveis.

Conheça as principais iniciativas do UNICEF no Brasil para enfrentar a epidemia e proteger crianças e adolescentes da COVID-19.

Jean Pierre-Lacroix, chefe das Operações de Paz da Nações Unidas, em viagem oficial ao Mali. Foto: MINUSMA

ARTIGO: As Forças de Paz da ONU devem manter o curso

Em artigo, o subsecretário-geral do Departamento de Apoio Operacional da ONU e o subsecretário-geral do Departamento de Operações de Paz das Nações Unidas afirmam que quando o vírus da COVID-19 se espalhar ainda mais em países já enfraquecidos pela guerra e pela pobreza, ele não apenas ameaçará a vida de milhares de pessoas, mas também poderá pender a frágil balança da paz de volta para o conflito e o desespero.

“Para essas comunidades, os riscos não poderiam ser maiores e a importância do apoio da ONU nunca foi tão grande.” Leia o artigo completo.

Ibrahim Al Hussein (à esquerda) é um dos refugiados que participam do documentário 'THF: Aeroporto Central', do brasileiro Karim Aïnouz. Imagem: THF

Cineasta brasileiro espera que pandemia gere mais empatia por situação de refugiados

Em vez de medo e xenofobia, o isolamento e a incerteza em relação ao futuro provocada pela pandemia têm o potencial de gerar mais empatia em relação ao outro, especialmente em relação àqueles que já enfrentavam dificuldades antes mesmo de a COVID-19 emergir, como refugiados, migrantes e pessoas em situação de vulnerabilidade social.

A expectativa é do cineasta brasileiro Karim Aïnouz, que lançou na sexta-feira (24), diretamente nas plataformas de streaming, seu filme “Aeroporto Central”, que trata da situação de solicitantes de refúgio abrigados no extinto Aeroporto de Tempelhof, em Berlim. Leia a entrevista concedida à ONU Brasil.

Ao longo de um ano, o documentário acompanhou a vida do estudante sírio Ibrahim (esquerda) e do fisioterapeuta iraquiano Qutaiba (direita). Foto: Juan Sarmiento

Pandemic could generate more empathy towards refugees, says Brazilian filmmaker

Instead of fear and xenophobia, the isolation and uncertainty about the future brought by the COVID-19 pandemic has the potential to generate more empathy and solidarity towards others, including refugees.

That’s the hope of the Brazilian filmaker Karim Aïnouz, who launched directly on the streaming platforms his documentary “Central Airport THF”, which describes the situation of asylum seekers sheltered in the former Tempelholf Airport, in Berlin.

Moradora de Muona, sul do Malawi, lava as mãos com água e sabão para prevenir infecção por COVID-19. Foto: WFP

ARTIGO: Ciência, cooperação e uma nova noção de humanidade

Em artigo publicado na Folha de S.Paulo, a diretora e representante da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) no Brasil, Marlova Jovchelovitch Noleto, afirma que o conhecimento cientifico é o caminho para superarmos a pandemia de COVID-19, mas ele não será suficiente para evitarmos as consequências danosas de outros problemas globais.

“Será preciso uma nova leitura de como enxergamos a humanidade, um outro patamar de empatia, que deve vir de governos, agentes econômicos e sociedade civil.” Leia o artigo completo.