Dois meses do ciclone Idai: a “dificuldade em não chorar” do funcionário da ONU em Moçambique

Dois meses do ciclone Idai: funcionário da ONU relembra tragédia em Moçambique

Um relato do trabalhador humanitário Pedro Matos foi o primeiro a correr o mundo após o ciclone Idai atingir a costa leste do sul da África, nos dias 14 e 15 de março.

Matos conta a experiência única em 10 anos de ação como funcionário do Programa Mundial de Alimentos (PMA). Do Iêmen, na maior crise humanitária do mundo, ele agora revive o momento, dois meses depois da tragédia.

Falando à ONU News, Matos ainda procura tirar as palavras que nunca saíram logo depois da passagem do primeiro dos dois ciclones que abalaram Moçambique.

A situação atual, como destacam as Nações Unidas, ainda é de grande necessidade. A ONU continua dando ajuda e pedindo mais apoio para os milhões de vítimas.

Venezuela conversa com oficial de proteção do ACNUR após cruzar a fronteira para Cúcuta, na Colômbia. Foto: ACNUR/Vincent Tremeau

Maioria das pessoas que foge da Venezuela necessita de proteção internacional para refugiados

Dado o agravamento da situação política, econômica, humanitária e de direitos humanos na Venezuela, que já deslocou globalmente mais de 3,6 milhões de pessoas, a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) considera que a maioria dos que fogem do país precisa de proteção internacional para refugiados.

Em uma nota de orientação emitida nesta terça-feira (21), o ACNUR reitera seu apelo aos Estados para que permitam o acesso dos venezuelanos a seu território e forneçam proteção e tratamento adequado, destacando a necessidade crítica de segurança das pessoas forçadas a fugir por suas vidas e por liberdade.

Funcionários do ACNUR conversam com iemenitas na província de Hajjah em março de 2019. Foto: ACNUR/Rashed Al Dubai

Mais de 15 milhões de crianças precisam de ajuda no Iêmen, alerta UNICEF

Mais de 15 milhões de crianças estão precisando de ajuda humanitária no Iêmen, disse na quarta-feira (15) o chefe do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) aos membros do Conselho de Segurança. Ele pediu ações para pôr fim aos quatro anos de conflito no país, que já matou ou feriu ao menos 7,3 mil crianças.

O coordenador humanitário das Nações Unidas, Mark Lowcock, disse a membros do Conselho de Segurança que 10 milhões de pessoas ainda precisam de assistência alimentar de emergência no Iêmen, enquanto o “espectro da fome ainda paira” sobre o país. A cólera afetou 300 mil apenas neste ano, comparado com 370 mil durante todo o ano de 2018.

Família camaronesa em colchonete improvisado ao ar livre no campo de refugiados de Agadom, em Ogoja, na Nigéria. Foto: ACNUR/Will Swanson

Refugiados camaroneses encontram dificuldades para recomeçar vida na Nigéria

Embates violentos entre militares de Camarões e separatistas armados já provocaram o deslocamento de aproximadamente 437 mil pessoas dentro das fronteiras do país e forçaram outras 35 mil pessoas a buscar refúgio na Nigéria.

Entre a população deslocada, a maioria é composta por mulheres e crianças advindas de áreas anglófonas. Elas estão tendo dificuldades para retomar suas vidas na Nigéria, devido à falta de espaço em abrigos e de escolas para as crianças. Leia o relato da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR).

Mobilização do governo, com apoio do UNICEF e da OMS, levou vacinas para mais de meio milhão de meninos e meninas moçambicanos. Foto: UNICEF

ONU apoia mobilização de saúde para levar vacinas e nutrição a crianças em Moçambique

Quase dois meses após a passagem do ciclone Idai por Moçambique, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e a Organização Mundial da Saúde (OMS) apoiaram o governo local, na semana passada, a realizar uma “semana de saúde” em resposta aos desafios vividos pela população. Iniciativa levou vacinas, remédios e suplementação alimentar para mais de meio milhão de meninos e meninas afetados pela tempestade tropical.

O bloqueio tem um impacto devastador sobre as crianças de Gaza, afetando sua saúde física e mental, assim como seus ambientes de aprendizagem. Foto: Khalil Adwan/UNRWA (2016)

Mais de 1 milhão de palestinos precisam de doações de comida em Gaza, diz ONU

A Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina (UNRWA) alertou nesta semana (13) que mais de 1 milhão de palestinos precisam de ajuda humanitária para sobreviver em Gaza.

O contingente equivale a cerca de metade da população local e representa um aumento de quase dez vezes no número de cidadãos que passam necessidade no enclave. Piora foi atribuída ao bloqueio econômico contra o território.

Menina de Hodeida, no Iêmen, vive com pais, três irmãos e seis irmãs. A família enfrenta risco de desnutrição devido à guerra e a falta de fontes de receita para comprar comida. Foto: UNICEF/Taha Almahbashi

ONU monitora retirada de forças rebeldes de principal porto do Iêmen

Enquanto os iemenitas continuam a finalizar os procedimentos para a implementação do acordo de Hodeida, sob o qual a coalizão governamental e líderes rebeldes se comprometeram a retirar forças da cidade-porto de mesmo nome, o presidente do Comitê de Coordenação de Reorganização disse na sexta-feira (10) ter recebido uma oferta da oposição houthi para iniciar uma retirada unilateral.

Em comunicado divulgado na sexta-feira, o tenente general dinamarquês Michael Lollesgaard, que lidera a equipe de observadores e monitores da ONU, disse que a Missão da ONU para apoiar o Acordo de Hodeida (UNMHA) “monitorará e informará sobre a redistribuição unilateral”, cujo início estava previsto para sábado (11), e que deve ser concluído até terça-feira (14).

Uma mãe rohingya atravessa um rio com seu filho no colo em busca de segurança em Bangladesh. Foto: ACNUR/Roger Arnold

ACNUR conta a história de 5 mães refugiadas que fizeram o impossível por seus filhos

Não importa de onde elas sejam, as mães refugiadas têm em comum uma força que nos impressiona e inspira. Apesar de terem fugido com medo e assustadas, elas encontraram dentro de si coragem para proteger seus filhos.

Cruzaram rios com seus filhos no colo sem saber nadar, caminharam por quilômetros sem saber aonde iam chegar, algumas abriram mão de suas vidas para priorizar a de seus filhos. Leia os relatos da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR).

Clínica em Mbandaka, na República Democrática do Congo, onde pacientes com ebola são tratados. Foto: Federação Internacional da Cruz Vermelha e Crescente Vermelho

Em décimo mês, surto de ebola na República Democrática do Congo deixa 1 mil mortos

Em seu décimo mês, a epidemia de ebola na República Democrática do Congo (RDC) deixou mais de 1 mil mortos, levando o secretário-geral da ONU, António Guterres, a disponibilizar apoio de todo o Sistema das Nações Unidas para impedir a propagação do vírus mortal.

Guterres expressou na quarta-feira (8) preocupação com o número de novos casos de ebola no leste da RDC, reiterando o apoio da ONU “aos esforços para acabar com o surto”.

‘A guerra não destrói só sua casa, ela destrói seu coração’, diz refugiada síria no Brasil

Rama caminhava por Damasco com suas duas filhas pequenas quando a família foi atingida por uma bomba. As meninas Lamar e Celin ficaram gravemente feridas, mas sobreviveram.

Depois do ataque, a mãe decidiu abandonar o país para buscar segurança no Brasil, onde as três vivem há dois anos e meio. Por meio de um programa de empregabilidade de agências da ONU e empresas brasileiras, Rama está reconstruindo sua vida e seus sonhos.

Péricles Gasparini, chefe de escritório da MINUSCA, à direita, com o capacete azul da ONU. Foto: Arquivo pessoal

‘Trabalhar na ONU é sentir que você está fazendo algo para a humanidade’, diz brasileiro há 30 anos na Organização

O brasileiro Péricles Gasparini trabalha para as Nações Unidas há 30 anos. Desde 2017, é chefe de escritório na Missão de Paz da ONU na República Centro-Africana, a MINUSCA. A serviço da Organização, o profissional trabalhou em Berberati, uma cidade de 105 mil habitantes, a cerca de 300 quilômetros da capital, Bangui. Hoje, está alocado no município de Bouar.

Saiba mais na matéria especial do Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio).

Indígenas venezuelanos da etnia warao e eñepas em abrigo em Boa Vista, Roraima. Foto: OIM

OIM lança versão em inglês de relatório sobre migração indígena da Venezuela para o Brasil

O fluxo de venezuelanos para o Brasil ocorrido nesta década continua sendo um dos eventos migratórios mais importantes da América Latina e uma das histórias de mobilidade humana mais impactantes de todos os tempos na região. Cerca de 3,7 milhões de venezuelanos abandonaram seu país nos últimos quatro anos, incluindo centenas de indígenas.

Essa população — suas características e necessidades específicas — é foco de uma publicação da Organização Internacional para as Migrações (OIM), cuja versão em inglês foi publicada esta semana.

Crianças e suas famílias que vivem em um campo improvisado em uma área de difícil acesso na zona rural ocidental de Alepo, na Síria. Foto: UNICEF/Watad

Aumento da violência em região da Síria é ‘grande preocupação’, diz chefe da ONU

O chefe das Nações Unidas, António Guterres, disse nesta terça-feira (7) que está acompanhando “com grande preocupação” a intensificação dos confrontos no noroeste da Síria, que provocaram ainda mais perdas de vidas e deslocaram milhares nos últimos dias.

Os comentários do secretário-geral vêm em meio a relatos de ataques aéreos em centros populacionais e prédios civis dentro de uma zona desmilitarizada, desde setembro do ano passado sob a guarda da Rússia e da Turquia, no sul de Idlib e no norte rural de Hama.

Equipe de avaliação da FAO e do PMA visita o condado de Unpa, em Hwanghae do Norte, na Coreia do Norte, em abril de 2019. Foto: PMA/James Belgrave

Safras fracas resultam em escassez de alimentos para 10 milhões de norte-coreanos

Mais de 10 milhões de norte-coreanos estão sofrendo com uma “severa escassez de alimentos” após a pior colheita em uma década, de acordo com uma avaliação de segurança alimentar das Nações Unidas divulgada no início de abril (3).

Safras fracas por conta de ondas de calor e enchentes durante a temporada significam que pessoas afetadas não terão comida suficiente até a próxima colheita.

A avaliação para a Coreia do Norte é baseada em dados coletados pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e pelo Programa Mundial de Alimentos (PMA), que realizaram missões no país no mês passado e em novembro de 2018.

A mãe de Nelwin, Silviane Garcia, teve papel fundamental na melhora do menino e comemora a boa saúde do filho. Foto: UNICEF/Inaê Brandão

UNICEF garante assistência médica e nutricional para crianças venezuelanas em Roraima

Com um ano e nove meses, Nelwin Torres vive correndo e brincando com os primos e tios pelo abrigo Janokoida, para venezuelanos indígenas, em Pacaraima (RR). Mas nem sempre foi assim.

Quando ao chegou ao Brasil, em setembro último, o menino estava doente, desidratado, com perda de peso e indícios de desnutrição. Sem forças, parou de comer e de engatinhar. O relato é do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).

Em Cúcuta, na Colômbia, todos os dias por volta das 5 da manhã, centenas de crianças cruzam a fronteira com a Venezuela para pegar ônibus que levam para escolas em Cúcuta. Foto: UNICEF/Santiago Arcos

Cerca de 300 mil crianças venezuelanas precisam de assistência humanitária na Colômbia

Sem mais apoio, a saúde, a educação e o bem-estar de ao menos 327 mil crianças venezuelanas que vivem como migrantes e refugiadas na Colômbia estarão em risco, alertou o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).

A situação econômica e política na Venezuela fez com que cerca de 3,7 milhões de venezuelanos deixassem suas casas e viajassem para o Brasil, Colômbia, Equador, Peru e outros países da região.

Cerca de 1,2 milhão destes venezuelanos estão na Colômbia, muitos deles vivendo em comunidades vulneráveis e que já estão com recursos sobrecarregados, segundo o UNICEF.

Myshara, de 13 anos, refugiada rohingya de Mianmar, com suas amigas no programa de saúde mental para crianças no campo de Kutupalong, em Bangladesh. Foto: ACNUR/Will Swanson

Projeto da ONU promove saúde mental de jovens rohingya em Bangladesh

O alto-comissário da ONU para refugiados, Filippo Grandi, participou na semana passada (2) em Kutupalong, Bangladesh, de uma rodada de atividades com 18 crianças refugiadas rohingya com idade entre 12 e 17 anos, que fizeram perguntas, intercaladas com danças e exercícios.

A maioria foi forçada a fugir com suas famílias das violências e atrocidades cometidas contra sua comunidade em Mianmar. Elas participam de um projeto inovador de saúde mental cujo objetivo é ajudá-las a falar sobre preocupações e tristezas. A ação, que teve início com apenas dois grupos, hoje reúne mais de 40.

Escombros das casas palestinas demolidas em Beit Hanina, em Jerusalém Oriental, com vista para o assentamento de Pisgat Ze'ev. Foto: UNRWA/Marwan Baghdadi

Ausência de solução política para Israel-Palestina prejudica esforços da ONU para encerrar crise

A chefe de Assuntos Políticos das Nações Unidas afirmou que, apesar das contínuas respostas à crise humanitária, econômica e política no Território Palestino Ocupado, esforços estão sendo continuamente enfraquecidos pela falta de progresso político em direção a uma solução de dois Estados.

Em atualização ao Conselho de Segurança sobre a situação mais recente no Oriente Médio, Rosemary DiCarlo disse que esperanças para dois Estados vivendo lado a lado em paz “continuam sendo substituídas por crescentes temores de futura anexação”.

Prédios destruídos em Trípoli, na Líbia. Foto: OCHA/Giles Clarke

ONU renova pedido de trégua humanitária da Líbia

Desde que os confrontos começaram no início de abril em torno da capital da Líbia, Trípoli, mais de 42 mil pessoas foram deslocadas e milhares ainda podem estar presas dentro da cidade.

Enquanto equipes humanitárias das Nações Unidas trabalham incansavelmente para fornecer assistência vital, a chefe de direitos humanos da ONU, Michelle Bachelet, destacou a necessidade urgente de um cessar-fogo imediato e de corredores humanitários para civis.

“O agravamento de ataques em áreas residenciais, incluindo o uso de artilharia, foguetes e ataques aéreos, é profundamente preocupante. Milhares de crianças, mulheres e homens estão com suas vidas em risco”, afirmou Bachelet.

Crianças andam em lamaçal no distrito de Buzi, em Moçambique, onde os efeitos do ciclone Idai ainda são visíveis. Foto: UNICEF/De Wet

Com ciclones em ascensão, UNICEF alerta para impacto de mudanças climáticas sobre as crianças

Os ciclones que atingiram Índia e Moçambique em março e abril deixaram milhares de crianças mortas. Eles devem ser considerados pelos líderes globais um alerta urgente sobre os graves riscos representados pelos eventos climáticos extremos, disse o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) na sexta-feira (3).

“Estamos testemunhando uma tendência preocupante”, disse Henrietta Fore, diretora-executiva do UNICEF. “Ciclones, secas e outros eventos climáticos extremos aumentam em frequência e intensidade. Como vimos em Moçambique e em outros lugares, os países e comunidades mais pobres são desproporcionalmente afetados. Para as crianças que já são vulneráveis, o impacto pode ser devastador”.

Líder de projeto sobre saúde reprodutiva e adolescentes de Gana discursando na ONU. Foto: UNDESA/S. Nijam

ONU procura ONGs para ajudar a realizar sua missão; prazo é 1º de junho

A divisão de organizações não governamentais (ONGs) do Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas (DESA) está convidando todas as organizações interessadas a trabalhar em estreita colaboração com o Conselho Econômico e Social da ONU (ECOSOC) para solicitar um status consultivo. Dia 1º de junho de 2019 é o prazo para recebimento de pedidos, que serão revisados durante o ano seguinte.

Para apoiar no processo, a ONU realizará um seminário online no próximo 3 de maio (sexta-feira), das 11h às 12h30 (horário de NY) – no horário de Brasília, de 12h às 13h30. Segundo a organização, essa é uma boa oportunidade para candidatos(as) fazerem perguntas sobre o processo de inscrição. O espaço é limitado. Saiba como se inscrever aqui.

O secretário-geral da ONU, António Guterres. Foto: ONU/Manuel Elias

Venezuela: ONU pede medidas ‘imediatas’ para restaurar a calma

O secretário-geral da ONU, António Guterres, está acompanhando os últimos acontecimentos na Venezuela “de muito perto e com preocupação”, informou nesta terça-feira (30) seu porta-voz. Segundo ele, a ONU está em contato “com as partes” em “diferentes níveis” dentro das Nações Unidas e no país.

O porta-voz esclareceu que “não cabe ao secretário-geral dar seu apoio a uma ou outra parte” e que se concentra no bem-estar do povo venezuelano, fazendo todo o possível para evitar a violência. Guterres disponibilizou mais uma vez apoio às partes, se assim fosse solicitado.

Bombeiros brasileiros em operação de busca e salvamento em Pemba, Moçambique. Foto: Bombeiros do Brasil

Bombeiros brasileiros salvam vítimas de novo ciclone em Moçambique

Em meio à passagem do ciclone Kenneth por Moçambique, uma ação coordenada entre agências da ONU, o governo moçambicano e bombeiros brasileiros salvou a vida de centenas de pessoas no último domingo (28) em Pemba, capital da província de Cabo Delgado, no norte do país. A tempestade tropical, que chegou na quinta-feira passada (25) ao território moçambicano, destruiu até 90% das residências em algumas aldeias.

O distrito de Macomia, em Cabo Delgado, Moçambique, foi duramente atingido pelo ciclone Kenneth, que chegou ao porto em 25 de abril. Foto: OCHA/Saviano Abreu

Novo ciclone atinge Moçambique seis semanas após o primeiro; ONU pede mais apoio

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, lamentou neste domingo (28) os relatos de mortes e destruição em Moçambique e em Comores como resultado do ciclone tropical Kenneth, seis semanas após o ciclone Idai atingir Moçambique, Malauí e Zimbábue.

Guterres pediu à comunidade internacional mais recursos para uma resposta imediata e a médio e longo prazo. Guterres afirmou que as Nações Unidas e parceiros humanitários estão apoiando autoridades nacionais para avaliar necessidades e fornecer assistência.

Já o chefe humanitário da ONU destacou que o ciclone Kenneth marca a primeira vez que dois ciclones atingiram Moçambique durante a mesma temporada, comprometendo ainda mais os limitados recursos do governo. Malauí e Zimbábue também devem passar por fortes chuvas e enchentes.

Antigo Parlamento em Trípoli, na Líbia. Foto: UNOCHA/Giles Clarke

Milhares se abrigam em clínicas em Trípoli; confrontos recentes já deixaram mais de 260 mortos

Três semanas após o começo de conflitos perto da capital líbia, Trípoli, a agência de saúde das Nações Unidas alertou que um grande número de pessoas está se abrigando em clínicas médicas, enquanto civis continuam sendo mortos e feridos. Segundo dados mais recentes, 264 pessoas foram mortas e 1.266 ficaram feridas.

Porta-voz da Agência Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) pediu acesso humanitário para milhares de refugiados e migrantes que podem estar presos em centros de detenção administrados pelo Estado ao sul da capital. Para responder às crescentes necessidades de cerca de 32 mil pessoas deslocadas pela violência, a OMS está recrutando mais equipes médicas especializadas em emergência para serem enviadas a hospitais em Trípoli.

À extrema esquerda, Michel Sidibé, chefe do UNAIDS, entrega mantimentos a sobrevivente do ciclone Idai. Foto: UNAIDS

Sobreviventes do ciclone Idai lembram desespero para salvar remédios em meio às enchentes

No Malauí, Sophia Naphazi teve sua casa destruída pelas inundações do ciclone Idai. Apesar dos danos a sua residência, a sobrevivente conseguiu salvar os seus medicamentos antirretrovirais, essenciais para o tratamento do HIV.

Ela e outros malauienses e moçambicanos se reuniram com o chefe do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS), Michel Sidibé, no assentamento de Bangula, no distrito de Nsanje, no sul do Malauí.

Crianças caminham por uma parte do centro de Craiter, em Aden, no Iêmen. A área foi seriamente danificada pelos ataques aéreos em 2015, quando os houthi foram expulsos da cidade pelas forças da coalizão. Foto: OCHA / Giles Clarke

Iêmen: plano para retirada de tropas de porto é aceito, mas confrontos aumentam em outras áreas

Um plano de retirada de forças de linhas da frente dentro e em torno do porto iemenita de Hodeida foi aceito por forças pró-governo e por rebeldes houthis, afirmou na semana passada (15) ao Conselho de Segurança o enviado especial das Nações Unidas para o país.

No entanto, a guerra que deixou 80% da população iemenita em necessidade de ajuda humanitária não mostra sinais de diminuição em outras partes do país, alertou Martin Griffiths.

O Kenneth é a primeira tempestade com intensidade de ciclone já registrada no nordeste do país. Imagem: OMM

ONU ajuda Moçambique a se preparar para chegada de novo ciclone

Agências da ONU anunciaram nesta quinta-feira (25) uma ampliação das medidas de emergência para apoiar Moçambique a enfrentar mais um ciclone, que já atingiu o nordeste do país. A tempestade tropical conhecida pelo nome Kenneth chegou pouco mais de um mês após a passagem do Idai pela nação africana.

“Estamos esperando que chuvas torrenciais provocarão enchentes súbitas e deslizamentos de terra, com impacto nas províncias do nordeste”, afirmou o porta-voz do Programa Mundial de Alimentos (PMA), Herve Verhoosel.

Moçambique começa a realocar vítimas do Ciclone Idai para comunidades próximas às suas residências originais. Foto: ACNUR/Alissa Everett

Moçambique: sobreviventes do Ciclone Idai começam retorno para áreas próximas de suas casas

Em Moçambique, a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), o governo e outras organizações parceiras iniciaram a realocação de famílias deslocadas pelo Ciclone Idai para áreas mais próximas de suas casas. No último final de semana, 200 famílias deixaram os abrigos na cidade central da Beira. Nos próximos dez dias, cerca de 70 mil pessoas devem sair de centros de residência montados em meio à catástrofe do mês passado.

Sobreviventes do ciclone Idai, que destruiu Moçambique no dia 14 de março, estão enfrentando um mundo de destruição enquanto recordam o terror que viveram. Mais de 1 mil pessoas morreram só em Moçambique, com outras mortes no Zimbábue e Malauí. “Estávamos lutando por nossas vidas na escuridão”, disse Antonio Momphasa, que mora em Buzi, a quase duas horas de barco da segunda maior cidade de Moçambique, Beira. Seu município foi duramente atingido pelo ciclone. A ONU e parceiros humanitários correm contra o tempo para apoiar a população local e evitar ainda mais perdas.

VÍDEO: ‘Estávamos lutando por nossas vidas na escuridão’, diz sobrevivente do ciclone Idai

Sobreviventes do ciclone Idai, que atingiu Moçambique no dia 14 de março, estão enfrentando um mundo de destruição enquanto recordam o terror que viveram. Mais de 1 mil pessoas morreram só em Moçambique, com outras mortes no Zimbábue e Malauí.

“Estávamos lutando por nossas vidas na escuridão”, disse Antonio Momphasa, que mora em Buzi, a quase duas horas de barco da segunda maior cidade de Moçambique, Beira. Seu município foi duramente atingido pelo ciclone.

A ONU e parceiros humanitários correm contra o tempo para apoiar a população local e evitar ainda mais perdas; confira nesse vídeo e saiba como ajudar.

Maria e sua família no abrigo em Boa Vista. Foto: ACNUR/ Victor Moriyama

Sem dinheiro para sustentar filhos na Venezuela, professora retoma vida em Boa Vista

Ao lado de sua família, a venezuelana Maria percorreu um longo caminho até Boa Vista (RR). No percurso, foi roubada e teve que dormir por um mês na rua com seu neto de 20 dias até conseguir ser acolhida em um abrigo apoiado pela Agência da ONU para Refugiados (ACNUR). Hoje, está reconstruindo sua vida, sendo uma das fundadoras de um projeto de educação para crianças.

Professora há 16 anos, Maria, de 45 anos, dava aula em uma cidade rural da Venezuela até que viu seu salário mensal equivaler a 60 reais por conta da inflação. Sem meios para sustentar a família, ela deixou tudo para trás em busca de uma vida digna e segura. Emocionada, compartilhou com o ACNUR como tomou a decisão impossível que envolveu deixar dois filhos para trás. Leia o relato completo.

A brasileira Eloá Prado, de 33 anos, trabalha há dez meses como assistente de proteção da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) em Pacaraima, na fronteira entre Brasil e Venezuela. Foto: ACNUR/Victor Moriyama

Funcionária da ONU em Pacaraima relata momentos marcantes do acolhimento de venezuelanos

A brasileira Eloá Prado, de 33 anos, trabalha há dez meses como assistente de proteção da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) em Pacaraima, na fronteira entre Brasil e Venezuela. Ao longo dos últimos meses, ela já viveu momentos intensos por conta da situação na Venezuela. Na cidade, ela compartilhou alguns momentos marcantes de seu trabalho no ACNUR salvando vidas.

“Ao longo desses dez meses de operação, tenho uma coletânea de histórias marcantes. Foram nascimentos, restauração de laços familiares, empoderamento e superação, além de confrontação com a miséria humana. Ver uma mãe que não conseguia amamentar seu filho porque estava desnutrida me abalou. Ver a fome, mesmo com tanto desenvolvimento no mundo, mexe comigo.” Leia o relato completo.

A rua em que Heni vivia. Foto: ACNUR/Christopher Reardon

ARTIGO: Passei pela sua casa na Síria hoje, mas ninguém estava lá

Em carta, o chefe de conteúdo multimídia da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), Christopher Reardon, fala sobre sua ida a Homs, na Síria, onde visitou as ruínas do que um dia foi a casa de seu amigo Hani Al Muliam, que hoje vive como refugiado no Canadá.

“Na sua rua, não havia nenhum cachorro ou gato perdido. Nem mesmo pássaros. O único som era o zumbido distante de uma serra cortando metal. Seu bairro, Hani, é uma cidade-fantasma”, contou.

Após oito anos de conflito, metade da população do país saiu de casa. Hoje, 5,6 milhões de sírios ainda estão vivendo como refugiados em países vizinhos. Outros milhões continuam deslocados dentro da Síria. Leia a carta completa.

Fazendo fronteira com Sudão do Sul e República Democrática do Congo, Haut-Mbomou é a província mais afetada pelo HIV na República Centro-Africana. Foto: UNAIDS

Missão da ONU destaca necessidade de ação urgente para HIV na República Centro-Africana

Fazendo fronteira com Sudão do Sul e República Democrática do Congo, Haut-Mbomou é a província mais afetada pelo HIV na República Centro-Africana, com a prevalência do vírus em 11,9%, em comparação com uma média nacional de 4%.

Alertados por relatos de falta persistente de medicamentos, atendimento precário e barreiras de acesso a serviços de saúde e HIV devido à insegurança, uma missão conjunta do Ministério da Saúde da República Centro-Africana, Conselho Nacional de AIDS, Organização Mundial da Saúde (OMS), Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) e Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) visitaram Haut-Mbomou de 8 a 12 de abril.

Localizada a 1.000 km da capital Bangui, a província é uma das mais carentes em serviços sociais e de saúde. Metade dos serviços de saúde da província estão fechados devido à falta de profissionais ou instalações degradadas.

Refugiado congolês Kitungano Kinga ajuda uma mulher afetada pelo Ciclone Idai a carregar seus pertences para um centro de realocação em Beira, Moçambique. Foto: ACNUR/Luiz Fernando Godinho

Refugiados congoleses ajudam sobreviventes do ciclone Idai em Moçambique

Em Moçambique, dois jovens congoleses estão na linha de frente da resposta humanitária aos desdobramentos do ciclone Idai. Kinga e Kevin se voluntariaram para ajudar as pessoas afetadas pela tempestade na cidade portuária de Beira.

Para a dupla, o trabalho é uma forma de retribuir a solidariedade dos moçambicanos, que acolheram os congoleses quando esses deixaram seu país de origem em busca de segurança. O relato é da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR).