Seca ameaça população síria, que já sofre com três anos de guerra, alerta novo relatório da ONU

Em março, Programa Mundial de Alimentos distribuiu ajuda humanitária para 4 milhões de sírios, um recorde para a agência. Porém, caso não chova, este número pode aumentar drasticamente.

Sírios recebem alimentos do PMA. Foto: PMA/Dina Elkassaby

Em relatório divulgado nesta quarta-feira (8) pelo Programa Mundial de Alimentos (PMA), a agência declarou que assistiu um número recorde de pessoas em março: 4 milhões de sírios receberam ajuda. Mas, o PMA alerta, a situação pode ainda piorar devido a secas que ameaçam o país.

“Foram necessários tremendos esforços do PMA e de seus parceiros para atingir a marca de 4 milhões em março”, disse o coordenador da agência para a crise síria, Muhannad Hadi. “Entretanto, tememos que a possibilidade de secas – caso as chuvas não comecem – ponha a vida de outros milhões em risco.”

O relatório “Foco Especial Síria” mostra que, desde setembro, os índices pluviômetros têm estado na metade da média, o que impacta gravemente a colheita de cereais. Com apenas um mês para o fim da estação chuvosa, que dura até meados de maio, é improvável que haja qualquer recuperação agrícola significativa no país arrasado pela guerra civil.

“A Síria passou por cinco anos de seca antes do conflito começar”, disse Hadi, “e comunidades nas áreas afetadas mal tiveram tempo para se recuperar antes de serem atingidas pelos confrontos.”