Saneamento é ‘sonho distante’ para milhões de brasileiros

Reportagem da TV ONU mostra como foi a passagem da relatora especial das Nações Unidas para o direito à água e saneamento, Catarina de Albuquerque, pelo Brasil.

Relatora especial das Nações Unidas para o direito à água e saneamento, Catarina de Albuquerque vistou o Brasil em dezembro de 2013 e lembrou que 52% da população ainda não tem coleta de esgoto e somente 38% do esgoto recolhido é tratado.

Ela se reuniu com diversas autoridades e organizações da sociedade civil, além de conversar com a população nas cidades onde esteve – Brasília, Rio de Janeiro, São Paulo, Fortaleza e Belém.

“Ninguém deve ser deixado de lado”, afirmou Catarina de Albuquerque no final da missão, destinada a avaliar os progressos e desafios que o país ainda enfrenta na realização dos direitos humanos à água e saneamento.

Menino no Complexo do Alemão, no Rio, em dezembro de 2013, observando a visita da relatora especial das Nações Unidas para o direito à água e saneamento, Catarina de Albuquerque. Foto: reprodução do vídeo

Menino no Complexo do Alemão, no Rio, em dezembro de 2013, observando a visita da relatora especial das Nações Unidas para o direito à água e saneamento, Catarina de Albuquerque. Foto: reprodução do vídeo

A perita congratulou-se com os significativos progressos alcançados pelo Brasil na realização dos direitos à água e saneamento. “Mas o Brasil é um pais de contrastes”, disse a relatora especial.

“Fiquei chocada com a miséria que observei e com a falta de acesso ao saneamento por segmentos significativos da população. Trata-se fundamentalmente de pessoas que vivem nas favelas e em áreas rurais.”

Assista à reportagem da série da TV da ONU, “Século 21”, em http://youtu.be/sQX2-5AO2ow

Leia a matéria em http://bit.ly/19AlUzZ