Rússia denuncia manobra de países ocidentais para ampliar influência nos Bálcãs

Em pronunciamento na Assembleia Geral da ONU, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, acusou países ocidentais de usarem de “chantagem política, pressão econômica e força bruta”, com o intuito de se autoproclamarem “líderes mundiais”. Dirigente denunciou autoridades europeias e norte-americanas por tentarem ampliar sua influência nos Bálcãs por meio da Organização do Tratado do Atlântico Norte, a OTAN.

Ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, na Assembleia Geral da ONU. Foto: ONU/Manuel Elias

Ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, na Assembleia Geral da ONU. Foto: ONU/Manuel Elias

Em pronunciamento na Assembleia Geral da ONU, na última sexta-feira (28), o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, acusou países ocidentais de usarem de “chantagem política, pressão econômica e força bruta”, com o intuito de se autoproclamarem “líderes mundiais”. Dirigente denunciou autoridades europeias e norte-americanas por tentarem ampliar sua influência nos Bálcãs por meio da Organização do Tratado do Atlântico Norte, a OTAN.

Para o chanceler russo, a comunidade internacional está pagando um “preço alto” pelas “ambições paroquiais e egoístas” de algumas nações que questionam, por exemplo, o Acordo de Paris e o tratado nuclear com o Irã.

“Ouvimos discursos bem altos que não apenas questionam a validade legal dos tratados internacionais, mas também declaram a prioridade de abordagens unilaterais e egoístas em detrimento das decisões tomadas no âmbito das Nações Unidas”, afirmou Lavrov.

O dirigente descreveu como “revisionismo beligerante” a decisão dos Estados Unidos de sair do acordo nuclear com o Estado iraniano. Lavrov também denunciou ataques aos princípios mais básicos do processo de paz no Oriente Médio. O chanceler criticou ainda a renúncia dos compromissos firmados dentro da Organização Mundial do Comércio e junto ao Acordo de Paris.

“Estamos preocupados com o desejo de abrir ainda mais uma linha de confronto na Europa. Dessa vez, nos Bálcãs. Os Estados da região estão sendo insistentemente atraídos para a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN)”, afirmou o ministro.

Na avaliação de Lavrov, lideranças europeias e dos Estados Unidos “repetem o mantra da inadmissibilidade de qualquer interferência em seus assuntos domésticos”, mas estão defendendo a entrada de países balcânicos na OTAN.

Segundo o chanceler, a presença militar internacional no Kosovo, autorizada pelo Conselho de Segurança, está sendo transformada numa base militar dos EUA.

“A Rússia continua a fazer seu melhor para construir um mundo com base na lei, na verdade e na justiça”, enfatizou Lavrov.

“Espero que a cultura do diálogo mutuamente respeitoso vá finalmente prevalecer. A Rússia fará o máximo para promover esse objetivo.”


Comente

comentários