Risco de febre amarela ameaça mais de 120 milhões no oeste da África

A falta de financiamento ameaça o fornecimento de vacinas de imunização contra a febre amarela no oeste da África. Na Nigéria e em Gana, 120 milhões de pessoas correm o risco de contrair a doença caso não sejam vacinadas, o que significa que os dois países podem ficar de fora da lista de próximas campanhas de saúde.

Mosquitos como os que transmitem febre amarela crescem em água parada. Foto: UN.Um constante déficit no orçamento pode expor mais de 120 milhões de pessoas na Nigéria e em Gana ao risco de contrair febre amarela caso não sejam vacinadas. O alerta foi dado nesta quarta-feira (16) por agências da ONU e seus parceiros na região. A falta de financiamento ameaça o fornecimento de imunização, o que significa que as duas nações podem ficar de fora da lista das próximas campanhas de saúde.

Nos últimos três anos, campanhas pela região protegeram 61 milhões de pessoas da febre amarela, que é causada por um vírus transmitido por mosquitos. A doença é endêmica em áreas de floresta e a população corre grande risco no fim da estação chuvosa. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), ocorrem aproximadamente 200 mil casos por ano, ocasionando cerca de 30 mil mortes.

Embora a capacidade de produzir vacinas para febre amarela tenha triplicado na última década para que até 90 milhões de doses pudessem ser fabricadas por ano, a falta de financiamento provavelmente resultará na realocação do abastecimento disponível e na diminuição da produção. Apelos foram feitos para que a reserva global seja mantida para atender os surtos e alcançar as populações em risco. Fabricantes de vacina indicaram estar dispostos a aumentar a produção, caso haja comprometimento em comprar esse total.

Cerca de 50 milhões de pessoas já estão imunes à febre amarela no oeste da África, sendo que 14 milhões foram protegidas através de uma ação emergencial global iniciada em 2007. Há uma campanha de imunização em andamento em Guiné, alcançando uma população de 6,2 milhões de pessoas. O objetivo também é atingir 15 milhões de pessoas em Costa do Marfim até o fim deste ano. Porém, o financiamento não foi assegurado para campanhas em massa em 2011.