Reunião na OPAS/OMS agrupa especialistas para avaliar resultados do Mais Médicos no Brasil

Grupo teria foco no acompanhamento e avaliação da oferta de serviços emergenciais de médicos do programa no Brasil.

Médico cubano trabalha no estado de Pernambuco. Foto: OPAS

Médico cubano trabalha no estado de Pernambuco. Foto:OPAS

Os representantes do Ministério da Saúde, da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS/OMS) do Brasil e da sede da organização em Washington se reúnem desde quarta à sexta-feira (16 a 18) para avaliar os resultados do programa Mais Médicos. A reunião tem objetivo de instalar uma equipe de especialistas externos que realizarão o monitoramento e avaliação do projeto de cooperação Mais Médicos, na sede da OPAS/OMS do Brasil, em Brasília.

Segundo o representante da OPAS/OMS no Brasil, Joaquín Molina, a organização identificou 11 mil médicos cubanos em seis meses, passando por processos de seleção e planejamento. A agência da ONU também é responsável pela divulgação de dados administrativos e financeiros do programa pela internet.

O diretor do Departamento de Planejamento e Regulação da Provisão de Profissionais de Saúde do Ministério da Saúde, Felipe Proenço, enfatizou a necessidade de mais profissionais da área de saúde no Brasil. O diretor explicou que o baixo número de médicos, a falta de vagas para a graduação e residência e a desigualdade de distribuição dentro do país tornou necessária a existência do programa Mais Médicos.

Ainda, Proenço destacou os três eixos de atuação do Programa: a ampliação e melhoria da infraestrutura das unidades de saúde; oferta de serviços de emergência, com editais de chamadas nacionais e internacionais e a mudança na formação dos médicos brasileiros, deslocando o foco da medicina da cura para a prevenção, e a expansão de vagas de graduação e residência realizada pelo Ministério da Saúde em parceria com o Ministério da Educação.