Reunião de FAO e parceiros quer fim da fome na África até 2025

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Mesmo com avanços na economia, continente ainda tem 239 milhões de pessoas desnutridas, cerca de um quarto de toda sua população. Ex-presidente brasileiro Lula participou de encontro.

Lula discursa na abertura oficial de encontro de alto nível sobre segurança alimentar na África. Foto: Ricardo Stuckert/Instituto Lula

Lula discursa na abertura oficial de encontro de alto nível sobre segurança alimentar na África. Foto: Ricardo Stuckert/Instituto Lula

Em três reuniões realizadas pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), pela União Africana (UA) e pelo Instituto Lula, líderes internacionais se reuniram em Adis Abeba, Etiópia, pelo fim da desnutrição e da fome na África.

No sábado (29), houve reunião com mais de cem representantes da sociedade civil, setor privado, cooperativas e outros atores não governamentais. No domingo (30), o encontro foi de ministros, enquanto na segunda-feira (1) aconteceu a reunião de chefe de Estados sob o tema “Novos enfoques unificados para acabar com a fome na África”.

Segundo a FAO, a fome no continente motivou os três organizadores do evento a se aliar por um enfoque unificado para acabar com a desnutrição na região até 2025 como parte do Programa de Desenvolvimento Agrícola Detalhado da África (CAADP, em inglês).

Cerca de 15 chefes de Estado e de Governo responderam positivamente ao convite para participar da reunião e agregar valor ao CAADP, ao compartilhar conhecimentos no investimento para pessoas vulneráveis.

O CAADP busca dentre outros objetivos eliminar a fome e a pobreza até 2025, reduzir a fome em 40% até 2017 em alguns países, priorizar a eliminação da inanição, especialmente entre crianças abaixo de 2 anos, e oferecer nutrição a mulheres grávidas e pequenas crianças.

Segundo a agência da ONU, apesar da maioria dos países da África estarem vivenciando um crescimento econômico de proporções sem precedentes, assim como indicadores de melhoria na governança e no desenvolvimento humano na última década, o continente tem 239 milhões de pessoas desnutridas, cerca de um quarto de toda sua população.

A reunião está coletando experiências de diferentes países, tais como Malauí, Angola, Etiópia, Níger, China, Vietnã e Brasil. Segundo a FAO, ao combinar investimentos na agricultura com políticas de proteção social e de crescimento do desenvolvimento inclusivo, muitos países conseguiram reduzir a fome e a pobreza. O Brasil retirou 36 milhões de pessoas da pobreza extrema nos últimos dez anos.

“A fome não será erradicada a menos que nós incluamos os pobres no orçamento do governo. Eu estou convencido de que acabar com a fome só será possível se isso se transformar em uma política de Estado. O compromisso da sociedade civil é também importante para o sucesso desse processo”, disse o fundador e presidente honorário do Instituto Lula, o ex-presidente do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva.


Comente

comentários