Resposta internacional à crise humanitária no Mali está severamente subfinanciada, afirma ACNUR

Agência recebeu 49,9 milhões de dólares dos 153 milhões necessários para a operação de emergência. Cerca de 257 mil pessoas já deixaram o país e 174 mil estão deslocadas.

Em visita a Burkina Fasso nesta quinta-feira (2), o Chefe do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR), António Guterres, apelou por ajuda internacional aos refugiados que estão fugindo do Mali. Até o momento, a Agência recebeu 49,9 milhões de dólares dos 153 milhões necessários para a operação de emergência.

“Temos agora 257 mil refugiados do Mali passando por altissimo nível de sofrimento e privação”, relatou Guterres no campo Damba, casa para cerca de 1,2 mil refugiados do Mali em Burkina Fasso.

“Eles tiveram de cruzar as fronteiras de países muito pobres que têm problemas dramáticos de segurança alimentar: Nigéria, Mauritânia e Burkina Faso”, explicou o Alto Comissário. “Encontraram fantástica generosidade em seus países anfitriões, que estão compartilhando tudo que possuem com eles, mas não encontraram até agora a atenção da comunidade internacional.”

Em janeiro, os confrontos entre for;as do governo e rebeldes tuaregues acontecia no norte do Mali. A instabilidade e insegurança resultante de novos enfrentamentos, assim como a proliferação de grupos armados e a instabilidade política na esteira de um golpe de Estado em março levaram mais de 250 mil malianos a fugir para países vizinhos. Estima-se que haja 174 mil deslocados internos.