Resistência a antibióticos tem tornado alguns casos de gonorreia impossíveis de tratar, afirma OMS

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Mais de 78 milhões de pessoas são infectadas todo ano pela gonorreia, doença que está ficando cada vez mais difícil de tratar. Isso porque, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), ela tem se tornado mais resistente a antibióticos, o que leva à necessidade de melhores formas prevenção e tratamento.

Testes de gonorreia podem ser feitos com amostras de urina ou de fluidos corporais da ária onde há suspeita de infecção. Foto: OMS/G. Hampton

Testes de gonorreia podem ser feitos com amostras de urina ou de fluidos corporais da ária onde há suspeita de infecção. Foto: OMS/G. Hampton

Mais de 78 milhões de pessoas são infectadas todo ano pela gonorreia, doença que está ficando cada vez mais difícil de tratar. Isso porque, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), ela tem se tornado mais resistente a antibióticos, o que leva à necessidade de melhores formas prevenção e tratamento.

“A bactéria que causa a gonorreia é particularmente inteligente. Toda vez que usamos uma nova classe de antibióticos para tratar uma infecção, a bactéria evolui para resistir a eles”, disse Teodora Wi, médica assessora da área de Reprodução Humana da OMS.

Dados de 77 países mostraram que “a resistência a antibióticos está tornando a gonorreia – uma infecção sexualmente transmissível comum – muito mais difícil e algumas vezes impossível de tratar”, afirmou a agência da ONU.

A OMS observou que o último recurso de tratamento, a cefalosporina de amplo espectro, apresentou resistência em mais de 50 países. Como resultado, a agência emitiu recomendações atualizadas sobre o tratamento global em 2016, recomendando que os médicos receitem dois antibióticos: ceftriaxona e azitromicina.

O desenvolvimento de um novo antibiótico para a gonorreia “não é tão atrativo para a indústria farmacêutica”, afirmou a OMS, notando que apenas três drogas candidatas estão atualmente em fase de pesquisa e desenvolvimento.

A medicação é feita apenas por curtos períodos de tempo, diferentemente de outros remédios para doenças crônicas, e eles se tornam menos efetivos à medida que a doença desenvolve resistência. Segundo a agência, isso significa a que a oferta de novas drogas precisa sempre ser renovada.

A OMS ressaltou que a gonorreia pode ser prevenida com a prática de sexo seguro. Tem se apontado a diminuição do uso de preservativos, junto com o aumento de urbanização e das viagens, bem como a baixa taxa de detecção das infecções e tratamentos inadequados para estimados 78 milhões de indivíduos infectados a cada ano.

“Esses casos podem ser apenas a ponta do iceberg, uma vez que os sistemas para diagnosticar e relatar infecções intratáveis estão em falta nos países de baixa renda, onde a gonorreia é ainda mais comum”, disse Wi.

A agência alertou também que as mulheres estão em maior risco, já que a doença pode levar à inflamação pélvica, gravidez ectópica e infertilidade, além de aumentar a chance de contrair HIV.

No início do ano, a OMS anunciou uma classificação de antibióticos em três grupos – crítica, alta e média – a fim de preservar a eficácia daqueles utilizados “em último recurso”.


Mais notícias de:

Comente

comentários