Representantes da ONU no PAA África apresentam resultados do programa em Brasília

Representantes do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) África no Programa Mundial de Alimentos (PMA) e na Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) apresentam nesta semana ao governo brasileiro os resultados da segunda fase do programa.

O PAA África é uma iniciativa conjunta do governo brasileiro, do PMA e da FAO lançada em 2012 e implementada na Etiópia, Malaui, Moçambique, Níger e Senegal.

Oficina de Troca de Experiências do PAA África promove intercâmbio de conhecimento entre Malauí e Moçambique.
Foto: PAA África

Dois representantes do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) África visitam Brasília nesta semana (7 a 10 de março) para apresentar ao governo brasileiro como está a implementação da segunda fase do programa e discutir a continuidade da colaboração com o Brasil em iniciativas de alimentação escolar vinculada à agricultura familiar.

Gianluca Ferrera, coordenador do PAA África no Programa Mundial de Alimentos (PMA), e Florence Tartanac, coordenadora do PAA África na Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), apresentarão os resultados do monitoramento do programa e discutirão lições aprendidas, além de oportunidades e lacunas para aprofundar a assistência técnica. Representantes do Centro de Excelência contra Fome do PMA, do Departamento do Reino Unido para o Desenvolvimento Internacional (DFID), do escritório da FAO no Brasil e do Centro Internacional de Políticas para o Crescimento Inclusivo (IPC-IG) também participam dos encontros.

O PAA África é uma iniciativa conjunta do governo brasileiro, do PMA e da FAO lançada em 2012 e implementada na Etiópia, Malaui, Moçambique, Níger e Senegal. A primeira fase (2012-2013) apoiou agricultores e cooperativas para suprir adequadamente as escolas com alimentos produzidos localmente. A segunda fase (2014-2016) fortaleceu as operações de campo, promoveu atividades de aprendizagem e troca de conhecimentos, desenvolveu um sistema de monitoramento e realizou a avaliação do projeto em Malaui e no Senegal. Também ajudou a consolidar e ampliar atividades e fortalecer o interesse dos governos em se engajar na iniciativa para conectar agricultores familiares com a demanda da alimentação escolar. Além disso, os governos reconheceram a colaboração efetiva entre PMA e FAO e o apoio do Brasil.

A segunda fase inclui ainda consultas nacionais nos meses de março e abril com cada um dos países participantes. A ideia é ouvir representantes dos governos, parceiros e demais atores para promover maior diálogo e identificar oportunidades de apoio a programas nacionais de alimentação escolar vinculados à agricultura local e a outros programas de compras institucionais de alimentos.

O Centro de Excelência estará envolvido nesse processo, envolvendo os governos dos países africanos. As consultas nacionais são parte de uma estratégia mais ampla de construção de um marco de serviços e assistência técnica a governos em alimentação escolar vinculada à agricultura local e programas de compras institucionais. Esse marco se baseia nas capacidades e experiências do PMA, nos serviços e conhecimentos técnicos da FAO e nas boas práticas e canais de cooperação Sul-Sul do Centro de Excelência.