Relatório da ONU mostra que mulheres vivem mais e têm mais acesso à educação nos últimos 20 anos

Apesar de avanços, uma em cada três mulheres é vítima de violência sexual ou física. Número de queixas têm aumentado, mas cerca de 60% não chegam a registrar o crime.

Foto: ONU Mulheres/Fernando Bocanegra

Foto: ONU Mulheres/Fernando Bocanegra

Segundo relatório Mulheres do Mundo 2015 publicado pela Divisão de Estatística do Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas na terça-feira (20), os impactos da desigualdade entre homens e mulheres diminuíram nos últimos 20 anos, mas dados apontaram para a violência e discriminação de gênero.

De acordo com estudo, a expectativa de vida das mulheres aumentou, alcançando a média mundial de 72 anos, enquanto a dos homens é de 68. O número de mortes durante o parto reduziu 45% entre 1990 e 2013. A quantidade de meninas que se casam precocemente também apresentou queda, refletindo o maior acesso à educação por parte das mulheres.

No entanto, o relatório mostra que mais de uma em cada três mulheres foi vítima de violência física ou sexual. Mais mulheres têm prestado queixa contra casos de violência, mas 60% das vítimas não registram os crimes.

Mulheres se concentram em trabalhos que pagam menos e ganham em média 70% a 90% do valor do salário dos homens. Devido às divisões de trabalho pago e não pago, em muitos países, mulheres não alcançaram a independência financeira.

Lançado após a adoção dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), o documento ressalta a necessidade de alcançar a igualdade de gênero proposta no objetivo 5 da Agenda 2030.

Veja o relatório na íntegra aqui.