Relatório da ONU mostra formas de gerar investimentos para ação climática nas cidades

Mobilizar investimentos em infraestrutura de baixa emissão de carbono e resiliente ao clima é necessário principalmente nas áreas urbanas, responsáveis por 70% da liberação de gases de efeito estufa relacionada à energia.

Vista área de São Paulo, uma das grandes megalópoles do mundo. Foto: Wikicommons/Ana Paula Hirama (CC)

Vista área de São Paulo, uma das grandes megalópoles do mundo. Foto: Wikicommons/Ana Paula Hirama (CC)

Relatório apresentado nesta sexta-feira (4) pelo secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, e parceiros internacionais oferece cinco recomendações sobre a mobilização de investimentos em infraestrutura urbana de baixa emissão de carbono e resiliente ao clima. O estudo foi lançado em Paris, na França.

Publicado pela Aliança de Liderança em Financiamento Climático de Cidades, o documento analisa os obstáculos que muitas cidades enfrentam na obtenção de financiamento para a execução de projetos. Inclui, entre os pontos abordados, a incerteza sobre políticas regulatórias e fiscais, falta de conhecimento em desenvolvimento de projetos, falta de controle sobre planejamento de infraestrutura, alto custo de transação e falta de modelos de investimento testados na cidade e em nível regional.

Entre as recomendações está a ideia de estimular governos nacionais a adotar políticas e incentivos para que as cidades invistam em baixa emissão de gases de efeito estufa e na construção de infraestrutura resiliente. O documento usa o exemplo do ICMS Ecológico no Brasil. O ICMS, ou “Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços”, passou a arrecadar por meio dos Estados uma parcela para preservação ambiental.

Outras sugestões são aumentar as facilidades no investimento em projetos de ação climática considerados vantajosos e criar uma rede de laboratórios para inovar instrumentos financeiros e modelos de investimento.

Segundo o Banco Mundial, as áreas urbanas são responsáveis por mais de 70% das emissões de CO2 relacionadas à energia, e as cidades produzem de 37 a 49% das liberações de gases de efeito estufa do mundo. Estima-se ainda que mais de 80% dos custos anuais globais em adaptação às mudanças climáticas sejam gerados pelas áreas urbanas. Saiba mais sobre o estudo clicando aqui.