Relatora da ONU alerta para escalada de violência em Mianmar

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Alertando para uma forte escalada das hostilidades na província de Kachin, em Mianmar, uma especialista em direitos humanos da ONU pediu na terça-feira (1) que todas as partes garantam maior proteção aos civis.

Segundo a imprensa internacional, o conflito em Kachin envolve insurgentes que fazem parte da minoria que batiza o estado. Há anos o país enfrenta confrontos entre o governo central, dominado pela maioria budista, e diferentes grupos étnicos e religiosos.

Nesta semana, o Conselho de Segurança da ONU concluiu missão em Bangladesh e Mianmar, verificando de perto o sofrimento de centenas de milhares de refugiados rohingya que atravessaram a fronteira entre os dois países para escapar da violência.

Delegação de membros do Conselho de Segurança da ONU reúne-se com líderes das forças armadas de Mianmar para discutir violência no país. Foto: UNIC Yangon

Delegação de membros do Conselho de Segurança da ONU reúne-se com líderes das forças armadas de Mianmar para discutir violência no país. Foto: UNIC Yangon

Alertando para uma forte escalada das hostilidades na província de Kachin, em Mianmar, uma especialista em direitos humanos da ONU pediu na terça-feira (1) que todas as partes garantam maior proteção aos civis.

Segundo informações recebidas pela relatora, os militares realizaram bombardeios aéreos e utilizaram artilharia pesada em áreas civis perto da fronteira com a China.

Segundo a imprensa internacional, o conflito em Kachin envolve insurgentes que fazem parte da minoria que batiza o estado. Há anos o país enfrenta confrontos entre o governo central, dominado pela maioria budista, e diferentes grupos étnicos e religiosos.

“Civis inocentes estão sendo mortos e feridos, e centenas de famílias estão agora fugindo para salvar suas vidas”, disse Yanghee Lee, relatora especial da ONU para a situação dos direitos humanos em Mianmar.

“O que estamos vendo em Kachin nas últimas semanas é totalmente inaceitável e precisa parar imediatamente.”

De acordo com informações das Nações Unidas, mais de 5 mil civis foram deslocados de vilarejos perto da fronteira com a China nas últimas três semanas. Crianças, grávidas, idosos e pessoas com deficiência estão entre os deslocados.

Em comunicado, a relatora da ONU reiterou que todas as partes no conflito precisam seguir a lei humanitária internacional e tomar precauções para não prejudicar civis.

Em março, a atenção do mundo esteve focada na situação da crise de refugiados rohingya no estado de Rakhine, mas a relatora alertou também para a situação em Kachin, Shan e outras áreas afetadas por conflitos em Mianmar.

“No estado de Kachin, onde violência esporádica e assassinatos intermitentes têm sido a norma nos últimos anos, houve um aumento da frequência e intensidade dos confrontos entre as forças armadas do país e o Exército pela Independência de Kachin desde outubro de 2017, resultando em mortes e no deslocamento de população civil”, disse a relatora em documento enviado ao Conselho de Direitos Humanos.

Conselho de Segurança realiza missão em Bangladesh e Mianmar

O Conselho de Segurança da ONU concluiu esta semana sua missão em Bangladesh e Mianmar, verificando de perto o sofrimento de centenas de milhares de refugiados rohingya que atravessaram a fronteira entre os dois países para escapar da violência.

Na segunda-feira (30), a delegação de diplomatas do Conselho formado por 15 países chegou à capital de Mianmar, Naypyidaw, para reuniões com a líder do país, Aung San Suu Kyi, e líderes das forças armadas, de acordo com o porta-voz da ONU, Stéphane Dujarric. Embaixadores também se reuniram com representantes da sociedade civil, do Parlamento e do Executivo.

Na terça-feira (1), os membros do Conselho viajaram ao estado de Rakhine, epicentro da crise de deslocamento em massa provocada pelo conflito entre residentes budistas do estado e muçulmanos rohingya que também vivem na região há décadas.

De acordo com a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), cerca de 671 mil refugiados rohingya fugiram da violência e de sérias violações de direitos humanos em Mianmar desde agosto do ano passado.

Na semana passada, o secretário-geral da ONU, António Guterres, anunciou a nomeação da suíça Christine Schraner Burgener como enviada especial a Mianmar, com o objetivo de fortalecer os esforços da Organização no apoio à paz e ao processo de reconciliação no país.

Na terça-feira (1), os membros do Conselho de Segurança pediram que os refugiados rohingya possam retornar com segurança ao seu país.

Em coletiva de imprensa, o representante permanente do Kuwait na ONU, Mansour Ayyad Al-Otaibi, pediu a total implementação de um acordo entre os governos de Mianmar e de Bangladesh para o retorno dos refugiados.

“Vimos que o governo de Mianmar tomou muitos passos para implementar o acordo, mas acredito que mais precisa ser feito”, disse. “O que realmente queremos é acelerar o processo de retorno dos refugiados de forma segura, voluntária e digna”, acrescentou.

Os membros do Conselho de Segurança também pediram que a comunidade internacional continue apoiando o trabalho que está sendo feito pelas agências humanitárias e da ONU no sul de Bangladesh, em nome das centenas de milhares de refugiados vulneráveis vivendo na região.

Mulheres e crianças aguardam ajuda em Cox's Bazar, Bangladesh, onde vivem 1 milhão de refugiados rohingya. Foto: OIM/Olivia Headon

Mulheres e crianças aguardam ajuda em Cox’s Bazar, Bangladesh, onde vivem 1 milhão de refugiados rohingya. Foto: OIM/Olivia Headon

Temporada de tempestades ameaça campos de refugiados

As vidas de dezenas de milhares de refugiados rohingya estão em risco na medida em que a temporada de tempestades e ciclones ameaça os campos no sul de Bangladesh, alertou a agência da ONU para as migrações na sexta-feira (27), pedindo apoio financeiro urgente para preparar a área contra inundações e deslizamentos.

Sem novo financiamento, dezenas de milhares de pessoas que estão nos campos, fugindo da violência em Mianmar, estarão em risco, disse a Organização Internacional para as Migrações (OIM).

“Não podemos esperar que o financiamento chegue depois de a emergência acabar e possivelmente depois de uma tragédia que poderia ser evitada”, disse John McCue, coordenador de operações da OIM em Cox’s Bazar, em Bangladesh.

Quase 1 milhão de refugiados rohingya vivem no distrito de Cox’s Bazar sob lonas, em declives íngremes e arenosos — 25 mil dos quais vivendo em locais com maior risco de deslizamentos de terra.

Sem ajuda, muitos terão de permanecer nessas perigosas localidades e centenas de milhares de outros estão sob risco se as estradas se tornarem intransitáveis, bloqueando o acesso à ajuda e a serviços médicos.


Mais notícias de:

Comente

comentários