Relator Especial da ONU pede apoio para a justiça no Haiti

Observando processo judicial contra Jean-Claude Duvalier, especialista das Nações Unidas pediu à comunidade internacional que permita que a justiça siga seu curso na nação caribenha.

Mulheres trabalham nas eleições de novembro de 2010, em colégio eleitoral em Croix-des-Bouquets, HaitiObservando o processo judicial em curso contra Jean-Claude Duvalier, ex-líder haitiano que retornou ao seu país de origem no início desta semana, o especialista das Nações Unidas sobre os direitos humanos no Haiti, Michel Forst, pediu à comunidade internacional que permita que a justiça siga seu curso na nação caribenha.

“Em um momento em que a comunidade internacional reforça o seu apoio ao restabelecimento do Estado de Direito no Haiti, um firme apoio à luta contra a impunidade para os crimes graves seria um bom sinal para enviar ao povo do Haiti, em especial para as vítimas e suas famílias”.

Forst disse que, entre 1986 e 2008, vários processos judiciais foram iniciados pelo sistema de justiça haitiano contra Duvalier por crimes contra a humanidade, tortura, crimes financeiros e atos de traição, o que justificaria uma prisão.

Duvalier, que retornou ao Haiti no domingo, após 25 anos no exílio, teria sido interrogado e liberado pelas autoridades do Haiti na terça-feira (18/1), após ser acusado de corrupção, malversação de fundos e associação ilícita.

Os peritos independentes, ou os relatores especiais, são nomeados pelo Conselho de Direitos Humanos para examinar e relatar sobre a situação de um país ou de um tema específico de direitos humanos. Os cargos são honorários e eles não são funcionários das Nações Unidas nem são pagos por seu trabalho.