RDC: Vítimas de estupro em massa podem enfrentar o mesmo abuso agora por parte do exército

Centenas de mulheres que foram estupradas por rebeldes na República Democrática do Congo (RDC) há quase três meses, alegam enfrentar o mesmo abuso por parte das tropas do governo, alertou a Representante Especial do Secretário-Geral da ONU sobre Violência Sexual em Conflito, Margot Wallstrom.

Centenas de mulheres que foram estupradas por rebeldes na República Democrática do Congo (RDC) há quase três meses, alegam enfrentar o mesmo abuso por parte das tropas do governo, alertou a Representante Especial do Secretário-Geral da ONU sobre Violência Sexual em Conflito, Margot Wallstrom.

“Há algumas informações da Missão de Paz da ONU no país (MONUSCO) que corroboram que estupros, assassinatos e saques tenham sido perpetrados pelos soldados da FARDC (exército do Governo)”, disse Wallstrom .

No mês passado, uma equipe de direitos humanos da ONU confirmou que mais de 300 civis foram estuprados entre os dias 30 de julho e 2 de agosto na região de Walikale, no leste da RDC, por membros de grupos armados, incluindo os Mai Mai Cheka e as Forças Democráticas para a Libertação do Ruanda (FDLR).

Relatando sua recente visita a Walikale, a Representante Especial pediu ao Conselho de Segurança que desse recursos financeiros adequados a MONUSCO para poder cumprir o seu mandato, que inclui a proteção dos civis. “Testemunhei a determinação dos membros da Missão em fazer tudo o possível para proteger civis “, ressaltou. “Mas a realidade é que eles estão sobrecarregados e com poucos recursos. Estão desmoralizados pela própria escala do problema e pelo bombardeio constante de críticas. As pessoas que integram a Missão são homens e mulheres dedicados que estão fazendo grandes sacrifícios para servir. Eles merecem a nosso apoio”.

Os estupros em massa demonstram o nexo entre a exploração ilegal de recursos naturais por grupos armados e a violência sexual, sendo que as comunidades que se encontram numa área de mineração lucrativa estão particularmente em risco. “A riqueza mineral que deve ser fonte de sua prosperidade, em vez disso, é a fonte de seus maiores sofrimentos”, disse Wallstrom.