Quase 10 mil casos de cólera notificados no Haiti

O Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários informou ontem (10/11) que 9.971 casos de cólera, incluindo 643 mortes, foram confirmados no Haiti, citando dados fornecidos pelo governo, que também disse que casos da doença foram identificados na capital, Porto Príncipe.

A maioria das pessoas faz uso das águas do Rio Artibonite, que se acredita ser a origem da epidemia de cólera no Haiti. Foto: ONU.O Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) informou ontem (10/11) que 9.971 casos de cólera, incluindo 643 mortes, foram confirmados no Haiti, citando dados fornecidos pelo governo, que também disse que casos da doença foram identificados na capital, Porto Príncipe.

As condições sanitárias deficientes em muitas partes do país, inundações e enxurradas de lama associadas ao furacão Tomas, que passou pela nação caribenha no último fim de semana, são suscetíveis a acelerar a disseminação da doença, declarou o OCHA.

A cólera até agora foi confirmada em seis departamentos (divisões administrativas) e as organizações humanitárias têm mobilizado recursos desde o início do surto, em outubro, para apoiar os preparativos do governo para o pior cenário – uma epidemia nacional.

Existem hoje 15 centros de tratamento da cólera em todo o país, e os hospitais públicos e privados do país também foram equipados para ajudar, de acordo com o OCHA. As equipes de avaliação são determinantes onde os centros de tratamento adicional podem ser necessários, inclusive em áreas rurais.

Uma campanha informacional pública em larga escala para conscientizar as pessoas sobre o que eles têm de fazer para evitar a cólera ou uma infecção intestinal aguda causada por água ou alimentos contaminados tem sido eficaz, de acordo com avaliação inicial. Recursos logísticos e financeiros adicionais significativos serão necessários nas próximas semanas para manter a resposta à cólera e os esforços de prevenção em curso, afirmou o OCHA.