Protocolo da ONU para redução de gases nocivos à camada de ozônio completa 25 anos e 98% da meta

Secretário-Geral da ONU acredita que a camada poderá se recuperar nas próximas cinco décadas. Brasil eliminou gases altamente nocivos três anos antes do prazo previsto.

25 anos do Protocolo de MontrealO Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, elogiou os esforços da comunidade internacional em proteger a atmosfera, observando que com a eliminação global de 98% dos gases que destroem a camada de ozônio, a esfera gasosa que protege a Terra dos raios solares, agora está em um bom caminho para se recuperar ao longo das próximas cinco décadas.

A ONU celebrou no domingo (16) o Dia Internacional de Proteção da Camada de Ozônio e também os 25 anos do Protocolo de Montreal, que traçou metas para reduções de gases nocivos à camada de ozônio na atmosfera.

“[O Protocolo] não é meramente um sucesso em atingir seus objetivos imediatos, ele oferece lições e inspiração importantes para enfrentar outros desafios globais e transformá-los em oportunidades de progresso comum”,  disse Ban em sua mensagem sobre o Dia.

O Secretário-Geral, no entanto, lembrou que os desafios propostos pelo Protocolo ainda não acabaram. “Os governos devem manter seu compromisso para terminar o trabalho e evitar problemas adicionais. O uso de hidrofluorcarbonetos [HFCs] – substâncias químicas “amigas” do ozono mas que também são poderosos gases de efeito estufa –está crescendo rapidamente para substituir substâncias destruidoras de ozônio”.

Brasil avança

Representante Residente do PNUD no Brasil, Jorge Chediek, e Ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira. Foto: PNUD

No Brasil, o Dia foi lembrando em uma cerimônia sexta-feira (14), em Brasilia, da qual participaram a Ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, e o Representante Residente do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) no Brasil, Jorge Chediek, entre outras autoridades.

“Dentro deste acordo global, o Brasil tem se mostrado moderno. O país agora tem condições de criar novas tecnologias e estar à frente nessa parceria”, disse o Representante.

Na atividade foram apresentadas ações e resultados de projetos implementados através do Protocolo de Montreal no Brasil e feita a entrega de certificados às empresas beneficiadas pelo Projeto de Refrigeração Comercial do PNUD. “Para enfrentar o problema da mudança climática, todos os setores da sociedade devem participar e dar a sua contribuição”, acrescentou Chediek.

PNUD apoiou redução no consumo de 10 mil toneladas de gases altamente nocivos

O país concluiu a eliminação dos CFCs (clorofluorcarbonos) – gases de alto poder de destruição da camada de ozônio – em janeiro de 2007, três anos antes do previsto. Nos últimos 15 anos, o trabalho desenvolvido pelo PNUD e pelo governo brasileiro, com recursos do Fundo Multilateral para Implementação do Protocolo de Montreal, conseguiu suspender o consumo anual de 10 mil toneladas de CFCs, evitando o equivalente à emissão de 50 milhões de toneladas de gás carbônico na atmosfera.

Para a Ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, o Protocolo de Montreal é resultado de um trabalho de cooperação e obteve sucesso porque envolveu a sociedade e o setor produtivo. “Agora o comerciante pode ter orgulho de dizer que participou da causa e afirmar que o seu produto é sustentável”, afirmou a Ministra durante o evento. “Obtivemos sucesso e agora o desafio é implementar o legado da Rio+20”, concluiu.