Protestos no Peru: Especialista da ONU sobre direitos indígenas pede diálogo

O Relator Especial das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas pediu um diálogo pacífico para resolver os conflitos mortais relacionados à mineração e ao petróleo.

James AnayaO Relator Especial das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas, James Anaya, pediu hoje (06/07) ao Governo peruano e às lideranças indígenas no sudeste do país que mantenham um diálogo pacífico para resolver os conflitos mortais relacionados à mineração e ao petróleo. Pelo menos cinco pessoas foram mortas e mais de 30 ficaram feridas no mês passado após protestos na cidade de Juliaca, de acordo com uma declaração emitida por Anaya.

Relatos afirmam que os índios Aymara, que vivem no departamento de Puno, perto da fronteira do Peru com a Bolívia, têm protestado por semanas contra as operações de mineração na região, denunciando que estas poluirão suas terras ancestrais. Em sua declaração, o Relator destacou a necessidade de diálogo “de boa fé” entre o Governo e os líderes indígenas, bem como de que as autoridades consultem os povos indígenas para resolver quaisquer problemas associados à mineração.

“É necessário que todas as partes respeitem o direito à vida e outros direitos humanos fundamentais e garantam que os protestos legítimos dos indígenas pela defesa de seus direitos, bem como a resposta da aplicação da lei, não crie situações que ponham em perigo as vidas e a segurança de manifestantes e outros cidadãos”, disse Anaya. Ele pediu ainda que o Governo esclareça os conflitos mortais em Juliaca, no dia 24 de junho, “e proceda com diligência para investigar, processar e punir os responsáveis” pela morte de cinco pessoas.