Protagonista do filme Roma recebe título de Embaixadora da Boa Vontade da UNESCO

Primeira indígena mexicana indicada ao prêmio Oscar, Yalitza Aparicio, quer apoiar indígenas e promover os direitos da mulher. Roma foi o primeiro trabalho da jovem atriz, considerada pela revista norte-americana Time uma das 100 pessoas mais influentes do mundo em 2019.

Yalitza Aparicio recebeu na sexta-feira (4) o título de Embaixadora da Boa Vontade da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) para Povos Indígenas.

Com o título, a atriz ajudará a garantir a integração dos povos indígenas em todo o mundo, a concretização de seus direitos, e a proteção e a celebração do patrimônio cultural.

A atriz mexicana Yalitza Aparicio recebeu o título de Embaixadora da Boa Vontade da Unesco para Povos Indígenas. Foto: Unesco | Christelle Alix.

A atriz mexicana Yalitza Aparicio recebeu o título de Embaixadora da Boa Vontade da UNESCO para Povos Indígenas. Foto: UNESCO | Christelle Alix.

A atriz mexicana, Yalitza Aparicio, recebeu na sexta-feira (4) o título de Embaixadora da Boa Vontade da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) para Povos Indígenas.

A estreia de Aparicio no cinema ocorreu com o filme Roma, uma produção da Netflix, que lhe rendeu uma indicação na categoria de melhor atriz ao Oscar deste ano, considerado a mais importante premiação do cinema mundial.

Aprender com os povos tradicionais

Trabalhar pelas causas de povos indígenas e das mulheres são as áreas que a atriz se propõe abraçar em seu papel junto a UNESCO. Segundo ela, deve-se “aprender dos povos indígenas porque estes têm muito por ensinar”.

Filha de indígenas do estado de Oaxaca, localizado no sul do México, Aparicio conta que não sabe falar as línguas dos pais porque enfrentava preconceitos. O pai de Aparicio é de origem triqui e a mãe mixteca.

No filme Roma, dirigido pelo também mexicano Alfonso Cuarón, ela encarna a personagem Cleo, uma trabalhadora doméstica de uma família de classe média que vive na Cidade do México.

Em defesa dos direitos dos povos indígenas

Em Paris, em evento promovido pela UNESCO para receber o título, Yalitza Aparicio disse que tem orgulho de ser indígena. Como embaixadora, ela se junta a outras personalidades como o tenor espanhol Plácido Domingo.

Aparicio foi a primeira indígena mexicana a ser indicada ao Oscar. A revista americana Time incluiu a atriz na lista das 100 pessoas mais influentes do mundo em 2019.

Este ano, ela foi uma das figuras mais importantes na promoção do Dia Internacional dos Povos Indígenas, marcado em 9 de agosto, apoiando a campanha “Digo não ao racismo!”.

A atriz já participou de atividades da Comissão Mexicana de Defesa e Promoção dos Direitos Humanos. Ela também incentiva a educação infantil, ajudando a angariar fundos para escolas na cidade em que nasceu.

Embaixadora da UNESCO

Na UNESCO, Yalitza Aparicio ajudará a garantir a integração dos povos indígenas em todo o mundo, a concretização de seus direitos, a proteção e a celebração do patrimônio cultural.

Ela também deverá incentivar a inclusão do conhecimento indígena na gestão ambiental, na preservação da biodiversidade, na adaptação às mudanças climáticas, e na igualdade de acesso à educação para os povos indígenas.