Projeto sobre prevenção da gravidez na adolescência terá ações no Paraná em 2020

Em 2020, o projeto Prevenção e Redução da Gravidez Não Intencional na Adolescência nos Municípios do Oeste do Paraná, iniciativa do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) em parceria com a ITAIPU Binacional, contará com uma série de novidades ainda no primeiro trimestre.

Entre as atividades previstas estão o fechamento do ciclo de capacitação de profissionais, o início de oficinas com adolescentes em novas parcerias, e a entrega de certificação em reconhecimento a equipes e serviços de saúde que oferecem atendimentos amigáveis e inclusivos a adolescentes.

A campanha Tá no Rumo é uma das ações do projeto voltada especialmente ao público adolescente. Foto: Trópico/Vino Carvalho

Em 2020, o projeto Prevenção e Redução da Gravidez Não Intencional na Adolescência nos Municípios do Oeste do Paraná, iniciativa do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) em parceria com a ITAIPU Binacional, contará com uma série de novidades ainda no primeiro trimestre.

Entre as atividades previstas estão o fechamento do ciclo de capacitação de profissionais, o início de oficinas com adolescentes em novas parcerias, e a entrega de certificação em reconhecimento a equipes e serviços de saúde que oferecem atendimentos amigáveis e inclusivos a adolescentes.

As capacitações de profissionais de saúde, educação e assistência social iniciaram em junho de 2019 e já alcançaram 361 pessoas ao longo de cinco módulos. O sexto e último módulo do primeiro ciclo será realizado em três municípios, no mês de fevereiro. O primeiro acontecerá no dia 6, em Marechal Cândido Rondon, o segundo em Santa Terezinha de Itaipu, no dia 11, e o último em Cascavel, no dia 14.

Em março, terá início o segundo ciclo de capacitações, com novo formato. O objetivo é manter as temáticas de como trabalhar com adolescentes, aprofundando técnicas e abordagens específicas voltadas para a prática diária de trabalho.

Informação e capacitação para reduzir índices

O principal objetivo das capacitações, assim como do projeto como um todo, é apoiar os municípios na redução dos índices de gravidez não intencional na adolescência.

Dados do Ministério da Saúde (DATASUS) apontam que, em 2017, cerca de 481 mil bebês nascidos vivos no Brasil eram de mães com idade entre 10 a 19 anos — o equivalente a um nascimento por minuto. No Paraná, os dados apontam, para o mesmo ano, 22.231 bebês filhos de mães adolescentes. Desses, 877 eram de mães que estavam na faixa etária de 10 a 14 anos.

As capacitações tiveram como alicerce estudos que indicam que a gravidez não planejada na adolescência pode contribuir para a perpetuação de desigualdades sociais. Meninas que engravidam na adolescência estão mais propícias a passar por trajetórias educacionais interrompidas ou tortuosas, com menos anos de estudos, e com entrada menos qualificada no mundo do trabalho. Também acabam tendo direitos básicos comprometidos, como saúde, educação, lazer e trabalho.

A expectativa é de que, ao final do projeto, adolescentes tenham mais acesso a informações de prevenção e redução na gravidez não intencional na adolescência.

Também se espera que profissionais tenham suas capacidades aprimoradas e se sintam mais capacitados para o atendimento de adolescentes. O objetivo é capacitar cerca de 85% dos profissionais do oeste paranaense inscritos nas oficinas e que trabalham com adolescentes, além de trazer dados mais concisos e boas práticas para prevenir a gravidez.

Retorno da caravana Tá no Rumo

Outra ação iniciada em 2019 e que retornará no primeiro trimestre de 2020 é a campanha “Tá no Rumo”. Voltada ao público adolescente, a campanha conta com site, vídeos, conteúdos para redes sociais e uma caravana que tem rodado a região, levando informação de qualidade por meio de uma exposição interativa e cinedebate.

Em 2019, a caravana da campanha “Tá no Rumo” passou por sete municípios nos meses de novembro e dezembro. Em março, ela retorna às estradas, e deverá passar por mais oito cidades.

A caravana é composta por uma exposição interativa e um cinedebate aberto ao público. Na exposição interativa, adolescentes são convidados à reflexão sobre diferentes temáticas ligadas à adolescência e ao futuro.

Com jogos e atividades lúdicas, a exposição traz recortes da construção da cidadania, do entendimento de adolescentes enquanto sujeitos de direitos e suas percepções sobre relacionamentos, corpos e afetos.

Junto com a exposição interativa, a caravana “Tá no Rumo” leva aos municípios uma noite de cinema e debate com a comunidade.

A discussão conta com a participação de profissionais que têm participado das capacitações do projeto e de adolescentes convidados. O cinema é gratuito, em espaço aberto, com classificação livre.

Ações complementares e de impacto

Segundo o gestor do projeto pela ITAIPU Binacional, Antonio Carlos Osinski, o projeto começou a gerar resultados positivos por meio das capacitações ao envolver gestores públicos de saúde, educação e líderes comunitários dos municípios do oeste do Paraná.

Essas capacitações foram reforçadas e complementadas com o lançamento da campanha e da caravana “Tá no Rumo”, que vem percorrendo a região levando informação diretamente a adolescentes.

“Em novembro, adolescentes da rede pública de ensino e seus familiares começaram a receber informações relevantes através do lançamento da campanha e das suas caravanas itinerantes, com exposições e profissionais preparados fornecendo orientações sobre direitos humanos, desafios da vida, responsabilidades e sexualidade da menina e do menino jovem”, destaca Osinski.

“Para 2020, espero que tenhamos um bom diagnóstico através dos dados sociodemográficos e das pesquisas realizadas na região, gerando assim um modelo que poderá ser replicado em outras partes do Brasil. Certamente o projeto contribui para diminuir a gravidez não planejada na adolescência, conscientizando jovens e adultos sobre o quanto é importante essa questão no presente e no futuro de cada adolescente”, destaca o gestor.

Chega Mais – Selo de Qualidade de Serviços para Adolescentes

Outra novidade que chega ao Paraná em 2020 por meio do projeto do UNFPA e da ITAIPU binacional é o Selo Chega Mais. A certificação Chega Mais – Selo de Qualidade de Serviços para Adolescentes é oferecida a profissionais e serviços públicos de saúde que desenvolvem trabalhos com qualidade, abordagens adequadas e atenção integral à saúde do público adolescente.

Segundo a representante do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) no Brasil, Astrid Bant, o Selo Chega Mais reconhece o trabalho de profissionais e serviços de saúde voltados a adolescentes.

“A iniciativa pioneira realiza a certificação e incentiva que unidades de saúde ofereçam atendimento e serviços adequados para adolescentes considerando as peculiaridades dessa população. É necessário que os serviços de saúde sejam inclusivos, que se preocupem com as questões sexuais e reprodutivas dos e das adolescentes e que sejam acessíveis e livres de discriminação.”

Os parâmetros para a certificação incluem: um serviço sem barreiras de acesso, a adequação ao público adolescente, considerações éticas e legais, integralidade, saúde sexual e reprodutiva, intersetorialidade, educação continuada e gestão participativa. As iniciativas que recebem a certificação também destacam trabalhos associados à promoção dos direitos de adolescentes e que possibilitam visibilidade a esse público.

Em 2019, no Distrito Federal, foram certificados 19 serviços. Quatro desses profissionais foram ao Paraná destacar as experiências por meio do ciclo de capacitações do UNFPA pelo seminário de Boas Práticas de Atenção Integral a Adolescentes.

Em 2020, será a vez de reconhecer os serviços de sucesso no oeste do Paraná. A validade do selo é de dois anos. Os profissionais reconhecidos recebem uma placa como forma simbólica de premiação. As inscrições vão até 15 de janeiro, e estão disponíveis em www.unfpa.org.br.

Novas parcerias

Em 2019, o projeto permitiu a aproximação e a assinatura de parcerias com o programa Vira Vida, do SESI Paraná, e o Anjo Gabriel, ambos voltados para o atendimento a adolescentes.

Este ano, uma nova parceria permitirá ampliar o apoio da equipe do projeto a ações locais. No primeiro trimestre, iniciam atividades no Centro de Atenção Integral a Adolescentes (CAIA), que trabalha com o desenvolvimento integral de crianças e adolescentes entre 9 a 17 anos em Foz do Iguaçu (PR). No centro, são trabalhadas atividades esportivas, artísticas, culturais e de lazer realizadas no contraturno escolar.

O público do CAIA é incentivado a ser inserido no mercado de trabalho por meio de aulas de dança, futsal e xadrez. As atividades acontecem em cinco regiões em Foz do Iguaçu: SOHAB, Novo Horizonte, Cidade Nova, Jardim Canadá e Porto Meira.

Em 2020, o UNFPA irá colaborar com as atividades educacionais do CAIA para ampliar as possibilidades de mulheres e jovens terem uma vida sexual e reprodutiva mais saudável. Dessa forma, serão qualificados educadores sociais, equipe técnica e de apoio que trabalham com a atenção a adolescentes no local. Os encontros serão realizados nos centros a cada 15 dias, nas sextas-feiras, das 9h às 12h.

Veja abaixo o cronograma:

Região 01 – SOHAB ( 31/01) e (10/04)

Região 02 – Jardim Canadá (14/02) e (24/04)

Região 03 – Novo Horizonte (28/02) e (08/05)

Região 04 – Cidade Nova (13/03) e (22/05)

Região 05 – Porto Meira (27/03) e (05/06)

Sobre o projeto

Iniciado em 2018, o projeto Prevenção e Redução da Gravidez Não Intencional na Adolescência nos Municípios do Oeste do Paraná é uma iniciativa do UNFPA em parceria com a ITAIPU Binacional.

O projeto prevê ações em saúde, educação, comunicação e gestão do conhecimento. O objetivo é trabalhar com os 51 municípios do oeste do Paraná que assinaram o termo de adesão, trazendo uma experiência positiva ao realizar ações para a prevenção e redução da gravidez não intencional na adolescência.

As ações têm foco no desenvolvimento socioeconômico, criando e ampliando oportunidades para que adolescentes e jovens ajudem na construção de serviços acolhedores de saúde e também tenham garantidas condições de ampliar suas habilidades para a vida e competências socioemocionais.