Projeto leva esporte e movimento à rede municipal de ensino em Maceió

O movimento é um vetor do desenvolvimento humano e deve estar acessível a todos os indivíduos. Com essa premissa, escolas da rede municipal de ensino de Maceió (AL) participam desde agosto do projeto Escolas Ativas, uma continuação da já consolidada parceria entre Secretaria Municipal de Educação (SEMED) e Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

A iniciativa busca fazer com que as escolas sejam espaços em que as atividades físicas cotidianas e as práticas corporais – no esporte, na dança, na ginástica, na expressão corporal – sejam tratadas como um capital para a vida e, com isso, tornem as crianças e os adolescentes mais ativos no ambiente escolar e fora dele.

Em Dia Internacional que celebra o esporte como ferramenta para o desenvolvimento e a paz, o chefe da ONU, Ban Ki-moon, foi categórico: “jogando juntos, podemos criar o futuro que queremos”. Foto: UNICEF Brasil / Rocha

Foto: UNICEF Brasil/Rocha

O movimento é um vetor do desenvolvimento humano e deve estar acessível a todos os indivíduos. Com essa premissa, escolas da rede municipal de ensino de Maceió (AL) participam desde agosto do projeto Escolas Ativas, uma continuação da já consolidada parceria entre Secretaria Municipal de Educação (SEMED) e Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

A iniciativa busca fazer com que as escolas sejam espaços em que as atividades físicas cotidianas e as práticas corporais – no esporte, na dança, na ginástica, na expressão corporal – sejam tratadas como um capital para a vida e, com isso, tornem as crianças e os adolescentes mais ativos no ambiente escolar e fora dele.

A gerente de projetos do PNUD e coordenadora do Escolas Ativas, Vanessa Zanella, explica que o projeto é um desdobramento dos resultados e recomendações da Pesquisa de Escolas Ativas e do Relatório de Desenvolvimento Humano Movimento é Vida. Ela relata que o objetivo é apoiar as escolas de Maceió a se tornarem mais amigas do movimento, do esporte e da atividade física.

“É um trabalho orgânico, com profissionais de dez escolas, ou seja, 10% da rede municipal, que participam do grupo Comunidades de Escolas Ativas. São professores, coordenadores, assistentes sociais etc., que se reúnem uma vez por mês para discutir maneiras de tornar as escolas mais ativas, com orientação de especialistas do PNUD”, explicou.

As escolas estão distribuídas de modo a contemplar a maioria das regiões administrativas da cidade, e o projeto busca apoiar movimentos capazes de acolher as crianças dentro do ambiente escolar, não apenas na educação física e no intervalo das aulas, mas durante todo o período escolar.

Além de apresentar melhores resultados no desempenho dos alunos, essa ação transforma o ambiente escolar, tornando-o mais livre, feliz e receptivo para jovens e crianças, impulsionando o desenvolvimento humano.

Para a secretária de Educação de Maceió, Ana Dayse Dorea, um ponto forte do projeto é o fato de as próprias escolas apontarem as melhores formas de movimentar os estudantes. “É um projeto que se encaixa muito bem com algumas iniciativas da Secretaria que são realizadas nas escolas, e nossas crianças precisam muito de ações como esta”, afirma.

O próximo encontro da Comunidade de Escolas Ativas ocorreu na sexta-feira (5). Até o momento, a iniciativa realizou dois seminários de mobilização e sensibilização da comunidade escolar; três reuniões da Comunidade de Prática; dez visitas a escolas municipais; observação em dez escolas para subsidiar diagnóstico e recomendações para o novo Caderno de Desenvolvimento Humano sobre Escolas Ativas, com apoio de pesquisadores da Universidade Federal de Alagoas (UFAL); criação de metodologia de ativação de escolas, baseada no conceito de Comunidades de Práticas; e a entrega de um aplicativo contendo a Escala de Escola Ativa, que possibilitou o mapeamento do nível escolar ativo em 96 escolas locais.


Comente

comentários