Projeto em ilha no Pará apoia saúde sexual e reprodutiva de adolescentes ribeirinhas

Um projeto transformador na vida de 30 mulheres e adolescentes ribeirinhas foi concluído na terça-feira (16) na Ilha de Cotijuba, em Belém (PA), com uma cerimônia de encerramento e entrega de certificados.

A iniciativa “Rompendo Barreiras e Construindo Respeito” promoveu, ao longo de cinco meses, oficinas de capacitação, conhecimento e habilidades para a vida, abordando temas como gravidez na adolescência, prevenção de infecções sexualmente transmissíveis, uniões precoces e empoderamento feminino.

Alinhado com a campanha “Ela Decide”, o projeto foi realizado por meio de uma parceria entre Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), Embaixada do Canadá no Brasil, Coletivo Mangueiras e Instituto Papai.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Um projeto transformador na vida de 30 mulheres e adolescentes ribeirinhas foi concluído na terça-feira (16) na Ilha de Cotijuba, em Belém (PA), com uma cerimônia de encerramento e entrega de certificados.

A iniciativa “Rompendo Barreiras e Construindo Respeito” promoveu, ao longo de cinco meses, oficinas de capacitação, conhecimento e habilidades para a vida, abordando temas como gravidez na adolescência, prevenção de infecções sexualmente transmissíveis, uniões precoces e empoderamento feminino.

Alinhado com a campanha “Ela Decide”, o projeto foi realizado por meio de uma parceria entre Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), Embaixada do Canadá no Brasil, Coletivo Mangueiras e Instituto Papai.

Os resultados da parceria foram apresentados pela Associação de Mulheres de Cotijuba para o representante do UNFPA, Jaime Nadal, o oficial de juventude e HIV do UNFPA, Caio Oliveira, e o embaixador do Canadá, Riccardo Savone.

As jovens que receberam os certificados, com idade entre 13 e 20 anos, tiveram a oportunidade de falar sobre a experiência. No contexto da Ilha, em que a gravidez precoce já é uma realidade comum na vida de muitas adolescentes, elas contaram como o acesso à informação foi fundamental para mudanças em suas rotinas.

Também afirmaram compreender agora seu papel como multiplicadoras dentro da comunidade, e ressaltaram a importância de seus familiares serem esclarecidos quanto aos temas abordados nos encontros.

O representante do UNFPA reconheceu os progressos e as incentivou a multiplicar o conhecimento adquirido, uma vez que se tornaram referência para as demais mulheres em temas como prevenção à violência contra a mulher, uniões precoces, gravidez não intencional na adolescência e acesso a serviços em saúde sexual e reprodutiva.

O embaixador do Canadá no Brasil agradeceu a oportunidade de conhecer as jovens e traçou um paralelo entre o empoderamento das mulheres canadenses e o progresso feito em Cotijuba.

Compartilhamento de boas práticas

A comitiva do UNFPA aproveitou a visita a Belém para firmar a primeira aproximação oficial com o governo do Pará, de forma a viabilizar possíveis parcerias futuras.

Nadal e Oliveira foram recebidos pelo secretário de Justiça e Direitos Humanos do estado, Hugo Rogério Barra. Na ocasião, foram apresentados os principais projetos desenvolvidos pela secretaria, entre eles, o posto avançado de atendimento humanizado ao migrante, que oferece acolhimento a recém-chegados, e a iniciativa de capacitação de jovens em situação de vulnerabilidade feita em parceria com o Sistema S.

Em seguida, houve reuniões com o governador Helder Barbalho, com o secretário de Saúde, Alberto Beltrame, e o secretário de Cidadania, Ricardo Brisolla.

Sobre o tema da saúde, Beltrame apresentou os desafios do governo quanto ao baixo acesso das mulheres aos serviços preventivos em saúde sexual e reprodutiva, como o papanicolau, principal exame a detectar o câncer de colo de útero.

De acordo com o secretário, este tipo de câncer é a segunda causa mais comum da morte de mulheres paraenses, precedido apenas pelo câncer de mama.

Nos encontros, o time do UNFPA apresentou as principais missões de seu mandato: presente em mais de 150 países, a agência atua de forma a garantir o pleno acesso aos direitos e serviços de saúde reprodutiva, melhorando a vida de milhões de pessoas, especialmente as mais vulneráveis, trabalhando para que cada gravidez seja desejada, cada parto seja seguro e cada jovem possa alcançar seu potencial.

O oficial Oliveira e o representante do UNFPA destacaram, entre outras coisas, detalhes da Operação Acolhida, desenvolvida em Roraima na recepção a migrantes venezuelanos, e a parceria com o Governo do Distrito Federal no sistema socioeducativo.


Comente

comentários