Projeto de inserção econômica e laboral beneficia 109 migrantes em Curitiba

O projeto de inserção econômica e laboral para a comunidade migrante de Curitiba (PR) e região, realizado pela Organização Internacional para as Migrações (OIM), beneficiou diretamente 109 pessoas de diferentes nacionalidades, incluindo venezuelanos, haitianos e brasileiros, entre setembro e novembro do ano passado.

A iniciativa da OIM é realizada em parceria com a Cáritas Brasileira Regional Paraná, e com apoio da Secretaria de Estado de Justiça, Família e Trabalho do Paraná (SEJUF-PR).

Centro Estadual de Informações para Migrantes, Refugiados e Apátridas em Curitiba, no Paraná. Foto: ANPr/Ricardo Almeida

Centro Estadual de Informações para Migrantes, Refugiados e Apátridas em Curitiba, no Paraná. Foto: ANPr/Ricardo Almeida

O projeto de inserção econômica e laboral para a comunidade migrante de Curitiba (PR) e região, realizado pela Organização Internacional para as Migrações (OIM), beneficiou diretamente 109 pessoas de diferentes nacionalidades, incluindo venezuelanos, haitianos e brasileiros, entre setembro e novembro do ano passado.

A iniciativa da OIM é realizada em parceria com a Cáritas Brasileira Regional Paraná, e com apoio da Secretaria de Estado de Justiça, Família e Trabalho do Paraná (SEJUF-PR).

“Ficamos bastante satisfeitos com este piloto, e recebemos um retorno positivo dos migrantes. A partir de agora vamos acompanhar os que passaram pelos cursos para avaliar se conseguiram se inserir no mercado, e pretendemos expandir a iniciativa em 2020”, disse o coordenador de projetos da OIM em São Paulo, Guilherme Otero.

Foram três frentes de ação: capacitação, com o financiamento de cursos profissionalizantes em parceria com diversas instituições de ensino, como o Sistema S; empreendedorismo; e economia solidária.

Entre os cursos ofertados estavam Corte e Costura, Mecânica de Veículos Leves e Preparo de Pães e Bolachas. Oficinas para a abertura de empreendimentos e de Economia Solidária também foram realizadas, e as iniciativas que surgiram foram apoiadas financeiramente pela OIM.

A venezuelana Rockmillys, de 42 anos, foi uma das participantes da oficina de empreendedorismo e atualmente aguarda receber o documento de cadastro da sua ONG Hermandad sin Fronteras.

“Com as oficinas e assessoramentos ofertados pela OIM, consegui realizar um sonho que é ajudar a pessoas. Além da ONG, estou com outro projeto graças à oficina de empreendedorismo, que é trazer um pouco da comida da Venezuela aqui para Brasil”, disse.

De acordo com o coordenador estadual de Políticas Públicas para Migrantes, Refugiados e Apátridas da SEJUF-PR, João Guilherme Simão, o projeto foi importante para capacitar os migrantes e prepará-los para a autonomia financeira. Também apoiou o processo de acolhida e integração, mostrando ser possível impulsionar a inserição econômica de diferentes maneiras.

Entre os objetivos do projeto de integração econômica e laboral está o apoio aos migrantes para terem protagonismo e encontrar independência financeira, ações também sustentadas pela Cáritas Brasileira Regional Paraná.

“É muito bom ver os participantes do projeto ingressarem no mercado de trabalho e terem um salário que garanta dignidade, lazer, acesso à cidade e uma verdadeira integração”, disse a secretária-executiva da Cáritas Brasileira Regional Paraná, Márcia Ponce.

O projeto foi financiado pelo Escritório para População, Refugiados e Migração (PRM, em inglês), do Departamento de Estado norte-americano.