Projeto ajuda adolescentes a elaborar soluções para ampliar seu acesso à cidade

O Geração que Move visa promover a mobilidade segura e igualitária de crianças e adolescentes de áreas vulneráveis em São Paulo (SP) e no Rio de Janeiro (RJ). O objetivo é fomentar o acesso seguro a serviços de educação, saúde, proteção, cultura, esporte, lazer, por meio de estratégias sustentáveis, projetadas e lideradas por adolescentes.

A iniciativa é uma parceria do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) com a Arteris e Fundação Abertis, e implementação pela Viração (SP) e Agência Redes para Juventude (RJ).

Em São Paulo e Rio de Janeiro, adolescentes e jovens das periferias discutem desafios, impactos e discriminações em relação aos seus direitos à cidade, especialmente em tempos de pandemia. Foto: pixabay/Alexandra Koch

Em São Paulo e Rio de Janeiro, adolescentes e jovens das periferias discutem desafios, impactos e discriminações em relação aos seus direitos à cidade, especialmente em tempos de pandemia. Foto: pixabay/Alexandra Koch

Dividir anseios, preocupações, desafios, inspirações e motivações dos jovens são alguns dos objetivos do projeto Geração que Move, que tem início em São Paulo (SP), nos bairros de Grajaú e Jardim Ângela, e no Rio de Janeiro (RJ), na zona norte da cidade.

Em meio à pandemia do novo coronavírus, a informação e a busca de soluções ganharam outro patamar de importância. Afinal, queremos conhecer quem é a geração que está se movendo para o enfrentamento da COVID-19.

Por isso, dez jovens de São Paulo e 20 do Rio de Janeiro serão produtores de conteúdo para suas comunidades, a fim de retratar como seus direitos à cidade estão sendo garantidos e, se não estão, por quê.

Eles passarão por percursos formativos online, começando por oficinas de produção de conteúdo audiovisual, discutindo linguagens e formatos para mídias digitais.

O Geração que Move visa discutir temáticas que circundam a pandemia, como fake news, prevenção, discriminação, desigualdade social, bem como acesso a serviços de saúde, educação, proteção, cultura, esporte e lazer.

Após o fim do isolamento social, o projeto passará para a fase presencial, na qual os jovens terão oficinas temáticas de direitos humanos, adolescência e juventude, mobilidade segura e igualitária, desigualdades de gênero, raça e classe, empreendedorismo social, design thinking e temas correlatos, além de participar de jornadas de campo para conhecer os equipamentos públicos.

O objetivo é que eles próprios que vivenciam esses desafios sejam estimulados a criar soluções para garantir a mobilidade mais segura e igualitária de crianças e adolescentes nas cidades de São Paulo e do Rio de Janeiro, que serão apresentadas a gestores públicos para o aperfeiçoamento de políticas públicas.

“Promover a discussão sobre o direito à cidade e os diversos equipamentos públicos entre os jovens e ter soluções indicadas por eles é de extrema importância para enfrentarmos as desigualdades existentes dentro das cidades, especialmente com o impacto crítico da pandemia na vida deles”, afirma Luciana Phebo, coordenadora da Região Sudeste no Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF Brasil).

Sobre o Geração que Move

O Geração que Move, uma parceria do UNICEF com Arteris e Fundação Abertis, e implementação pela Viração (SP) e Agência Redes para Juventude (RJ), visa promover a mobilidade segura e igualitária de crianças e adolescentes de áreas vulneráveis em São Paulo (SP) e no Rio de Janeiro (RJ).

Alinhado ao Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 11, o projeto visa fomentar o acesso seguro a serviços de educação, saúde, proteção, cultura, esporte, lazer, por meio de estratégias sustentáveis, projetadas e lideradas por adolescentes.

Aliança global
Presente em mais de 190 países, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) atua no Brasil há 70 anos. Por sua vez, a Abertis é uma empresa multinacional de operação viária, presente em 15 países da Europa, da Ásia e das Américas. Desde 2017, UNICEF e Abertis têm uma aliança estratégica com objetivo de fortalecer e ampliar a atuação do UNICEF e de seus parceiros para proteger crianças e adolescentes pelas rodovias do mundo e garantir um acesso mais

Sobre a Agência de Redes para Juventude
A Agência Redes para Juventude é uma metodologia em ação desde 2011 pela organização da sociedade civil Avenida Brasil. Promove a possibilidade de criação de um novo espaço-tempo para os jovens que vivem em comunidades populares do Rio de Janeiro, estimulando-os para a invenção de um novo lugar na cidade, onde esses jovens sejam potentes e sujeitos criadores.

Sobre a Viração
A Viração é uma organização da sociedade civil que atua com comunicação, educação e mobilização social entre adolescentes, jovens e educadores, compreendidos como sujeitos de direitos, considerando suas potencialidades e vulnerabilidades específicas, levando em conta suas diversidades culturais, sociais e étnico e raciais.