‘Programas de vigilância massiva online anulam totalmente o direito à privacidade’, diz relator da ONU

O especialista solicitou aos Estados-membros envolvidos em vigilância massiva que forneçam uma justificativa detalhada e baseada em evidências para a sistemática interferência na privacidade de seus cidadãos.

Foto: Flickr/Crossjoin (Creative Commons)

Foto: Flickr/Crossjoin (Creative Commons)

Estados devem ser transparentes sobre a natureza dos programas de vigilância massiva eletrônica, disse um especialista independente da ONU, alertando sobre o impacto que estas medidas podem ter no direito à privacidade dos indivíduos.

“Os Estados precisam enfrentar sem rodeios o fato de que programas de vigilância massiva anulam totalmente o direito à privacidade”, disse o relator especial da ONU sobre a promoção e a proteção dos direitos humanos no combate ao terrorismo ao Terceiro Comitê, o organismo da Assembleia Geral que lida com assuntos culturais, sociais e humanitários.

Durante a apresentação do seu último relatório, Emmerson afirmou que todas as medidas para interferir no direito à privacidade devem ser autorizadas por leis nacionais acessíveis e precisas, que tenha um “objetivo legítimo, proporcional e necessário”.

No documento, o relator especial admitiu que a luta contra o terrorismo continua sendo uma prioridade crítica e poderia, em princípio“formar a base de uma justificativa discutível para a vigilância em massa da internet”. No entanto, sublinhou que a tecnologia de acesso em massa continua sendo “indiscriminadamente corrosiva” à privacidade online.

Emmerson solicitou a todos os Estados-membros envolvidos em vigilância massiva a fornecer uma justificativa detalhada e baseada em evidências para a sistemática interferência na privacidade de seus cidadãos. Ele enfatizou a necessidade de criação de organismos de monitoramento “fortes e independentes” que possam realizar uma revisão adequada antes da implementação desses programas.

“As pessoas devem ter o direito de procurar uma solução eficaz para qualquer alegada violação dos seus direitos de privacidade online”, disse.