Programa Mundial de Alimentos apoia cooperação Brasil-Angola em merenda escolar

O Programa Mundial de Alimentos (PMA) da ONU anunciou na segunda-feira (26) que apoiará a colaboração entre autoridades brasileiras e Angola na segurança alimentar. Em entrevista à ONU News em Nova Iorque, a diretora do PMA para África Austral e Oceano Índico, Lola Castro, anunciou uma viagem ao Brasil, onde deve discutir o tema da agricultura familiar.

Alimentação escolar foi definida como um super-recurso por estudo do Centro de Excelência contra a Fome. Foto: PMA

Alimentação escolar foi definida como um super-recurso por estudo do Centro de Excelência contra a Fome. Foto: PMA

O Programa Mundial de Alimentos (PMA) da ONU anunciou na segunda-feira (26) que apoiará a colaboração entre autoridades brasileiras e Angola na segurança alimentar. Em entrevista à ONU News em Nova Iorque, a diretora do PMA para África Austral e Oceano Índico, Lola Castro, anunciou uma viagem ao Brasil, onde deve discutir o tema da agricultura familiar.

“A merenda escolar brasileira está ligada aos pequenos agricultores, que produzem e vendem. E aí, nas escolas, as crianças vão ter uma alimentação diversificada. A ação também apoia ao camponês a aumentar a renda e a conseguir segurança alimentar na família.”

Segundo o Ministério da Educação de Angola, o país aprovou a iniciativa para promover programas da alimentação nas escolas em 2013. Os programas são ligados à produção local para garantir uma educação de qualidade e aprendizagem.

Com o projeto, pretende-se também combater a taxa de reprovação nas escolas, aumentar a retenção e ajudar as crianças em idade escolar a cumprir as metas com melhor nutrição. Lola Castro disse ainda que a experiência do PMA no Brasil também deu resultados na região africana.

“Estamos a falar de Angola, mas vou falar também de uma boa experiência em Moçambique. Temos estado a trabalhar com o governo moçambicano e doadores para verdadeiramente aumentarmos a merenda escolar.”

De acordo com o PMA, um estudo de sustentabilidade da alimentação escolar na União Africana contou com o apoio do Brasil. Em todo o continente, pelo menos 40 países implementam a iniciativa. Mais de 26 milhões de crianças africanas se beneficiam de merenda escolar.