Programa de combate à fome da ONU recebe doações individuais de brasileiros

O Centro de Excelência contra a Fome, do Programa Mundial de Alimentos da ONU, tem um novo canal para receber doações de brasileiros interessados em apoiar a luta contra a subnutrição. Por meio de uma página online, qualquer pessoa com um cartão de crédito pode doar o valor de sua preferência e contribuir para o fortalecimento de iniciativas de alimentação escolar no Brasil e em mais 30 países.

Imagem: PMA

Imagem: PMA

O Centro de Excelência contra a Fome, do Programa Mundial de Alimentos da ONU, tem um novo canal para receber doações de brasileiros interessados em apoiar a luta contra a subnutrição.

Por meio do site www.centrodeexcelencia.org.br, qualquer pessoa com um cartão de crédito pode doar o valor de sua preferência e contribuir para o fortalecimento de iniciativas de alimentação escolar no Brasil e em mais 30 países.

O levantamento mais recente feito pela ONU aponta que 821 milhões de pessoas passam fome no planeta. Apesar de todos os avanços tecnológicos que a humanidade alcançou, o desafio de assegurar alimentação de qualidade para todos ainda não foi superado. O mundo adotou em 2015 os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e, com eles, assumiu a meta de alcançar a fome zero até 2030.

A alimentação escolar é uma das estratégias mais eficazes para eliminar a fome, trazendo múltiplos benefícios. Além de assegurar nutrição mínima para crianças e adolescentes, contribui para melhorar os indicadores de educação dos países, fortalece a agricultura familiar e gera trabalho e renda nas zonas rurais.

As doações feitas ao Centro de Excelência contribuem para o aprimoramento dos programas de alimentação escolar dos países parceiros da instituição. O organismo provê assistência técnica para garantir o empenho dos governos com o financiamento e a implementação desses programas. Ao dar apoio contínuo a 30 governos durante o ano de 2018, o centro contribuiu para fortalecer essas estratégias, o que beneficiou cerca de 4 milhões de crianças e milhares de agricultores familiares.