Programa de alimentos da ONU suspende lançamento aéreo de comida em cidade síria

Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA) informou na terça-feira (17) que precisou suspender lançamentos aéreos de comida na cidade de Deir ez-Zor, na Síria, devido aos fortes combates entre tropas do governo e integrantes do Estado Islâmico do Iraque e do Levante (ISIL).

Lançamentos aéreos de comida promovidos pelo Programa Mundial de Alimentos (PMA). Foto: PMA

Lançamentos aéreos de comida promovidos pelo Programa Mundial de Alimentos (PMA). Foto: PMA

O Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA) informou na terça-feira (17) que precisou suspender os lançamentos aéreos de comida na cidade de Deir ez-Zor, na Síria, devido aos fortes combates entre tropas do governo e integrantes do Estado Islâmico do Iraque e do Levante (ISIL).

“Há fortes combates em curso próximos às zonas de aterragem e nas partes da cidade onde as distribuições estão ocorrendo”, disse a porta-voz da agência da ONU, Bettina Luescher, a jornalistas em Genebra.

De acordo com Luescher, os envios precisam ser feitos em regiões seguras, de modo que as equipes humanitárias possam coletar o carregamento e levar a comida e outros suprimentos humanitários à população.

“A situação é muito precária para continuar a operação e colocar em risco a vida dos 60 voluntários que estão na área. É preciso garantir a segurança dos trabalhadores”, acrescentou.

A porta-voz disse que, desde abril, a agência realizou 177 lançamentos aéreos de comida em Deir ez-Zor e entregou mais de 3,3 mil toneladas de suprimentos para atender a 110 mil pessoas.

A ONU alertou também que, desde 22 de dezembro, o abastecimento de água continua interrompido em Ain El Fijeh, afetando mais de 5,5 milhões de residentes de Damasco, capital da Síria, e arredores.

As equipes técnicas das autoridades de água e do Crescente Vermelho Árabe Sírio, que suspenderam sua missão após um incidente de segurança, continuam esperando para entrar na área novamente e terminar a missão assim que as condições de seguranças forem favoráveis.

A ONU também informou que está pronta para fornecer apoio adicional e garantir a rápida reparação da infraestrutura hídrica da região.