Programa apoiado pela ONU mostra melhoria na qualidade de trabalho em fábricas de vestuário

Funcionária de indústria de vestuário em Phnom Penh, Cambodja. Foto: Banco Mundial / Chor Sokunthea

Um programa apoiado pelas Nações Unidas com o objetivo de promover melhores condições de trabalho para mais de 1 milhão de trabalhadores em fábricas de vestuário em sete países em desenvolvimento tem mostrado ganhos significativos em termos de qualidade de vida dos funcionários e de rentabilidade para as empresas, advertiu um estudo realizado pela Universidade de Tufts.

O programa – chamado ‘Better Work’ (Melhor Trabalho, em tradução livre) – foi criado em 2007 pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), agência do Sistema ONU, e pela Corporação Financeira Internacional (CFI), braço do Grupo Banco Mundial.

Atualmente, o programa envolve 1,3 mil fábricas que empregam mais de 1,6 milhão de trabalhadores, e opera em sete países: Bangladesh, Camboja, Haiti, Indonésia, Jordânia, Nicarágua e Vietnã.

De acordo com a revisão independente realizada pela Universidade de Tufts, o programa afasta as práticas que levam a longas horas de trabalho; a salários extremamente baixos, ameaças de demissão ou abuso de contratos de estágio.

A pesquisa reportou que os trabalhadores também estão vendo um aumento em seus rendimentos semanais líquidos e estão cada vez menos preocupados com excesso de horas extras e salários insuficientes.

Além disso, o estudo observou progressos no estreitamento do piso salarial entre homens e mulheres, especialmente em fábricas de vestuário que receberam serviços de consultoria no Haiti, Nicarágua e Vietnã.

De acordo com o OIT, o programa tem feito progressos significativos na diminuição de práticas coercitivas de trabalho e limitado o assédio e abuso verbal.

Na Jordânia, os relatos de assédio sexual caíram 18%, e a incidência de trabalhadores que sentem medo no local de trabalho também diminuiu acentuadamente.

Pesquisadores também descobriram que os serviços de treinamento das habilidades de supervisão do programa são uma estratégia eficaz para melhorar as condições de trabalho, bem como para a capacitação das mulheres na indústria.

A análise mostrou que as linhas de produção supervisionadas aumentaram a produtividade da fábrica em 22%, em comparação com as supervisionadas por supervisores que ainda não tinham recebido treinamento.

Segundo conclusões do relatório, os ganhos nas condições de trabalho não vêm à custa do desempenho do negócio.

Ao contrário, o estudo observou que há uma ligação direta entre as melhores condições de trabalho e as empresas que apresentam lucros mais elevados.

Em todas as fábricas controladas no Vietnã, depois de quatro anos de implementação do Better Work, a rentabilidade média aumentou em 25%.

O programa é apoiado pela Austrália (Departamento de Relações Exteriores e Comércio); Dinamarca (Ministério dos Negócios Estrangeiros); Holanda (Ministério dos Negócios Estrangeiros); Suíça (Secretaria de Estado da Economia); e pelos Estados Unidos (Departamento de Trabalho dos Estados Unidos).