Profissionais cubanos do Mais Médicos recebem homenagem do Conselho Nacional de Saúde

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

O Conselho Nacional de Saúde (CNS) do Brasil prestou na sexta-feira (27) uma homenagem aos profissionais cubanos do programa Mais Médicos. Durante cerimônia, organismo agradeceu ao governo de Cuba pela imensa contribuição à saúde brasileira. Para clínico da ilha caribenha que participou da cerimônia, reconhecimento vai estimular dedicação dos médicos estrangeiros.

Conselho Nacional de Saúde do Brasil agradeceu governo de Cuba pela contribuição à saúde. Foto: OPAS

Conselho Nacional de Saúde do Brasil agradeceu governo de Cuba pela contribuição à saúde. Foto: OPAS

O Conselho Nacional de Saúde (CNS) do Brasil prestou na sexta-feira (27) uma homenagem aos profissionais cubanos do programa Mais Médicos. A iniciativa que traz clínicos de Cuba para o território brasileiro é fruto de uma parceria entre os dois países e conta com o apoio da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS).

Durante a entrega da homenagem, o presidente do CNS, Ronald Santos, agradeceu ao governo cubano pela “imensa contribuição à saúde, por meio de seus médicos e médicas, estudos e pesquisas”. Segundo o dirigente, a condecoração dos profissionais estrangeiros destaca o compromisso deles com a prestação de cuidados à população brasileira.

“Reconhecer faz crescer.
Nós, médicos cubanos,
vamos nos dedicar ainda mais à saúde brasileira.”

O profissional Hector Daniel Perdomo, que atua no Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI) de Pernambuco, representou os médicos cooperados no evento. “Reconhecer faz crescer. Nós, médicos cubanos, vamos nos dedicar ainda mais à saúde brasileira.”

“É uma satisfação o reconhecimento do CNS, por ser um órgão onde o controle social se transforma e se efetiva. Nós, da OPAS, realizamos essa ‘triangulação’, que é a cooperação entre os governos brasileiro e cubano. Essa parceria fortalece o princípio constitucional de que a saúde é um direito de todos”, destacou o coordenador do Mais Médicos na agência regional da ONU, Renato Tasca.


Mais notícias de:

Comente

comentários