Produção de ópio no Afeganistão tem aumento de 87% este ano

Foram 9 mil toneladas em 2017, um aumento recorde se comparado a 2016. Dados foram divulgados pelo Ministério Antinarcótico do país e pelo Escritório da ONU sobre Drogas e Crime, UNODC.

Aumento também da insurgência e das atividades grupos terroristas, bem como da oferta em heroína de alta qualidade e baixo custo, alcança consumidores em todo o mundo – aumentado assim as desastrosas consequências desse tipo de comércio.

Plantação de papoulas no Afeganistão. Foto: UNODC

Plantação de papoulas no Afeganistão. Foto: UNODC

O Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crimes (UNODC) informou que a produção de ópio no Afeganistão atingiu níveis recordes este ano.

Em comunicado, a agência da ONU informou que foram produzidas 9 mil toneladas, um aumento de 87% se comparado ao ano passado. Os números foram compilados pelo governo afegão em parceria com o UNODC. A área de cultivo da papoula também aumentou para 329 mil hectares. Uma alta de 63%.

O diretor-executivo do UNODC, Yury Fedotov, disse que está mais do que na hora de a comunidade internacional e o Afeganistão voltarem a priorizar o controle da droga. Segundo ele, cada país tem a responsabilidade partilhada sobre este problema global.

O aumento na produção de ópio está diretamente ligado a um crescimento das áreas de cultivo da papoula. A maior parte ocorre no sul do país e também no nordeste. O aumento na produção de ópio representa ainda desafios para o Afeganistão e os países vizinhos, que se tornam canais de trânsito para os opiáceos.

O aumento também da insurgência e das atividades grupos terroristas, bem como da oferta em heroína de alta qualidade e baixo custo, alcança consumidores em todo o mundo – aumentado assim as desastrosas consequências desse tipo de comércio.

Se considerado em seu valor comercial, o ópio responde pelo equivalente a 7% do Produto Interno Bruto (PIB) afegão.

(Por Monica Grayley, da ONU News em Nova Iorque)