Principal órgão da ONU sobre controle de drogas adota 11 resoluções

Comissão de Narcóticos tratou de questões como proteção de jovens e crianças da venda de drogas ilícitas e novas substâncias psicoativas (NPS) na internet, e fortalecimento da cooperação para identificar e bloquear fluxos de financiamento ligados ao tráfico de drogas.

Sede da ONU em Viena, local do encontro. Foto: Herbert Ortner/Wikipédia (CC)

Sede da ONU em Viena, local do encontro. Foto: Herbert Ortner/Wikipédia (CC)

“Práticas baseadas em evidências são os melhores meios de prevenir e tratar o uso abusivo de drogas e de por fim à miséria de milhões de pessoas”, disse o diretor executivo do Escritório da ONU sobre Drogas e Crime (UNODC), Yury Fedotov, em Viena. O chefe do UNODC discursou na cerimônia de encerramento da 58ª Sessão da Comissão de Narcóticos (CND), que reuniu cerca de mil participantes de 9 a 17 de março, entre delegações nacionais, sociedade civil, organizações intergovernamentais e imprensa.

Ao falar sobre a assistência e apoio aos usuários de drogas, Fedotov ressaltou: “Devemos remover a influência danosa da ideologia e oferecer assistência baseada somente na ciência e na pesquisa”. Fedotov observou em seu discurso que as resoluções e as decisões feitas pela CND, principal órgão político sobre controle internacional de drogas, proporcionaram ao UNODC orientações e mandatos adicionais. “Resoluções”, disse, “são uma plataforma para os próprios projetos e programas do UNODC em todo o mundo. Elas permitem que a organização traga benefícios e assistência tangíveis às vítimas de drogas ilícitas”.

Durante os nove dias em que a Comissão se reuniu, 11 resoluções e uma decisão foram aprovadas sobre questões como proteção de jovens e crianças da venda de drogas ilícitas e novas substâncias psicoativas (NPS) na internet, e fortalecimento da cooperação para identificar e bloquear fluxos de financiamento ligados ao tráfico de drogas.

Fedotov terminou seu discurso falando sobre a Sessão Especial da Assembleia Geral da ONU sobre o Problema Mundial das Drogas (UNGASS 2016), que acontecerá em Nova York, em abril de 2016. “Estamos chegando ao ponto em nossa jornada coletiva em que a UNGASS 2016 está efetivamente à vista. Graças às deliberações e à visão coletiva [dos delegados] nós estamos bem preparados, mas ainda há um trabalho considerável a ser feito”, finalizou.