PNUMA e FAO criam parceria para conservação de ecossistemas essenciais para segurança alimentar

Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente e a Organização da ONU para a Alimentação e Agricultura se unem para lançar um novo programa Sistema de Alimentação Sustentável.

O diretor-geral da FAO, o brasileiro José Graziano da Silva e diretor executivo do PNUMA, Achim Steiner. Foto: A. Rosario

O diretor-geral da FAO, o brasileiro José Graziano da Silva e diretor executivo do PNUMA, Achim Steiner. Foto: A. Rosario

O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) e a Organização da ONU para a Alimentação e Agricultura (FAO) assinaram memorando de entendimento para garantir maior apoio aos serviços ecossistêmicos essenciais para a segurança alimentar no mundo. Conservação dos ecossistemas é fundamental para garantir as condições ideias para a produção de alimentos e o fornecimento de água, entre outros serviços.

“Ecossistemas saudáveis são a alma da segurança alimentar, especialmente nos países em desenvolvimento, onde muitas pessoas têm seu sustento ligado diretamente a terra, mares e oceanos”, disse o diretor executivo do PNUMA e subsecretário-geral da ONU, Achim Steiner. “A FAO e o PNUMA trazem competências diferentes e complementares para uma parceria que tornará mais eficiente o nosso trabalho na restauração e na gestão sustentável de ecossistemas”, acrescentou.

O acordo formaliza a cooperação entre as duas agências, no contexto da Agenda de Desenvolvimento Pós-2015 e dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

“Congratulo o excelente trabalho e a colaboração entre as equipes da FAO e do PNUMA, que mostram um alto grau de profissionalismo e entusiasmo em expandir nossa parceria”, afirmou o diretor-geral da FAO, o brasileiro José Graziano da Silva.

O plano entre as organizações define quatro prioridades específicas. A primeira, a implementação de um Programa de Alimentação Sustentável como parte do Programa-Quadro de 10 anos para Consumo e Produção Sustentáveis (10YFP), adotado pelos governos na Rio+20, por meio do Desafio Fome Zero do Secretário-Geral das Nações Unidas e de outras iniciativas.

Práticas para para manter e melhorar a sustentabilidade e a produtividade dos ecossistemas terrestres, aquáticos e marinhos, e garantir a sobrevivências das funções ecossistêmicas críticas também serão abordadas.

A parceria também contempla melhorar e garantir o acesso a dados, estatísticas e indicadores para monitorar o uso de recursos naturais e progressos para alcançar os ODS e disponibilizar informações e estudos que fortalecem a interface entre ciência e política.

Por último, a cooperação entre as duas agências da ONU oferece suporte comum para o desenvolvimento e implementação de instrumentos legais, especialmente aqueles que promovem mecanismos de governança que apoiem a dimensão social dos sistemas de alimentação sustentável e gestão de ecossistemas.