PNUD inicia mutirões no Equador para recuperar regiões afetadas por terremoto

Terremoto de magnitude 7,8 atingiu Equador em 16 de abril, causando morte e destruição. Foto: UNICEF

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) deu início a atividades de trabalho comunitário de emergência para a gestão de entulhos em comunidades rurais afetadas pelo terremoto que devastou o litoral do Equador em 16 de abril.

Com o objetivo de iniciar o processo de recuperação do país o mais rápido possível, a primeira fase do programa começou na comunidade rural costeira de Las Gildes, a 400 km a oeste de Quito, na província de Manabí, um dos locais mais afetados pelo desastre. A iniciativa teve a participação de 30 famílias atingidas.

Especialistas do PNUD capacitaram homens e mulheres na gestão de entulhos e reparação de infraestruturas comunitárias críticas. Essas atividades são o primeiro passo para iniciar a reconstrução física das comunidades e reativar a economia local, de acordo com o PNUD.

O apoio à criação de empregos comunitários de emergência tem um investimento inicial e imediato de 300 mil dólares para que a população afetada esteja no centro do processo de reconstrução, segundo a agência da ONU.

“Este trabalho é primeiro exercício de gestão de entulhos e infraestrutura rural realizado de maneira participativa nas comunidades afetadas”, afirmou Nuno Queiros, representante adjunto do PNUD no Equador. “A partir desta primeira experiência, serão feitos os respectivos ajustes que permitam trabalhar com o restante das comunidades e expandir a iniciativa rapidamente a outros bairros afetados.”

O PNUD abriu um escritório especial de recuperação na cidade de Manta, que será o local para dar andamento às iniciativas, em parceria com os governos autônomos descentralizados.

Na comunidade de Las Gilces, moram mais de 600 famílias cujas fontes de renda dependem das salinas, da pesca e do turismo, e mais da metade das moradias sofreram danos depois do terremoto.

“Este desastre levou consigo o esforço de muitos anos de trabalho”, disse Narcisa Lucas, proprietária da primeira casa atendida como parte do Plano Comunitário de Las Gilces para a Gestão de Entulhos.

“Este trabalho nos permite olhar para o futuro com otimismo”, afirmou Victoria Demera, membro do Grupo de Jovens Unidos para o Desenvolvimento Comunal de Las Gilces e coordenadora de brigada no projeto-piloto de emprego de emergência.

Segundo dados preliminares da Secretaria de Gestão de Risco equatoriana, por volta de 7 mil moradias foram destruídas nas cinco províncias afetadas pelo terremoto.

O processo de avaliação de danos e definição de prioridades está sendo coordenado pelo governo do Equador, incluindo os governos autônomos descentralizados. Em particular, o PNUD está apoiando o trabalho do Ministério de Desenvolvimento Urbano e Rural e Moradia (MIDUVI) para avançar rapidamente com a avaliação.

Além disso, o Ministério do Trabalho, em coordenação com outras instituições nacionais e com o apoio do PNUD e a Organização Internacional do Trabalho (OIT), está elaborando um mecanismo de contratação que inclui a cobertura de segurança social para os participantes desse tipo de projeto.

Com o objetivo de ampliar suas atividades e apoiar o maior número possível de pessoas afetadas pelo terremoto, o PNUD lançou uma plataforma móvel para a arrecadação de fundos. Trata-se da campanha “Ecuador Aqui Estoy”, que recolhe doações por meio da plataforma.