PNUD e SEBRAE debatem em Brasília inovação social e negócios de impacto

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE) realizaram na quinta-feira (29) em Brasília (DF) encontro que debateu inovação social, negócios de impacto e suas cadeias de valor.

O seminário é uma das atividades da Iniciativa Incluir, lançada em 2015 pelo PNUD para fortalecer o envolvimento privado no apoio aos esforços globais e locais para reduzir a pobreza e tornar o desenvolvimento mais inclusivo.

O seminário é uma das atividades da Iniciativa Incluir, lançada em 2015 pelo PNUD para fortalecer o envolvimento privado no apoio aos esforços globais e locais para reduzir a pobreza e tornar o desenvolvimento mais inclusivo. Foto: Thiago Siqueira

O seminário é uma das atividades da Iniciativa Incluir, lançada em 2015 pelo PNUD para fortalecer o envolvimento privado no apoio aos esforços globais e locais para reduzir a pobreza e tornar o desenvolvimento mais inclusivo. Foto: Thiago Siqueira

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE) realizaram na quinta-feira (29) em Brasília (DF) encontro que debateu inovação social, negócios de impacto e suas cadeias de valor.

O seminário discutiu o papel das aceleradoras e ecossistemas de apoio no contexto de Brasil, Portugal e Reino Unido, a partir de missões realizadas nos países, a experiência de aceleradoras brasileiras e estratégias de investimento em inovação social e negócios de impacto.

Entre os convidados, estavam representantes de organizações públicas e privadas parceiras do PNUD em projetos, como SEBRAE, Fundação Getulio Vargas (FGV), Ministério da Economia, Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (ANPROTEC), Yunus Brasil, Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Caixa Econômica Federal, Deloitte e Instituto Humanize.

O seminário é uma das atividades da Iniciativa Incluir, lançada em 2015 pelo PNUD para fortalecer o envolvimento privado no apoio aos esforços globais e locais para reduzir a pobreza e tornar o desenvolvimento mais inclusivo.

“Essa é uma iniciativa que traz mais sustentabilidade e mecanismos para que as pessoas consigam sair da pobreza, para que as empresas inclusivas cresçam de maneira mais sustentável”, afirmou a representante-residente assistente do PNUD, Maristela Baioni, na abertura das atividades.

Com foco na inovação em negócios, a Iniciativa Incluir busca estimular o aumento do fluxo de capital de impacto e oportunidades comerciais para negócios inclusivos, articular parcerias e facilitar espaços de diálogo para o desenvolvimento de políticas e fortalecer o conhecimento sobre o potencial desses mercados.

O diretor técnico do SEBRAE, Vinicius Lage, reforçou a importância dos empreendimentos inclusivos no combate às desigualdades. “Para toda grande revolução econômica, temos também uma inovação social. Devemos nos reinventar, porque a pobreza e a exclusão também são falhas de mercado e uma falha da sociedade”, defendeu.

A gerente de parcerias para o setor privado do PNUD, Luciana Aguiar, finalizou o ciclo de debates apresentando a prévia do relatório Business+Brazil, resultado de cooperação entre SEBRAE, Istanbul International Center for Private Sector in Development (IICPSD) e PNUD. O documento, em inglês, apresenta a situação dos negócios inclusivos no Brasil, dados e implicações políticas a partir de um olhar sobre as desigualdades.

“O que a gente vê, olhando para o Brasil, é uma série de questões e desafios de desenvolvimento. Precisamos começar a olhar com mais cuidado para essas questões, que são tanto de desenvolvimento social quanto de capital humano. Esses desafios estão colocados. Precisamos olhar com mais cuidado para, de fato, lidar da melhor maneira com eles”, afirmou.


Comente

comentários