PNUD apoia projeto que levará discussão de políticas de igualdade racial para universidades

Iniciativa visa também a fortalecer o trabalho de articulação de políticas públicas de combate à discriminação com estados e municípios.

Iniciativa visa também fortalecer o trabalho de articulação de políticas públicas de combate à discriminação com estados e municípios. Foto: PNUD/Tiago Zenero

Iniciativa visa também fortalecer o trabalho de articulação de políticas públicas de combate à discriminação com estados e municípios. Foto: PNUD/Tiago Zenero

Com a proposta de reforçar a implementação do Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial (SINAPIR) e, dessa forma, mapear a atuação dos Núcleos de Estudos Afro-Brasileiros (NEABs) existentes no Brasil, o Programa da ONU para o Desenvolvimento (PNUD) assinou nesta quarta-feira (16) o projeto Fortalecimento e Expansão do SINAPIR, junto com a Agência Brasileira de Cooperação (ABC) e o Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos.

Durante a cerimônia, o diretor da ABC, embaixador João Almino, destacou que o Brasil é signatário de diversos tratados antidiscriminatórios e ressaltou a importância de “promover a participação plena e igualitária dos afrodescendentes em todos os aspectos da sociedade, especialmente agora que estamos no início da década dos afrodescendentes”.

O coordenador do Sistema das Nações Unidas e representante residente do PNUD no Brasil, Niky Fabiancic, lembrou que o Brasil é um país onde 50,7% da população se auto-reconhece como negra. “Apesar dos diversos avanços nas áreas econômicas e social, a população afrodescendente continua sendo desproporcionalmente mais atingida pela pobreza no país”, afirmou. Dessa forma, ele reconheceu que o SINAPIR é um dos principais instrumentos de gestão da política de promoção da igualdade racial no país.

A ministra Nilma Lino Gomes ressaltou a importância do projeto para “fortalecer um trabalho de articulação das políticas com estados e municípios”, descentralizando as políticas de igualdade racial.

A ministra disse ainda que, com essa nova parceria, os municípios terão a oportunidade de desenvolver projetos locais que o governo federal não poderia realizar, “mas que são de extrema importância”, pontuou. Por outro lado, a iniciativa também fortalecerá a coordenação federativa, segundo Nilma Lino Gomes.

Assim, durante os próximos quatro anos, a parceria abrirá editais para trazer e fortalecer políticas públicas no sistema por meio dos NEABs nas universidades. “Queremos contribuir com o trabalho desses núcleos e estimular a formação de outros”, concluiu a ministra.