PNUD apoia projeto para preservação de mangues brasileiros

Em parceria com Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade e Fundo para o Meio Ambiente Mundial, iniciativa contribui para uso sustentável do ecossistema e desenvolvimento das comunidades costeiras.

Foto: Arquivo do PNUD

Em parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), um projeto do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade amplia o conhecimento sobre manguezais brasileiros, além de nacionalizar o monitoramento e manejo de unidades de conservação. A iniciativa é financiada pelo Fundo para o Meio Ambiente Mundial.

O Projeto Manguezais do Brasil contribui para a conservação e o uso sustentável dos manguezais e de suas funções e serviços ambientais necessários para o desenvolvimento humano sustentável das comunidades costeiras.

Segundo o PNUD, os manguezais estão entre os ecossistemas mais ricos, tanto em biodiversidade quanto em produtividade. No Brasil, ocupam uma área estimada de 1,3 milhão de hectares de faixa costeira, do Amapá a Santa Catarina. Eles são fundamentais para a integridade e o equilíbrio ambiental e também para a economia e alimentação das populações costeiras.

Com a parceria, reduziu-se de quase 50% para 1% as perdas do Caranguejo-Aratu durante o transporte. Espécie típica dos manguezais e fonte importante de proteínas para as comunidades, só pode ser levada viva para o local de consumo.

O Projeto Manguezais do Brasil também está debatendo o Plano de Gestão Integrada de Recursos Pesqueiros para as reservas extrativistas marinhas.

A iniciativa também reuniu no fim de junho na Casa da ONU, em Brasília, especialistas da comunidade científica, de órgãos governamentais e organizações não governamentais para avaliar progressos e debater desafios.