PNUD apoia obras do Centro de Difusão de Tecnologias Algodoeiras em Minas Gerais

O Centro de Difusão de Tecnologias Algodoeiras de Catuti, em Minas Gerais, segue em obras para funcionar como espaço de compartilhamento e troca de experiências e boas práticas brasileiras em cotonicultura com 15 países da África.

O espaço terá área construída de 1.204 metros quadrados, que abrigará a usina beneficiadora de algodão, escritórios, salas de reunião e de treinamento, balança de pesagem, galpões para máquinas agrícolas e uma oficina mecânica. As obras seriam finalizadas em abril deste ano, mas a entrega atrasou em função da pandemia da COVID-19.

Foto: ABC

O Centro de Difusão de Tecnologias Algodoeiras de Catuti, em Minas Gerais, segue em obras para funcionar como espaço de compartilhamento e troca de experiências e boas práticas brasileiras em cotonicultura com 15 países da África.

O espaço terá área construída de 1.204 metros quadrados, que abrigará a usina beneficiadora de algodão, escritórios, salas de reunião e de treinamento, balança de pesagem, galpões para máquinas agrícolas e uma oficina mecânica. As obras seriam finalizadas em abril deste ano, mas a entrega atrasou em função da pandemia da COVID-19.

A iniciativa beneficiará o setor algodoeiro local ao levar o conhecimento e o nome da região para o cenário internacional. O intercâmbio ocorre com o Benim, Burkina Faso, Burundi, Camarões, Costa do Marfim, Chade, Etiópia, Mali, Quênia, Tanzânia, Moçambique, Malawi, Togo, Senegal e Zimbábue.

A construção se dá no âmbito do “Projeto Regional para o Aperfeiçoamento de Técnicos Africanos em Cotonicultura”, do PNUD em parceria com Agência Brasileira de Cooperação (ABC), Associação Mineira dos Produtores de Algodão (Amipa), Universidade Federal de Lavras (UFLA), Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), Prefeitura Municipal de Catuti, Cooperativa de Produtores Rurais de Catuti (COOPERCAT) e Programa Mineiro de Incentivo à Cultura do Algodão (PROALMINAS).