Plataforma global apoia redes de telecomunicações durante crise do coronavírus

Uma nova plataforma lançada pela União Internacional de Telecomunicações (UIT) ajudará governos e o setor privado dos países a garantir que as redes sejam mantidas resilientes e que os serviços de telecomunicações estejam disponíveis para todos.

“Nunca antes as redes de telecomunicações foram tão vitais para nossa saúde e segurança e para manter nossa economia e sociedade funcionando, como durante a crise de COVID-19 em que vivemos hoje”, disse o secretário-geral da UIT, Houlin Zhao, na segunda-feira (23).

O escritório da UIT no país está contribuindo para este portal com informações da região das Américas, incluindo o Brasil.

Foto: EBC

O escritório da UIT no país está contribuindo para este portal com informações da região das Américas, incluindo o Brasil. Foto: EBC

Uma nova plataforma lançada pela União Internacional de Telecomunicações (UIT) ajudará governos e o setor privado dos países a garantir que as redes sejam mantidas resilientes e que os serviços de telecomunicações estejam disponíveis para todos.

“Nunca antes as redes de telecomunicações foram tão vitais para nossa saúde e segurança e para manter nossa economia e sociedade funcionando, como durante a crise de COVID-19 em que vivemos hoje”, disse o secretário-geral da UIT, Houlin Zhao, em comunicado publicado na segunda-feira (23).

“Como resultado, instruí minha equipe a aproveitar sem demora a plataforma reguladora e de formuladores de políticas da UIT para ajudar os países e a indústria a lidar com o crescente estresse sobre as redes globais.”

A nova plataforma de resiliência de rede global (# REG4COVID) está disponível aqui.

O escritório da UIT no país está contribuindo para o portal com informações da região das Américas, incluindo o Brasil.

Zhao afirmou que “está em jogo a nossa capacidade, como uma família humana, de fornecer aos profissionais de saúde em todos os lugares as ferramentas necessárias para desempenhar suas funções, permitir que todos que possam trabalhar em casa, negociar online, garantir que centenas de milhões de crianças e os jovens acompanhem seus estudos e mantenham contato com os entes queridos, onde quer que estejam”.

A plataforma visa ajudar os tomadores de decisões, reguladores e partes interessadas do setor a garantir que as redes sejam mantidas resilientes e que os serviços de telecomunicações estejam disponíveis para todos ao máximo possível, compartilhando as melhores práticas e iniciativas implementadas durante a crise da COVID-19.

Também coletará informações e conhecimentos relevantes e confiáveis ​​sobre as ações que os formuladores de políticas de telecomunicações, reguladores e outros membros da comunidade reguladora possam usar para garantir que suas redes e serviços de telecomunicações atendam às necessidades de seu país.

A plataforma da UIT fornecerá aos países que lutam para encontrar soluções apropriadas para garantir a resiliência de suas redes com informações e conhecimentos relevantes e confiáveis ​​sobre como lidar com o estresse enfrentado por sua infraestrutura.

“E como o tempo é essencial, dará aos países que ainda têm tempo para se preparar uma oportunidade de aprender com o que está sendo feito em outros lugares – desde transferências de espectro de emergência até diretrizes para consumidores sobre o uso responsável.”

Servindo inicialmente como uma ferramenta informativa, a Plataforma de Resiliência de Rede Global será expandida em breve para fornecer uma plataforma interativa para compartilhamento contínuo ao longo da atual crise e além, segundo a UIT.

“Nestes tempos de incerteza, não devemos esquecer todos aqueles em todo o mundo que ainda não têm acesso à Internet. Como agência especializada das Nações Unidas para tecnologias da informação e comunicação, a UIT há muito defende a conectividade universal, confiável e acessível, e continuaremos a pressionar todas essas frentes até que todos estejam conectados.”

Zhao pediu que todos os membros da UIT, do setor público e privado, se unam para criar a melhor plataforma possível, “para que a tecnologia da informação e comunicação possa ajudar a derrotar o COVID-19 e nos tornar mais seguros, mais fortes e mais conectados”.