Piauí receberá US$ 16 milhões de agência agrícola da ONU para fortalecer produção do semiárido

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Representantes do governo do Piauí e do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) se reuniram no final de maio (25) para revisar os termos da cooperação do Projeto Viva o Semiárido (PVSA). A iniciativa já recebeu 90 milhões de reais da agência da ONU e vai receber mais 16 milhões de dólares, segundo informou o governador do estado Wellington Dias. Programa busca fortalecer a base produtiva de comunidades agrícolas, estimulando a geração de renda no meio rural.

Cultivo de mandioca no semiárido piauiense. Foto: FIDA/Manuela Cavadas

Cultivo de mandioca no semiárido piauiense. Foto: FIDA/Manuela Cavadas

Representantes do governo do Piauí e do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) se reuniram no final de maio (25) para revisar os termos da cooperação do Projeto Viva o Semiárido (PVSA). A iniciativa já recebeu 90 milhões de reais da agência da ONU e vai receber mais 16 milhões de dólares, segundo informou o governador do estado Wellington Dias.

O PVSA busca fortalecer a base produtiva de comunidades agrícolas, estimulando a geração de renda no meio rural. Atualmente, o programa está presente em 89 municípios dos territórios Vale do Sambito, Vale do Rio Guaribas, Vale Chapada do Itaim, Vale do Rio Canindé e Serra da Capivara. Mais de 2 mil famílias já são beneficiadas.

“Estamos fazendo um aditivo a um contrato já existente. São 16 milhões de dólares mas já com um outro contrato de 30 milhões nesse mesmo formato. A expectativa é que em 2018 possamos fazer um contrato maior”, disse o chefe do Executivo estadual durante o encontro.

O representante do FIDA no Brasil, Hardi Vieira, afirmou que, desde o início do convênio, em 2013, houve grande avanço. “São mais de 150 planos de negócios produtivos já aprovados”, lembra.

“O balanço é muito positivo. Recomendamos ao governo do estado alguns pequenos ajustes, principalmente o reforço de atenção a outros componentes do projeto que não são ligados à questão produtiva, como a educação contextualizada e o empreendedorismo para jovens no campo”, acrescentou.

Educação

Uma das frentes de atuação do PVSA é a capacitação da juventude do campo. O projeto tem entre seus objetivos a formação de 1,5 mil professores de cem escolas. Com isso, o programa espera alcançar 12 mil alunos da rede estadual. Os docentes que participarem da iniciativa receberão bolsas de estágio e poderão publicar livros e artigos científicos.

“Estamos produzindo uma base de profissionais para o estado que vai desencadear no aprendizado de milhares de alunos. Além da formação, vamos desenvolver atividades com base naquilo que eles sabem fazer, e que, muitas vezes, só precisam aperfeiçoar. Queremos evitar que os jovens saiam da região onde moram por não terem uma formação e apoio no que diz respeito aos arranjos produtivos”, explica a secretária de Educação do Piauí, Rejane Dias.

Recursos hídricos

O governo do Piauí prevê a utilização dos novos recursos liberados pelo FIDA para o aproveitamento hídrico do Rio Piauí, a partir da Barragem do Jenipapo, que tem capacidade de 300 milhões de metros cúbicos de água. Segundo o Executivo, o objetivo do projeto da barragem é conciliar a produção de piscicultura, os usos para a irrigação e a recuperação ambiental na bacia e nos barramentos dos municípios da região banhados pelo curso d’água.


Mais notícias de:

Comente

comentários