Pessoas que usam drogas injetáveis estão sendo deixadas para trás no tratamento de HIV

Entre os 13 países que reportaram dados recentes ao Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS), oito afirmaram que a cobertura de tratamento para HIV foi menor entre pessoas que usam drogas injetáveis na comparação com a população geral de adultos vivendo com o vírus. 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Globalmente, foram alcançados diversos avanços rumo ao cumprimento das metas 90–90–90, nas quais os Estados-membros das Nações Unidas se comprometeram a garantir que, até 2020, 90% das pessoas vivendo com HIV estejam diagnosticadas; que destas, 90% estejam em tratamento; e que 90% destas pessoas tenham carga viral indetectável.

No entanto, as pessoas que usam drogas injetáveis e outras populações-chave são frequentemente deixadas para trás.

Entre os 13 países que reportaram dados recentes ao Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS), oito afirmaram que a cobertura de tratamento para HIV foi menor entre pessoas que usam drogas injetáveis na comparação com a população geral de adultos vivendo com o vírus.