Pesquisadoras lembram Dia Mundial da Propriedade Intelectual em evento no Rio

O Dia Mundial da Propriedade Intelectual foi lembrado no último dia 26 de abril com uma mesa-redonda no Rio de Janeiro que discutiu o papel das mulheres na inovação e na criatividade.

O evento, promovido pelo Escritório Regional da Organização Mundial da Propriedade Intelectual no Brasil (OMPI) e pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), foi realizado no auditório do INPI, no centro do Rio de Janeiro.

O fomento à inovação faz parte dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS). Foto: iHub/PNUD

O fomento à inovação faz parte dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS). Foto: iHub/PNUD

O Dia Mundial da Propriedade Intelectual foi lembrado no último dia 26 de abril com uma mesa-redonda no Rio de Janeiro que discutiu o papel das mulheres na inovação e na criatividade.

Este ano, a data celebrou o talento, a curiosidade e a coragem de mulheres que estão ajudando a mudar o mundo e o futuro por meio da pesquisa e inovação.

O evento, promovido pelo Escritório Regional da Organização Mundial da Propriedade Intelectual no Brasil (OMPI) e pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), foi realizado no auditório do INPI, no centro do Rio de Janeiro.

A mesa-redonda teve a participação da professora e cientista Joana D’arc Félix e da diretora da Associação dos Bananicultores de Corupá (Asbanco) Eliane Cristina Müller, duas pesquisadoras que têm impulsionado o desenvolvimento econômico e social ao criar formas de proteger o meio ambiente e tirar crianças da pobreza; Joana, por meio da física e da química; e Eliane pela agricultura.

O evento foi aberto pelo diretor regional da OMPI no Brasil, José Graça Aranha, e pelo diretor de patentes do INPI, Júlio César Moreira. O presidente do Instituto, Luiz Otávio Pimentel, encerrou o debate destacando o papel das mulheres no INPI. O diretor do Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio), Maurizio Giuliano, prestigiou o coquetel que encerrou a atividade.

A OMPI se dedica à constante atualização e proposição de padrões internacionais de proteção às criações intelectuais em âmbito mundial.

Em cooperação com o governo do Brasil, foi estabelecido o Escritório da OMPI no Rio de Janeiro, com o objetivo de promover novos enfoques e formas de interação e vinculação entre o setor produtivo e os usuários do Sistema de Propriedade Intelectual (PI), aproximando-os aos modelos globais dos serviços prestados pela Organização.

Da esquerda para a direita, Maurizio Giuliano, diretor do UNIC Rio; Luís Otávio Pimentel, presidente do INPI; José Graça Aranha, diretor regional da OMPI no Brasil; e Evelyn Montellano, consultora. Foto: OMPI

Da esquerda para a direita, Maurizio Giuliano, diretor do UNIC Rio; Luís Otávio Pimentel, presidente do INPI; José Graça Aranha, diretor regional da OMPI no Brasil; e Evelyn Montellano, consultora. Foto: OMPI