Pela primeira vez em sete anos, ONU usa a fronteira entre Egito e Gaza para entregar alimentos

Através do ponto de passagem de Rafah, que esteve bloqueado por Israel desde 2007, 18 comboios do Programa Mundial de Alimentos entregaram 15.600 cestas básicas a toda a Península do Sinai.

Distribuição de comida em Gaza realizada pela PMA em agosto. Foto: PMA/Eyad Al Baba

Distribuição de comida em Gaza realizada pela PMA em agosto. Foto: PMA/Eyad Al Baba

Pela primeira vez em sete anos, um comboio humanitário do Programa Mundial da Alimentos (PMA) da ONU cruzou, nesta quarta-feira (27), com sucesso do Egito para a Faixa de Gaza, através da fronteira de Rafah, transportando comida suficiente para alimentar cerca de 150 mil pessoas por cinco dias. Desde 2007, a passagem estava bloqueada por Israel.

“É extremamente importante que tenhamos acesso à Faixa de Gaza a partir de diferentes vias, incluindo o ponto de passagem de Rafah, para garantir um fluxo constante de suprimentos humanitários e assim atender às crescentes necessidades das pessoas afetadas pela recente violência”, disse o diretor regional do PMA para o Oriente Médio, Norte da África, Ásia Central e Europa Oriental, Mohamed Diab.

Com a ajuda do Crescente Vermelho Egípcio, um comboio de 18 caminhões do PMA entregou 15.600 cestas básicas de alimentos em toda a Península do Sinai. Nos próximos dias, um segundo comboio entregará as cestas básicas restantes de um total de 25 mil para esta ação humanitária.

Desde o início do conflito, o PMA forneceu alimentos de emergência diariamente para 350 mil pessoas deslocadas em Gaza. No entanto, para prosseguir com ações de resposta humanitária em Gaza, a agência da ONU ainda precisa de cerca de 70 milhões de dólares para atender as necessidades por três meses.