Pedido de cessar-fogo global em meio à crise de COVID-19 tem adesão de 170 países

Estados-membros da ONU, observadores e outros enviaram uma forte mensagem política nesta semana, com o anúncio de que 170 signatários já endossaram o chamado das Nações Unidas para silenciar as armas e garantir a união contra a ameaça global da pandemia de COVID-19.

A iniciativa, incentivada pela Malásia, mostra que a maioria das nações, incluindo o Brasil, apoia o pedido global de cessar-fogo que o secretário-geral da ONU, António Guterres, fez em março, quando a pandemia estava ganhando velocidade.

Crianças refugiadas no campo de Zaatari, na Jordânia. Foto: ONU/Sahem Rababah

Crianças refugiadas no campo de Zaatari, na Jordânia. Foto: ONU/Sahem Rababah

Estados-membros da ONU, observadores e outros enviaram uma forte mensagem política nesta semana, com o anúncio de que 170 signatários já endossaram o chamado das Nações Unidas para silenciar as armas e garantir a união contra a ameaça global da pandemia de COVID-19.

A iniciativa, incentivada pela Malásia, mostra que a maioria das nações apoia o chamado global de cessar-fogo que o secretário-geral da ONU, António Guterres, fez em março, quando a pandemia estava ganhando velocidade.

A declaração publicada na terça-feira (23) expressou “profunda preocupação” pelas regiões do mundo em que confrontos continuam, principalmente em meio à crise global da saúde.

Enquanto destaca o impacto nas pessoas mais vulneráveis ​​do mundo, especialmente mulheres e crianças, o documento diz: “devemos reunir todos os nossos esforços para salvar vidas e aliviar a devastação social e econômica de nossos povos”.

Ação coletiva

Os signatários ressaltaram que são necessárias ações diplomáticas e esforços coletivos na luta comum contra a COVID-19 e reafirmaram a importância da “unidade global e solidariedade no enfrentamento desse flagelo”.

No contexto do profundo impacto da pandemia nos três principais pilares da ONU – paz e segurança, desenvolvimento e direitos humanos – os Estados enfatizaram a importância do multilateralismo, do Estado de Direito, da diplomacia e da negociação como “fundamentais” na promoção e apoio a acordos pacíficos de solução de controvérsias.

“Estamos conscientes de que uma condição pacífica é indispensável para facilitar o acesso humanitário em situações frágeis e afetadas por conflitos”, afirmou a declaração, destacando a crença de que “os esforços para aliviar o sofrimento humano e a resolução de conflitos devem andar de mãos dadas ao liderar a ação para combater a pandemia”.

Ao se aproximar do 75º aniversário da assinatura da Carta da ONU, os signatários pediram a todos os atores que “fizessem o máximo” para responder ao apelo de cessar-fogo.

“Continuamos unidos em nossa humanidade compartilhada e em dar uma chance à paz.”

Aqui está a lista completa de signatários que endossam o apelo global ao cessar-fogo do chefe da ONU, até o momento:

Afeganistão, Albânia, Argélia, Andorra, Angola, Antígua e Barbuda, Argentina, Armênia, Austrália, Áustria, Bahamas, Bahrein, Bangladesh, Barbados, Bielorrússia, Bélgica, Belize, Benin, Butão, Bolívia, Bósnia e Herzegovina, Botsuana, Brasil, Brunei Darussalam, Bulgária, Burkina Faso, Burundi, Cabo Verde, Camboja, Canadá, República Centro-Africana, Chile, China, Colômbia, Comores, Costa Rica, Costa do Marfim, Croácia, Chipre, República Tcheca, Dinamarca, Djibuti, Dominica, República Dominicana, Equador, Egito, El Salvador, Guiné Equatorial, Eritreia, Estônia, Etiópia, Fiji, Finlândia, França, Gâmbia, Geórgia, Alemanha, Gana, Grécia, Granada, Guatemala, Guiné, Guiana, Guiana, Haiti, Honduras, Hungria , Islândia, Indonésia, Iraque, Irlanda, Itália, Jamaica, Japão, Jordânia, Cazaquistão, Quênia, Coréia, Laos, Letônia, Líbano, Lesoto, Libéria, Líbia, Liechtenstein, Lituânia, Luxemburgo, Madagascar, Malawi, Malásia, Maldivas, Mali , Malta, Ilhas Marshall, Macedônia, Mauritânia, Maurício, México, Micronésia, Moldávia, Mônaco, Mongólia, Montenegro, Marrocos, Moçambique, Namíbia, Nepal, Holanda, Nova Zelândia, Níger, Nigéria, Noruega, Omã, Palau, Palestina, Panamá, Paraguai, Peru, Filipinas, Polônia, Portugal, Catar, Romênia , Ruanda, São Cristóvão e Nevis, Santa Lúcia, São Vicente e Granadinas, Samoa, São Marinho, São Tomé e Príncipe, Arábia Saudita, Senegal, Sérvia, Seychelles, Serra Leoa, Suazilândia, Cingapura, Eslováquia, Eslovênia, África do Sul, Sudão do Sul , Espanha, Sri Lanka, Sudão, Suriname, Suécia, Suíça, Tajiquistão, Tanzânia, Tailândia, Timor-Leste, Togo, Tonga, Trinidad e Tobago, Tunísia, Turquia, Turquemenistão, Tuvalu, Uganda, Ucrânia, Emirados Árabes Unidos, Reino Unido , Uruguai, Uzbequistão, Vanuatu, Venezuela, Vietnã, Iêmen, Zâmbia, Zimbábue e União Europeia.