'Pare de matar seu próprio povo', diz Ban Ki-moon a presidente sírio

O Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, renovou no domingo (15/01) o pedido à liderança síria pelo fim do derramamento de sangue no país, afirmando que a era da regra de um homem só e a perpetuação de dinastias estão desintegrando.

“Digo novamente ao presidente (Bashar al-) Assad, da Síria: Pare com a violência. Pare de matar seu próprio povo. O caminho da repressão é um beco sem saída”, declarou Ban na Reunião de Alto Nível sobre Reforma e Transições para Democracia, em Beirute, Líbano.

“Os ventos da mudança não vão parar de soprar. A chama acesa na Tunísia não será esmaecida”, afirmou, referindo-se ao levante popular que um ano atrás derrubou o ditador Zine El Abidine Ben Ali. A revolução incentivou manifestações no Norte da África e no Oriente Médio, pondo fim a ditaduras também no Egito, Iêmen e na Líbia.

“Nenhuma dessas grandes mudanças começaram com um pedido de mudança”, destacou Ban. “Em primeiro lugar, as pessoas querem dignidade. Querem o fim da corrupção. Querem opinar sobre o próprio futuro. Querem trabalho e justiça, uma divisão justa do poder político. Quem os direitos humanos deles.”

“A forma antiga, a velha ordem, está se desintegrando – a regra de um homem só e a perpetuação de dinastias, monopólios de riqueza e poder, o silenciamento da mídia, a privação das liberdades fundamentais que são diretos de primogenitura de homens, mulheres e crianças neste planeta”, acrescentou.