Parceria investiga câncer do colo do útero em mais de 500 mil mulheres vivendo com HIV

Paralelamente à Assembleia Geral da ONU, o ex-presidente norte-americano George W. Bush e a embaixadora Deborah L. Birx apresentaram em setembro em Nova Iorque os resultados do primeiro ano da parceria Go Further, que visa acabar com a AIDS e o câncer de colo de útero.

A iniciativa alcançou mais de 500 mil mulheres vivendo com HIV em países africanos, realizando exames de detecção do câncer e tratando lesões cancerígenas pré-invasivas. Mulheres vivendo com HIV têm cinco vezes mais chances de desenvolver câncer cervical invasivo. O relato é do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS).

O câncer de colo do útero (ou câncer cervical) — uma doença que pode ser prevenida por meio da vacinação contra o papilomavírus humano (HPV) e é curável quando detectada precocemente e tratada. Foto: UNAIDS

O câncer de colo do útero (ou câncer cervical) — uma doença que pode ser prevenida por meio da vacinação contra o papilomavírus humano (HPV) e é curável quando detectada precocemente e tratada. Foto: UNAIDS

Paralelamente à Assembleia Geral da ONU, o ex-presidente norte-americano George W. Bush e a embaixadora Deborah L. Birx apresentaram em setembro em Nova Iorque os resultados do primeiro ano da parceria Go Further, que visa acabar com a AIDS e o câncer de colo de útero.

A iniciativa alcançou mais de 500 mil mulheres vivendo com HIV em países africanos, realizando exames de detecção do câncer e tratando lesões cancerígenas pré-invasivas.

A parceria tem como objetivo reduzir em 95% os novos casos de câncer do colo do útero entre as 3,8 milhões de mulheres vivendo com HIV em oito países africanos com maior índice de ocorrências.

No Fórum Empresarial Global da Bloomberg, George W. Bush, Laura Bush e a embaixadora Birx se reuniram com o Rei Mswati III, de Suazilândia (Sul da África), Thomas Thabane, do Lesoto (África Austral), o presidente Peter Mutharika, do Malauí, e Michael Bloomberg, do Bank of America, entre outros.

“Acreditamos firmemente que ajudar esses líderes a salvar vidas em seus países torna o mundo um lugar melhor e a América mais segura”, disse George W. Bush. “Temos muitos líderes aqui, todos assumindo a liderança, todos responsáveis e medindo resultados. É importante que o povo norte-americano saiba que os resultados são surpreendentes.”

“O futuro de cada um dos seus países depende de todos os seus cidadãos — homens e mulheres — cuidando da sua saúde”, acrescentou.

“A Go Further está ajudando as mulheres na África a levar vidas mais longas e saudáveis”, disse a embaixadora Birx, coordenadora Global de AIDS dos Estados Unidos e representante especial para a Diplomacia em Saúde Global, que lidera o Plano de Emergência para o Combate à AIDS do presidente dos Estados Unidos (PEPFAR).

“Ao alavancar as robustas plataformas de prestação de serviços de saúde na África, fortalecidas por mais de 85 bilhões de dólares em investimentos globais em HIV/AIDS no governo dos EUA, protegeremos milhões de mães, filhas, tias e avós — que estão vivendo com HIV e estão vivas, prosperando com o tratamento — da ameaça de câncer do colo do útero.”

Lançado em maio de 2018, a Go Further é uma parceria público-privada entre PEPFAR, Instituto George W. Bush (Instituto Bush), Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) e farmacêutica Merck (conhecida como MSD fora dos Estados Unidos e Canadá). Para alcançar o máximo impacto possível, a parceria tem como foco alcançar mulheres vivendo HIV em países com as maiores prevalências do vírus e taxas de incidência de câncer do colo do útero no mundo.

“A Go Further se baseia na iniciativa do Instituto Bush de apoiar as mulheres na África, ampliando os esforços para salvar mais vidas”, disse Holly Kuzmich, diretora executiva do Instituto Bush. “Mulheres saudáveis ​​e capacitadas contribuem para famílias, comunidades e países mais saudáveis, e esta parceria se orgulha de investir em países de carga elevada para melhorar a saúde e o futuro econômico das mulheres, reduzir o sofrimento e expandir o alcance dos cuidados”.

Estima-se que 100 mil mulheres sejam diagnosticadas anualmente com câncer de colo do útero na África Subsaariana. Sem tratamento, espera-se que 62% dessas mulheres morram com a doença.

Além disso, mulheres vivendo com HIV têm cinco vezes mais chances de desenvolver câncer cervical invasivo. Para lidar com esses riscos, a Go Further está aumentando o acesso à vacina contra o HPV para prevenir o câncer do colo do útero, expandindo a disponibilidade da detecção do câncer do colo do útero e fornecendo tratamento para as mulheres mais vulneráveis ​​ao desenvolvimento do câncer. Com um investimento adicional mínimo, essas intervenções de baixo custo podem salvar milhões de vidas e ajudar a garantir ganhos globais contra o HIV/AIDS.

“Na Merck, estamos comprometidos em atender as necessidades de cuidados de saúde das mulheres nos países em desenvolvimento e temos orgulho de fazer parceria com o PEPFAR, o Instituto Bush e o UNAIDS, por meio da Go Further“, disse Carmen Villar, vice-presidente de inovação de negócios sociais da Merck.

“Por meio dessa parceria, estamos lidando com o câncer do colo do útero em mulheres vivendo com HIV na África Subsaariana, uma das populações mais afetadas por este tipo de câncer, não apenas através de triagem e tratamento, mas também através da prevenção.”

“Salvar a vida de uma mulher por meio do acesso ao tratamento para o HIV e ainda assim ela morrer de câncer do colo do útero devido à falta de acesso a exames de detecção é algo inaceitável”, disse Gunilla Carlsson, diretora-executiva interina do UNAIDS.

“A parceria Go Further é essencial para garantir que os serviços de HIV e câncer do colo do útero sejam integrados e estejam disponíveis para as mulheres e meninas que mais precisam”, completou.

A estratégia Go Further se baseia em sete anos de colaboração entre o PEPFAR e o Instituto Bush, e desenvolve a parceria para salvar mais vidas.

Saiba mais sobre a Go Further em www.gofurther.org