Parceria entre UNESCO e Museu do Índio produz gramáticas e documenta 13 línguas indígenas

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Embora a língua oficial e predominante no Brasil seja o português, o país possui entre 150 e 170 idiomas nativos, a maioria na região amazônica.

As ações fazem parte do Programa de Documentação de Línguas e Culturas Indígenas (Progdoc), que envolveu 40 povos e uma população total de cerca de 35 mil indígenas. Foto: TV ONU

As ações fazem parte do Programa de Documentação de Línguas e Culturas Indígenas (Progdoc), que envolveu 40 povos e uma população total de cerca de 35 mil indígenas. Foto: TV ONU

Treze línguas indígenas faladas no Brasil e sob ameaça de extinção foram documentadas em áudio e vídeo por um projeto do Museu do Índio, da Fundação Nacional do Índio (Funai), em parceria com a Organização da ONU sobre a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO). Dez delas ganharam gramáticas descritivas básicas e um banco de dados que poderá resultar em dicionários.

O projeto também deu início à produção de cinco gramáticas pedagógicas para uso em escolas indígenas do país. As ações fazem parte do Programa de Documentação de Línguas e Culturas Indígenas (Progdoc), que envolveu 40 povos e uma população total de cerca de 35 mil indígenas.

O trabalho coordenado por linguistas contou com a colaboração de indígenas que receberam capacitação e auxílio financeiro para atuar nas suas próprias comunidades. Durante o projeto, eles esbarraram concretamente no problema que tentam evitar: o desaparecimento de idiomas nativos. Embora a língua oficial e predominante no Brasil seja o português, o país tem entre 150 e 170 idiomas nativos, a maioria na região amazônica.

O diretor do Museu do Índio, José Carlos Levinho, destaca a qualidade do material produzido na parceria com a UNESCO. Segundo ele, a impressão dos textos em línguas indígenas exigiu intensa colaboração entre linguistas, designers e editores, a fim de garantir a reprodução fidedigna da grafia das palavras. A previsão é que as gramáticas pedagógicas fiquem prontas até dezembro deste ano.


Mais notícias de:

Comente

comentários